Consumo de jornalismo profissional diminui crença em fake news, diz pesquisa

11 de janeiro de 2021, 10:14

Pesquisa feita em São Paulo buscou medir o nível de crença de eleitores paulistanos em informações falsas (Foto: memyselfaneye/Pixabay)

Estudo encomendado pela Folha mediu conhecimento sobre política. Apoiadores de Bolsonaro erram mais

O acesso ao jornalismo profissional diminui a chance de um eleitor acreditar em fake news. Esse é o resultado de uma pesquisa publicada na edição desta 2ª feira (11.jan.2021) da Folha de S.Paulo.

O levantamento ainda mostrou que os eleitores que aprovam o governo de Jair Bolsonaro erraram mais perguntas sobre política local. Eles, entretanto, são os que mais acreditam ter acertado as questões.

A pesquisa foi conduzida por cientistas políticos da Universidade da Carolina do Norte, em Charlotte (EUA), da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). O estudo foi realizado em parceria com a Folha de S.Paulo e a consultoria Quaest.

Participaram do levantamento 1.000 eleitores da cidade de São Paulo. As pessoas foram submetidas a baterias de perguntas em painel on-line, de novembro a dezembro de 2020.

FAKE NEWS

Em uma parte da pesquisa, foram testadas diferentes formas de contato dos participantes com veículos de comunicação. Aqueles que tinham acesso aos veículos de jornalismo profissional mostraram acreditar menos em informações falsas.

Os pesquisadores dividiram os participantes em 2 grupos –semelhantes em termos de gênero, idade, classe social e religião. Eles foram entrevistados em duas ocasiões: de 19 e 24 de novembro e de 8 e 16 de dezembro.

O 1º grupo recebeu assinatura grátis da Folha por 3 meses e teve acesso a um texto que explicava o processo de checagem de informações. O 2º, o grupo de controle, não teve acesso nem ao texto nem à assinatura grátis do jornal.

Todos os participantes foram confrontados com 4 textos cujo teor foi classificado como falso por agências de checagem. Eles, no entanto, não sabiam da classificação.

As informações falsas apresentadas foram:

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, instruiu militantes petistas a recusar ajuda do governo;

A CNN noticiou que o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Justiça) recebeu propina para beneficiar doleiros;

O youtuber Felipe Neto fez apologia de violência sexual contra crianças;

 Rede Globo pertence a 3 países árabes.

Entre os que não receberam a assinatura da Folha, 65% dos participantes consideraram como verdadeiro ao menos um dos textos com teor falso. No grupo que recebeu a assinatura, o percentual foi menor: 46% acreditaram em pelo menos uma informação falsa.

Levando em conta os 2 grupos, 55% dos entrevistados acreditaram em pelo menos uma informação classificada como falsa.

Foi usada na análise a técnica chamada diferença em diferença. Entre outros elementos, ela controla fatores além do analisado como principal, com o objetivo de evitar que a variação ocorra por outra razão que não o objeto da análise –no caso, acesso ao conteúdo do jornal.

Os pesquisadores analisaram também o nível de crença em fake news baseado no veículo de imprensa consumido pelos entrevistados. Foram considerados assíduos aqueles que leem/assistem/ouvem mais de 4 vezes por semana notícias do veículo.

Os que menos acreditam em informações falsas consomem conteúdo de Folha (-17%), UOL (-15) e Rede Globo (-10). No pólo oposto aparecem os consumidores de Brasil 247 (4%), Jovem Pan (5%), Brasil Paralelo (19%), Terça Livre (22%) e Record (24%).

QUESTÕES SOBRE POLÍTICA

Outra parte da pesquisa mostrou que os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro são os que mais erram questões sobre a política local.

Para cada entrevistado foi perguntado se sabia:

quem era o candidato apoiado por Bolsonaro na corrida paulistana;

quem era o candidato que havia disputado a eleição para governador em 2018;

quem era o vice na chapa de Bruno Covas (PSDB);

quem era o candidato apoiado pelo governador João Doria (PSDB).

Os participantes responderam ainda quantas questões achavam que eles e os demais participantes acertaram.

No geral, os entrevistados acertaram, em média, 2,6 das 4 questões.

Entre os que aprovam a gestão Bolsonaro, a média foi de 2,2 acertos. Eles achavam que tinham acertado 2,8 itens e que os demais haviam respondido de forma correta a 2,1.

Os entrevistados que desaprovam o governo tiveram 2,8 acertos. O número é o mesmo que eles acharam que acertaram. Esse grupo disse ainda que os demais participantes acertariam duas questões.

O trabalho foi conduzido por Frederico Batista (Universidade da Carolina do Norte), Felipe Nunes (UFMG) e Nara Pavão (UFPE). Eles pretendem publicar um trabalho científico com os resultados.

Os resultados dessa parte da pesquisa se combinam com o anterior. Os simpatizantes de Bolsonaro tendem a se informar por meio de veículos como a Record, o Terça Livre e o Brasil Paralelo.

Os cidadãos que buscam informação em meios sérios e profissionais tendem a ter muito mais capacidade de discernimento entre o verdadeiro e o falso e muito mais condições de apreender a realidade política do país”, afirmam os pesquisadores.

Folha contatou a Record e os sites Terça Livre e Brasil Paralelo. O canal de televisão não se manifestou. Terça Livre e Brasil Paralelo contestaram os resultados da pesquisa.

Essa pesquisa é uma notícia falsa e quem está consumindo são vocês”, afirmou o Terça Livre. Declarou que “isso só comprova” pesquisas de mercado feitas pelo veículo que mostram que “o Terça Livre Premium irá ultrapassar a Folha de S.Paulo em assinaturas”.

Brasil Paralelo disse que, ao analisar o estudo, “identificou falhas de enviesamento no objeto, na amostragem e no método, estando assim em desacordo com as boas práticas científicas e sendo, portanto, uma peça de desinformação”.

Fonte: Poder 360

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS