Consumo de álcool antes de dirigir sobe 16% após lei seca

05 de junho de 2018, 12:03

Homens são maioria entre as pessoas que admitem cometer a infração

O número de adultos que admitem digirir após consumir bebida alcóolica cresceu 16% em entre 2011, ano em que começou a lei seca, e 2017. As informações são do G1.

Pessoas entre 25 e 34 anos (10,8%) e com maior escolaridade (11,2%) são os que mais bebem antes de pegar o volante, segundo levantamento do Ministério da Saúde. No geral, 6,7% da população adulta no Brasil confessa cometer a infração. A mesma pesquisa indica que homens se arriscam mais do que mulheres (11,7% admitem a prática, contra 2,5%).

Recife foi a capital onde menos pessoas admitiram cometer o delito (2,9%), sendo Palmas (16,1%) a cidade pesquisada com mais infratores.

As informações são da pesquisa Vigitel (Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas), feita pelo Ministério da Saúde em 27 capitais entre fevereiro e dezembro de 2017. Foram realizadas 53.034 entrevistas com maiores de 18 anos por telefone.

A lei seca determina tolerância zero para motoristas pegos alcoolizados. Caso o teste do bafômetro acuse valor acima de 0,33 mg/l, o infrator responde criminalmente. Qualquer motorista flagrado com dirigindo após consumo de álcool tem de pagar multa de R$ 2.934,70 e tem a carteira nacional de habilitação (CNH) recolhida.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS