Comunidade rural de Sebastião Laranjeira recebe equipamentos para fortalecer bovinocultura de leite

04 de julho de 2020, 09:53

(Foto: SDR)

(Da assessoria) – Agricultores familiares da Associação dos Moradores de Campos e Mato Grosso, localizada no município de Sebastião Laranjeiras, no Território Sertão Produtivo, receberam do Governo do Estado equipamentos para ajudar no crescimento da bovinocultura de leite e, consequentemente, no aumento da renda da comunidade.

Estão sendo investidos R$479.4 mil no sistema produtivo, por meio do Bahia Produtiva, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Banco Mundial.

Foram entregues à comunidade equipamentos de resfriamento de leite e máquinas agrícolas como sugadores e roçadeira, além de palmas para alimentação dos bovinos. Também estão previstas a construção de abrigo, entregas de palmas irrigadas, kit de irrigação, kit de inseminação, sêmens, adubos e outros implementos.

Para a presidente da associação, Joselice da Silva Lopes, os investimentos foram um progresso na localidade: “Foi um estímulo para as 34 famílias que serão beneficiadas diretamente para trabalhar na produção do leite de vaca. Nos ajudará a agregar valores sustentáveis para nossas famílias. Mesmo diante da pandemia, de maneira cautelosa, estamos trabalhando para que os investimento desse projeto gerem renda não só para os beneficiários, mas para todas as famílias que trabalham com a bovinocultura de leite na região”.

A pecuária leiteira é uma das atividades mais tradicionais do meio rural brasileiro e, na Bahia, é uma das principais geradoras de renda da agricultura familiar. O estado é o quarto maior produtor de leite e concentra 118 mil produtores, sendo que 96 mil são agricultores familiares.

Para potencializar esse importante segmento, o Bahia Produtiva, por meio do edital de bovinocultura de leite, está investindo cerca de R$25 milhões na atividade leiteira, para melhorar a produção e, consequentemente, a renda de 1980 famílias agricultores familiares de todo estado.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS