Cinco dicas para evitar cálculo renal

16 de agosto de 2019, 06:04

(Foto: Reprodução)

Um em cada dez adultos vai, em algum momento da vida, sentir a dor excruciante causada pela eliminação de um cálculo renal. Mais conhecidos como ‘pedras nos rins’, os cálculos resultam de depósitos microscópicos na urina que se solidificam com o tempo; como o sal deixado no fundo de um copo com água salgada depois que o líquido evapora.

Existem vários tipos de cálculos renais. Se você expeliu um, seu médico pode verificar sua composição e medir a concentração de substâncias químicas presentes na sua urina e no seu sangue para decidir a melhor maneira de prevenir outros cálculos no futuro.

Quais são as causas?

Predisposição genética, infecções urinárias, doença renal, desitratação crônica e certos distúrbios metabólicos que afetam a composição da urina. Alguns medicamentos, como diuréticos e os antiácidos à base de cálcio, também podem contribuir para o aparecimento de cálculos renais.

Quais os sintomas de pedras nos rins?

Inicialmente, não há sintoma. Na verdade, a maioria dos cálculos renais é excretada sem nenhum sintoma. Cálculos maiores, no entanto, podem causar dor intensa e súbita nas costas, do lado e na parte inferior do abdome, bem como náuseas e vômitos. Você pode apresentar também sangue na urina; sentir que precisa urinar com mais frequência do que o de costume; e/ou experimentar queimação ao urinar.

Confira abaixo algumas formas simples de prevenir o aparecimento das  dolorosas pedras nos rins:

  • Beba muita água durante o dia
  • Alimente-se menos com comidas ricas em oxalato, como espinafre, nozes, batata doce e até chocolate
  • Reduza as quantidades de sal e proteína em suas refeições
  • Continue alimentando-se de comidas ricas em cálcio, mas cuidado com suplementos. É essencial manter os níveis de cálcio no sangue estáveis.

Coma iogurte

Consuma cereais integrais

 

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS