Cinco anos de prisão para mãe que escondeu bebê na mala do carro por dois anos

18 de novembro de 2018, 11:13

Rosa Maria Da Cruz, mãe de Séréna, durante seu julgamento em Tulle, na França, em 12 de novembro de 2018 (Foto: AFP)

A Justiça francesa condenou nesta sexta-feira (16) a cinco anos de prisão, três deles sob sursis, uma mãe que havia escondido durante dois anos a existência de sua filha, descoberta em 2013 na mala de um veículo e com danos irreversíveis.

Rosa Maria Da Cruz, de 50 anos será presa nesta sexta à noite em Limoges (centro da França), segundo a Promotoria.

Além de sua pena de prisão, a mulher foi condenada também a um acompanhamento sócio-judicial de cinco anos, com requerimento de cuidados, detalhou a sua advogada Chrystèle Chassagne-Delpech.

Durante a audiência foi confirmada a perda total da autoridade parental sobre a sua filha Séréna, requerida pela Promotoria.

Pediam para Da Cruz, mãe de outros três filhos, uma pena de oito anos de prisão. A defesa, por sua vez, pedia a absolvição.

Depois das alegações da defesa, Da Cruz declarou: “Quero pedir perdão a Séréna por todo o mal que lhe fiz”. “Me dou conta de que lhe fiz muito dano e de que não voltarei a ver a minha filha”.

“Este julgamento não é julgamento de uma negação de gravidez”, afirmou o advogado estatal Olivier Kern, a respeito da tese apresentada pela defesa, que dominou os cinco dias de processo.

“Este julgamento é de ocultação”, uma ocultação “responsável pela privação de cuidados e alimentos, e da violência usada”, continuou Kern. Enumerou o isolamento, as privações sensoriais, de estímulos, ausência de contato exterior, confinamento ao silêncio, a “falta de tudo” à recém-nascida.

“Dois anos não são algumas semanas”, disse Kern. “É necessário organização, reflexão para esconder uma criança de seus parentes, de seu cônjuge, de seus filhos” durante esse tempo.

Da Cruz enfrentava um máximo de 20 anos de prisão, em um caso julgamento criminalmente pelo caráter “permanente” das sequelas de Séréna, encontrada no final de outubro de 2013 nua, coberta de excrementos, de larvas de verme e de brinquedos na mala do carro de sua mãe.

A menina, que vive com uma família de acolhida há cinco anos e que completará sete em uma semana, sofre um “déficit funcional de 80%”, uma “síndrome autista certamente irreversível” relacionada, “sem dúvidas”, às condições dos seus 23 primeiros meses de vida, de acordo com as avaliações.

Embora nunca “se saberá o motivo”, segundo a acusação e a defesa, Da Cruz teria vivido traumas anteriores, em um primeiro parto muito difícil, e um segundo que foi inesperado em 2004 após uma negação da gravidez.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS