Cinco alimentos que jamais deve colocar na geladeira

14 de outubro de 2020, 13:03

Onde costuma guardar a cebola? (Foto: Reprodução)

É óbvio que pretende preservar durante o máximo de tempo possível os alimentos que compra, contudo a melhor solução nem sempre é colocá-los na geladeira…

Nesse sentido, a revista Atletismo divulgou uma lista de alimentos que jamais deve armazenar no frio, isto porque a baixa temperatura pode afetar a sua qualidade e gosto.

1. Batata

Este alimento deve ser armazenado num saco de papel e colocado num ambiente seco.O frio da geladeira pode fazer com que apodreça mais rapidamente.

2. Cebola

A cebola deve ser guardada num espaço seco e ventilado. Na geladeira tende a ficar mole e com mofo. Entretanto, se já tiver sido cortada, começa a secar mesmo que a tenha embrulhado em papel de alumínio.

3. Abacate

O abacate não amadurece quando é colocado na geladeira. Para acelerar o processo de amadurecimento, armazene-o num plástico com uma banana ou uma maçã.

4. Laranja

O frio da geladeira danifica frutas de ácido cítrico como a laranja, tangerina ou limão. As frutas cítricas devem ser mantidas à temperatura ambiente para amadurecerem devidamente.

5. Tomate

Colocar este fruto no frio, pode alterar o sabor e fazer com que apodreça mais rápido do que o suposto. Deve armazená-lo num recipiente fora da geladeira.

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS