NEGÓCIOS

Participação dos jornais impressos no mercado publicitário caiu de 50% em 2000 para menos de 10% em 2020

29 de junho de 2020, 15:29

Foto: Reprodução

Os jornais impressos estão no que parece ser a crise final de sua história. No Brasil, foi simbólico que, neste mês de junho, o jornal O Globo tenha anunciado que não distribuirá mais sua versão impressa na capital federal, Brasília.Segundo reportagem do Financial Times reproduzida pelo Valor Econômico. a agonia dos jornais atingiu o que parece ser seu ponto culminante. Em 2000, jornais e revistas ficavam com metade de todos os gastos com publicidade. Em duas décadas, sua participação nesse mercado de cerca de US$ 530 bilhões caiu para menos de 10%, com plataformas como Google e Facebook abocanhando a maior parte dos anúncios locais e classificados. 

O coronavírus está desmantelando o que sobrou – alguns jornais informam que os anúncios caíram entre 50% e 90% em abril. Entre 2008 e 2019, o número de empregados nos jornais impressos nos EUA caiu para menos da metade, de 70 mil para um número abaixo de 35 mil. 

A pandemia agravou o cenário e expôs a crescente divisão entre o punhado de veículos com mais de 1 milhão de assinantes cada e o resto, que vem lutando para pagar as contas. No primeiro trimestre de 2020, o “The New York Times” conseguiu 587 mil novas assinaturas digitais – mais do que todos os 100 jornais controlados pela Gannett, a maior editora tipográfica dos EUA, e mais que o número de leitores por assinaturas pagas do “Los Angeles Times” e do “The Boston Globe” juntos. 

O perigo é uma divisão noticiosa entre um público pagante de elite, que é bem-servido, mas pequeno, e um público mais amplo, que depende dos provedores de conteúdo que tentam monetizar o tráfego de internet, mas poderão ter dificuldades em transmitir notícias locais em profundidade. “O jogo de tráfego [alto], [que depende de] um dólar de publicidade comoditizado funcionou em algumas circunstâncias, mas não de maneira durável, e não respaldou o tipo de trabalho que os melhores jornalistas querem fazer”, diz John Harris, um dos fundadores da “Politico”. 

Rasmus Kleis Nielsen, do Instituto Reuters, acrescenta que a maioria das publicações dependentes de assinaturas vai se concentrar, primordialmente, em uma área de nicho, “custeada por um público altamente motivado, muitas vezes bastante alinhado politicamente e geralmente bastante privilegiado”. 

Fonte: Brasil 247

Leia mais...

Mercado Livre anuncia abertura de centro de distribuição na Bahia

19 de junho de 2020, 21:27

Foto: Reprodução

O Mercado Livre vai implantar nas Bahia eu primeiro Centro de Distribuição (CD) no Nordeste e terceiro no Brasil. O CD faz parte de um plano de investimento de R$ 4 bilhões que a empresa pretende fazer no Brasil até o final de 2020. A unidade vai gerar 500 empregos diretos, quando estiver em pleno funcionamento e ficará sediada em Lauro de Freitas, em uma área de 35 mil metros quadrados. Para a instalação, o empreendimento recebeu amplo apoio institucional do Governo do Estado, por meio das secretarias de Desenvolvimento Econômico (SDE), do Planejamento (Seplan) e da Fazenda (Sefaz).

“É um orgulho saber que teremos um CD deste porte na Bahia e que será o primeiro do Nordeste. A atração deste investimento é fruto de um trabalho em equipe que planeja e executa ações pensando no desenvolvimento do estado e na geração de emprego e renda para o povo baiano’, afirma o vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico.

O secretário do Planejamento, Walter Pinheiro, destaca que “a Bahia possui diversas vantagens logísticas para o escoamento da carga de forma mais rápida. Apresentamos para o Mercado Livre também os projetos de expansão dos diversos modais aqui na Bahia. Portanto, a decisão de implantar esta unidade em nosso estado com certeza foi acertada”.

A operação será no modelo Fulfillment, em que o Mercado Livre fica responsável por todo o processo logístico do vendedor do marketplace, do estoque de produtos ao pós-venda. O marketplace é uma plataforma, mediada por uma empresa, em que vários fornecedores se inscrevem e vendem seus produtos.

O objetivo do Mercado Livre é realizar entregas no mesmo dia ou dia seguinte para Salvador, dependendo do horário da compra. Já as encomendas para o Recife poderão ser feitas em até um dia. Além de fazer entregas mais rápidas para o Nordeste, a ideia é aumentar ainda mais a oferta de frete grátis na região.

De acordo com o vice-presidente de Mercado Envios para a América Latina, Leandro Bassoi, a inauguração deste CD no Nordeste é bastante estratégica para que a empresa dê um salto de qualidade na experiência do cliente do marketplace. “Buscamos realizar entregas ainda mais rápidas e a preços menores, além de ajudar os empreendedores locais a ter uma opção de logística premium sem terem que investir para isso. Esse movimento está diretamente ligado ao nosso compromisso de democratizar o e-commerce e contribuir para que nossas ações se reflitam em toda a cadeia de valor envolvida”, explica Bassoi.

A empresa também vai realizar um programa social voltado para a educação e a empregabilidade de 120 jovens da região de Lauro de Freitas em parceria com o Instituto Aliança.

Fonte: Ascom/Seplan e SDE

Leia mais...

Clínica Odontológica inaugura unidade em Jacobina na segunda (22)

19 de junho de 2020, 17:53

Foto: Divulgação

(Por Tamara Leal) – Um novo conceito em saúde bucal acaba de chegar a Jacobina, no Centro-Norte baiano. Com matriz em Feira de Santana e filiais em Salvador e Irecê, a Clínica Odontológica Meu Dente será inaugurada na próxima segunda-feira (22).
Linda, confortável, com equipamentos modernos, equipe altamente qualificada e atendimento personalizado, a clínica Meu Dente oferece diversas especialidades odontológicas com facilidades para realizar o seu tratamento e a conquista do sorriso desejado.
A proprietária, Dahiane Prazeres, explica que a clínica oferece muitas vantagens. “O nosso cliente encontrará diversos tratamentos em um só lugar, com alto padrão de qualidade e valor acessível”, ressalta.
Fernando Prazeres, também proprietário da Meu Dente, enfatiza a necessidade de cuidados especiais de prevenção da COVID-19. “Estamos nos adequando ao novo normal. Nossos colaboradores vão trabalhar com equipamentos de segurança individual. Nos diversos ambientes, contaremos com álcool em gel e tomaremos todos os cuidados para evitar aglomeração. Os cuidados serão redobrados para preservar a saúde de colaboradores e clientes”, destaca.
O estabelecimento de saúde conta com 11 consultórios odontológicos e sala de imagem. Mais de 20 profissionais (dentistas, auxiliares de atendimento bucal, recepcionistas, gerentes e auxiliares de serviços gerais) trabalharão no local.
A Clínica Odontológica Meu Dente está localizada na Av. Senador Pedro Lago, 104 (vizinha à Caixa Econômica) – Centro – Jacobina/BA.
Agende o seu horário pelo telefone: (74) 3622 – 4199 e/ou pelo WhatsApp (74) 99929 – 1350. Acompanhe os nossos serviços, dicas e novidades seguindo o Instagram @clinicameudente.

Leia mais...

Yamana participa de live sobre sustentabilidade em tempos de pandemia promovida pela FIEB

19 de junho de 2020, 17:45

Foto: Reprodução

Na última terça-feira, dia 16 de junho, o vice-presidente de operações da Yamana Gold – Brasil & Argentina , Sandro Magalhães, participou de uma live sobre sustentabilidade em tempos de pandemia. A discussão foi coordenada pelo presidente do Conselho de Sustentabilidade da Federação das Indústrias da Bahia (FIEB), Jorge Cajazeiras e contou com a contribuição valiosa do Ministério Público Federal, representado por Dra. Cristina Seixas (INEMA), através do Engenheiro Eduardo Topázio e do Engenheiro André Fraga, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana.

A live teve 788 inscritos e contou com a interação, através de perguntas e comentários, de mais de 75 pessoas. Segundo Jorge Cajazeiras, as empresas vêm colocando em prática os seus compromissos de sustentabilidade cada vez mais, especialmente com os temas ligados à dimensão social, que se tornam ainda mais importantes em período de pandemia. As instituições públicas também estão enfrentando esse desafio, com as mudanças repentinas em suas formas de funcionamento. A live teve como proposta a possibilidade dos participantes dialogarem sobre essas articulações dentro das cadeias produtivas, questões ambientais e nos setores da sociedade.

O destaque da Yamana nesta discussão foi expor seu posicionamento no mercado como atividade essencial e a importância de se manter em operação para continuar a dar apoio nas regiões onde ela está inserida, através de várias ações de responsabilidade social desenvolvidas nesse momento de pandemia, as quais sem a manutenção das operações não seria possível. A empresa, ocupa o ranking de maior produtora de ouro na Bahia, é a maior pagadora de Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) do estado, além de maior empregadora da região.

Sandro Magalhães, mencionou que a Jacobina Mineração e Comércio (JMC), mantém-se atenta à segurança de seus colaboradores, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, da Organização Mundial da Saúde e as melhores práticas de controle de saúde previsto nos rígidos protocolos da Yamana. A empresa vem trabalhando com o número mínimo de funcionários como parte das medidas de controle e mesmo assim, no último mês, alcançou todas as metas de produção. “O funcionamento da mineração nesse momento de pandemia permitiu que a empresa direcionasse maiores esforços para o investimento social local, além de garantir a manutenção dos postos de trabalho de mais de duas mil pessoas. O apoio social vem ocorrendo através de doações e incentivo a geração de renda nas comunidades, apoio financeiro ao município de Jacobina, através da criação de um fundo de assistência no combate ao Coronavírus, doação de milhares de testes rápidos de Covid-19 ao município, equipamentos de proteção individual às equipes de saúde que atuam na linha de frente, doação de respiradores e equipamentos ao hospital regional de Jacobina, além de doação de milhares de máscaras, kit de higienização e cestas básicas à população mais vulnerável. Preocupada com o impacto econômico gerado pela Covid-19, como medida adicional, a empresa ainda está ajudando seus fornecedores e prestadores de serviço com antecipações de pagamentos”, informa Sandro Magalhães.

O Ministério Público e o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) destacaram a importância da parceria entre poder público e empresas privadas no apoio às pessoas nesse momento tão delicado. A promotora, Drª Cristina Seixas, relatou que o órgão vem realizando suas atividades através do monitoramento de atividades que impactam ou interferem no equilíbrio ambiental e que estão relacionadas diretamente com a propagação do vírus, como o tratamento de resíduos sólidos e saneamento. “ Temos atuado na fiscalização dessa governança de saúde, pois meio ambiente e saúde dependem um do outro para funcionarem bem”, destaca Drª Cristina.

O engenheiro do INEMA, Eduardo Topázio mencionou que tem sido desafiador para as equipes do instituto realizarem suas atividades de campo em algumas cidades, às vezes por dificuldade de acesso e até mesmo por falta de locais para hospedar os profissionais, que muitas vezes precisam ir e voltar no mesmo dia, devido ao fechamento de hotéis por causa da pandemia. Por outro lado, apontou que muitas avaliações de licença que estavam pendentes, por excesso de trabalho, estão sendo realizadas mais rapidamente devido ao home office.

Sandro Magalhães, chamou atenção para a mudança nas relações que a pandemia trouxe e destacou que para gerir esse momento de crise, órgãos e empresas precisam se reinventar, entender as necessidades de quem está ao redor, quais as expectativas possuem, para que posteriormente atuem mitigando os impactos causados pelo vírus.

A live teve a duração de duas horas e recebeu muitos elogios, perguntas e comentários, desde a composição do debate à brilhante iniciativa da FIEB. “Parabéns aos debatedores, o pós-pandemia realmente será desafiador do ponto de vista econômico, social e ambiental”, aponta a participante Tatiana Matos.

Leia mais...

Jacobina: Comerciante autônomo usa Fusca Herbie de 1974 e bicicleta Monareta de 1977 para atrair clientes (Fotos)

19 de junho de 2020, 16:40

Foto: Notícia Limpa

Antes mesmo de o país atravessar o problema da pandemia do coronavírus, situação esta que tem agravado diversos setores, principalmente a economia, o Brasil já vinha atravessando momentos difíceis no tocante a oferta de trabalho. Milhões de brasileiros desempregados vêm recorrendo ao trabalho informal para garantir suas rendas.

Diversos são os tipos de produtos ofertados pelos, agora, vendedores ambulantes. É cada dia maior o número de pessoas ‘se virando’ como pode pela sobrevivência. Com o isolamento e o distanciamento social, medidas tomadas em diversas cidades como forma de prevenção contra o coronavírus, o que já estava difícil tem se tornado um verdadeiro pesadelo para milhões de famílias brasileiras, principalmente àquelas que não conseguiram ter acesso à ajuda de 600 reais do Governo Federal.

Em Jacobina o comerciante Adir Rodrigues de Melo, de 59 anos, juntou uma paixão antiga com a necessidade de se manter financeiramente e decidiu literalmente ir para as ruas comercializar alguns dos produtos que antes da crise possuía apenas como hobby: carrinhos de ferro em miniaturas e cachaças engarrafadas. O proprietário de restaurante e agora também ambulante Adir, expõe seus produtos no porta-malas do seu Fusca 1200, ano 1974 e em mostruários que ficam próximos ou dentro do veículo.

Além do seu fusca apelidado de ‘Herbie’, em alusão ao personagem fictício do filme”As aventuras do Fusca (Herbie Rides Again), de 1974, acompanha ao criativo novo ambulante a bicicleta ‘5 Estrelas Monareta’, fabricada em 1977. Entre uma compra e outra Edir por vezes é interrompido para um pedido de foto. Todos querem levar consigo a imagem do Fusca branco pérola e da bicicleta que foi um sucesso há mais de 40 anos.

“Resolvi vir para a rua vender esse produtos para complementar a renda da minha família, uma forma de sobrevivência e para isso unir o útil ao agradável’ pois sempre gostei de coisas antigas, principalmente carros. Tem sido gratificante em saber que estou conseguindo transmitir alegria pra mim e para meus clientes”, salientou Adir.

Adir seu fusca Herbie, sua Monareta 5 Estrelas, as miniaturas de carros e as cachaças estão todas as sextas-feiras no estacionamento próximo à passarela da Amizade, na Avenida Orlando Oliveira Pires, nas imediações da Imagem Foto-ótica e A Lojita. O Restaurante Panela de Barro, localizado no bairro Jacobina 3, é de sua propriedade, onde os produtos também podem ser adquiridos.

Leia mais...

Bahia: Milho não transgênico da agricultura familiar leva qualidade às comidas típicas juninas

18 de junho de 2020, 08:20

Foto: SDR

(Da ssessessoria) – Junho traz as comemorações de São João, São Pedro e Santo Antônio e com elas as comidas típicas desta época. Na Bahia, a mesa de guloseimas tem cheiro e sabor inconfundíveis dos pratos feitos à base do principal produto que dá cor e brilho à tradição junina, o milho.

No município de Irecê, agricultores e agricultoras familiares começaram a colheita do milho neste mês e seguem até agosto, a todo vapor, com a promessa de ser a maior colheita de milho dos últimos anos. Os agricultores são apoiados pelo Governo do Estado, por meio do projeto Bahia Produtiva, com entrega de insumos, como grãos não transgênicos, e assistência técnica e extensão rural (Ater).

De acordo com a agrônoma do Bahia Produtiva, Zene Vieira, que acompanha os agricultores, a expectativa é que haja aumento de 80% na produção em relação ao ano passado: “Este ano teremos uma colheita maior do que nos últimos 12 anos. No território de Irecê, a gente deve ter uma safra de aproximadamente 1 milhão de sacos de milho na região. Avaliamos que 25% seja de milho não transgênico”.

Os agricultores entregam sua produção para a Cooperativa Agropecuária Mista Regional de Irecê (Copirecê), única com produtos não transgênicos da Bahia. A cooperativa já recebeu, no total, R$ 1.4 milhão de investimento do governo estadual, por meio do edital Alianças Produtivas. Os recursos estão sendo aplicados na aquisição de um caminhão para escoar a produção, comunicação visual e embalagens, construção de galpão industrial e de uma moega e a aquisição de máquinas e equipamentos.

Plantado, colhido, secado e moído, o milho utilizado pela Copirecê na produção de produtos como Flocão Puro Milho não transgênico, Canjiquinha, Mingau de Milho Verde, Mingau Multicereais, Mugunzá e Creme de Milho, é cultivado, atualmente, por 600 famílias de cooperados de todos os municípios do Território Irecê. Juntos, elas produzem em média 75 toneladas por mês.

O agricultor Hélio Rodrigues Rocha, da comunidade Baixão dos Honoratos, no município de São Gabriel, é um dos beneficiados pelo Bahia Produtiva, e cooperado da Copirecê: “A gente só planta agora semente crioula (não transgênica) semente de boa qualidade, aumentei até minha área de produção. É uma semente que vou manter pro resto da vida. E produzir um milho bom desse jeito e já saber pra quem vou vender, pra cooperativa, me deixa muito seguro e satisfeito”.

Produtos de milho delivery

Da plantação de Seu Hélio, o milho vai para a Copirecê, onde é transformado e passa a ter valor agregado, e pode ir direto para a casa do consumidor. Os festejos deste ano são dentro de casa, mas a mesa com iguarias feitas com milho está garantida. Para quem mora em Salvador, os produtos da Copirecê, a exemplo do Flocão de Milho não transgênico, podem ser adquiridos e entregues em casa, pelas plataformas balcao.online/coophub e www.escoarbrasil.com.br. Moradores de outras localidades podem entrar em contato pelo telefone (74) 3641-3722 ou pelo Instagram @flocaopuromilho.

Bahia Produtiva

O Bahia Produtiva é um projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Banco Mundial.

Leia mais...

Agricultura familiar baiana continua produzindo e garante produtos típicos juninos nas mesas dos baianos

15 de junho de 2020, 10:10

Foto: Ascom/SDR

(Da Assessoria) – Junho chegou! E com ele toda a tradição das festas juninas e, é claro, tudo que elas trazem de bom. A agricultura familiar assegura que as iguarias juninas estejam presentes nas comemorações, que este nesse período a recomendação é ficar em casa. Segundo dados do Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE 2017), o volume de produção anual na Bahia, de itens juninos, produzidos somente pela agricultura familiar, é de 4.303 toneladas de amendoim com casca, 301.323 toneladas de mandioca, 136.505 toneladas de laranja e 14.063 toneladas de espigas de milho verde.

Esses e outros produtos podem ser adquiridos tanto em feiras livres, onde os decretos municipais não proibiram, quanto em serviços de entrega, ou sistema drive thru, em que os pedidos são separados e entregues em dias e horários já pré-determinados. As iniciativas contribuem com o distanciamento social, recomendado para esse período e facilitam, especialmente, a vida do consumidor, para que eles desfrutem das iguarias típicas desta época do ano, em casa, e curtam os festejos de forma virtual por meio de transmissões ao vivo de atrações juninas.

Um desses serviços de entrega é oferecido pela família da agricultora Josenilda, da comunidade rural Fazenda Guerreiro, em Simões Filho, que também entrega diversos produtos juninos e outros de famílias de agricultores familiares de Simões Filho e de municípios. Ela explica que como optou por não ir levar seus produtos à feira do bairro da Saúde, em Salvador, devido às recomendações dos órgãos sanitários, está atendendo, com o serviço de entrega domiciliar aos clientes que já consomem os produtos que ela oferece, todos os sábados no local.

“Nesse período de pandemia as pessoas estão sem poder sair, ainda mais que nossos clientes, já estão com uma idade mais avançada e não podem estar se expondo. Então com esse sistema de entrega recebo muitos agradecimentos. Eu não posso me expor, também não posso esquecer dos que já estão conosco há quase cinco anos, então essa é uma forma segura que encontramos”. Os pedidos podem ser feitos pelo telefone (71) 99968-1720.

Produtos agroecológicos

Com o lema Nós seguimos produzindo seus alimentos, a Rede Raízes do Brasil também está oferecendo, para os consumidores da capital baiana e de Vitória da Conquista, os produtos típicos juninos. A sua lista, de itens produzidos, de forma agroecológica, por 80 famílias camponesas ligadas ao Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), de mais de 10 municípios das regiões Centro Norte, Baixo Sul e Sudoeste Baiano inclui os produtos in natura, entre eles os típicos juninos, como aipim, amendoim, milho e laranja, e os processados, como o café e o mel, que vêm de Territórios como o Sudoeste Baiano e Recôncavo.

De acordo com o articulador do MPA na Bahia e colaborador da Rede, Leomárcio Silva, a procura pelo alimento de base agroecológica, ofertado pela cesta camponesa tem sido crescente: “A rede segue cumprindo seu papel: “Aproximar quem produz de quem consome, sem atravessadores, garantindo que o alimento saudável chegue às mesas dos baianos”.

Para adquirir os produtos, que chegam a Salvador quinzenalmente, é necessário acessar a plataforma de comercialização da rede. Para mais informações sobre os produtos e pedidos os contatos da Rede Raízes do Brasil são (77) 988741049 e perfil no Instagram: @rederaizesdobrasil.ba.

Recôncavo Baiano

Conhecida por realizar famoso São João, esse ano, a população de Cruz das Almas não contará com os festejos, mas poderá adquirir os produtos juninos em casa e celebrar em família. A Quitanda do Campo, está realizando entrega a domicílio. Os pedidos devem ser feitos de segunda a quarta-feira, pelos contatos (75) 98804-1390 e ducampoquitanda@gmail.com, com Cleidson e Sidnara. As entregas acontecem às sextas-feiras, com produtos vindos também de outros municípios do Recôncavo, como Castro Alves, São Felipe e Muritiba.

Entre os produtos fornecidos pela Quitanda do Campo, estão os da Associação de Desenvolvimento Comunitário do Bom Gosto, localizada em São Felipe, que durante todo o ano trabalha com os derivados da mandioca. “Estamos trabalhando nesse período na produção de bolos de aipim, puba e milho e com amendoim, milho, massa de puba, canjica e entregamos em comunidades de São Felipe e em quitandas de Cruz das Almas”, informa Maria do Carmo Santos. Ela explica são 76 associados e 23 famílias envolvidas na produção de derivados de mandioca durante todo o ano. A associação produz ainda beiju, tapioca, farinha, bolo de puba, bolo de aipim, pizza de aipim.

Leia mais...

Jacobina: Comunicado importante para o comércio local

09 de junho de 2020, 10:26

Foto: Notícia Limpa

(Da Assessoria) – A Associação Comercial e Industrial (Acija), a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), o Sindicato Patronal do Comércio (Sindpat) e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Jacobina e Região, comunicam aos empresários jacobinenses e aos seus colaboradores que conforme consta no Calendário de  Feriados da ACIJA, o dia 11 de junho, alusivo às comemorações litúrgicas católica do Corpus Christi (Corpo de Cristo), é ponto facultativo (lembrando que esta data é sempre celebrada na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade (que ocorre 50 dias depois da Páscoa).

Portanto é de livre arbítrio a decisão do empresário abrir ou não o seu estabelecimento comercial, entretanto faz-se necessário obedecer às determinações do Decreto Municipal 189 de 29 de maio de 2020 – Pós Pandemia Covid-19.

Chamamos atenção para o bom senso, haja vista o momento grave que estamos vivenciando na busca de minimizar as transmissões urbanas do vírus causador da pandemia do novo coronavírus.

Lembramos ainda, que o dia 13 de junho (sábado) será feriado municipal, nesse dia comemora-se o dia de Santo Antônio – Padroeiro da Cidade de Jacobina.

Leia mais...

Coronavírus gera disputa entre gigantes do sabão em pó

09 de junho de 2020, 08:13

Foto: Reprodução

O novo coronavírus provocou uma queda de braço entre duas gigantes da indústria de sabão em pó. A Unilever, dona da marca Omo, foi à Justiça pedir para a Química Amparo, fabricante do Tixan-Ypê, suspender a venda de uma linha de produtos que promete matar um vírus.

A embalagem que incomodou a multinacional não menciona diretamente o nome do novo coronavírus, mas a ilustração do pacote remete ao causador da Covid-19 e traz mensagem dizendo que o sabão é capaz de destruir a camada externa de gordura.

Segundo as palavras da Unilever no processo, o caso provoca um “cavalo de pau na concorrência” neste momento em que os consumidores estão em alerta por causa da pandemia.

A disputa também foi parar no Conar (órgão de regulamentação publicitária), que diz ter um processo em tramitação envolvendo a marca, mas não comenta o caso. Procurada pela reportagem, a Ypê afirma que “está prestando todos os esclarecimentos solicitados pelo Conar”.

 

Leia mais...

COMUNICADO IMPORTANTE À POPULAÇÃO DE JACOBINA

02 de junho de 2020, 09:19

Diante da pandemia que estamos enfrentando, a ACIJA – Associação Comercial e Industrial de Jacobina, vem sugerir aos clientes moradores de Jacobina (sede), que priorizem sua compras no período da tarde, já que pela manhã existe um grande fluxo no centro da cidade, principalmente de pessoas que procuram serviços bancários para realização dos saques do Auxílio Emergencial, nas agências bancárias, lotéricas e outros agentes credenciados. Tal atitude evitará aglomerações e consequentemente, possíveis contaminações.

“USE MÁSCARA! EU PROTEJO VOCÊ E SE VOCÊ USAR TAMBÉM ME PROTEGE.”

QUEM COMPRA EM JACOBINA MOVIMENTA O COMÉRCIO LOCAL E FORTALECE A CIDADE!”

Leia mais...

Boas Festas!

VÍDEOS