NEGÓCIOS

China é principal contribuinte para superávit brasileiro

14 de agosto de 2020, 15:10

Foto: Reprodução

Os dados foram publicados nesta sexta-feira (14) no Boletim de Comércio Exterior (Icomex) pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Nos primeiros sete meses do ano também foi registrado saldo positivo com a América do Sul, de US$ 3,2 bilhões, e com a União Europeia, em US$ 1,6 bilhão.

Apesar do superávit na balança comercial com os Estados Unidos no mês de julho, a soma não foi suficiente para reverter o déficit de US$ 3,1 bilhões acumulado no ano.

Segundo o Ibre, a participação da China nas exportações e nas importações brasileiras superou a dos principais parceiros no acumulado do ano. Nas exportações, a participação da China alcançou 34,1%. A União Europeia, que ficou em segundo lugar, atingiu 13,4%.

De acordo com Icomex, a Ásia responde por quase 50% das exportações brasileiras, a Europa por 18,7%, a América do Norte por 12,6%, e América Latina por 11,2%.

“Esse resultado para a Ásia e a China não é uma questão conjuntural. A ascensão da participação da China iniciada em meados da primeira década dos anos 2000 tem sido contínua e acompanhada de um aumento das commodities na pauta exportadora”, informou o Boletim.

O saldo da balança comercial de julho ficou em US$ 8,1 bilhões, que é o maior na série histórica do mês de julho. Com o resultado, o superávit acumulado nos sete primeiros meses do ano atingiu US$ 30 bilhões.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), a queda acentuada nas importações, de 35,2% de julho de 2019 a julho de 2020, contribuiu para o desempenho e não por uma melhora nas exportações, que caíram 2,9%.

A China é o principal mercado para sete dos dez principais produtos exportados pelo Brasil no mês de julho. Os principais continuam sendo a soja em grão, minério de ferro e petróleo, com 79% das exportações brasileiras para esse mercado. Outros produtos também têm registrado alta nas exportações como as carnes bovina, com aumento de 160%, e a suína, aumento de 158%.

Leia mais...

iFood recebe aval da Anac para fazer entregas com drones

12 de agosto de 2020, 15:32

Foto: Reprodução

O iFood recebeu aval da Agência Nacional dw Aviação (Anac) para voos experimentais com drones, que serão usados num modelo híbrido com outros modais para reduzir o tempo das entregas.

A previsão é de que os primeiros voos experimentais sejam realizados em outubro. Mas os drones não farão entregas nas casas dos clientes. Pelo menos ainda. Por ora, a tecnologia fará a primeira parte da rota das entregas, que será finalizada por um entregador com moto, bike ou patinete.

Uma primeira etapa do uso de drones será feita na cidade de Campinas, interior paulista. Uma rota de 400 metros entre a praça de alimentação em um shopping center e uma estrutura dentro do iFood no empreendimento vai roteirizar os pedidos. A entrega deve levar em média 2 minutos, um trecho que percorrido a pé leva 12 minutos, segundo a empresa. A partir daí, a última parte do trajeto é feito pelos entregadores.

“Nosso objetivo primário é utilizar o drone para trazer mais eficiência para a operação logística”, disse à Reuters o vice-presidente de Logística do iFood, Roberto Gandolfo.

Uma segunda rota de voo, também em caráter experimental, fará o trajeto de 2,5 quilômetros entre o centro do iFood no shopping e um complexo de condomínios próximo. A expectativa é de que o percurso seja feito em 4 minutos com drone, em vez dos 10 minutos pelos modais usados hoje.

O movimento acontece no momento em que estabelecimentos como restaurantes e bares buscam cada vez mais o comércio eletrônico como meio de aliviar a grave perda de receita após ficarem fechados nos últimos meses em meio às medidas de isolamento social para combater o avanço da pandemia da covid-19.

Segundo o iFood, o número de restaurantes cadastrados no serviço subiu de cerca de 160 mil em março para 212 mil em junho, enquanto o número de entregas mensais feitas passou de 30 milhões para 39 milhões no período.

Autorizações da Anac para operar em larga escala dependerão em parte dos resultados desta primeira fase da operação. Mas o iFood já mapeou cerca de 200 cidades no Brasil onde poderá replicar o modelo, se ele se mostrar bem sucedido.

Leia mais...

Agricultura familiar baiana lidera ranking nacional da produção de caprinos

22 de julho de 2020, 08:46

Foto: SDR

A Bahia ocupa o 1º lugar no ranking da produção nacional de caprinos e a segunda de ovinos, sendo 90% dessa produção da agricultura familiar. A caprino-ovinocultura tem um papel significativo para o desenvolvimento do rural baiano, com a diversificação da produção e a geração de emprego e renda para milhares de agricultores. Esse é um dos sistemas produtivos liderados pela agricultura familiar baiana, que, no próximo sábado, celebra o Dia Internacional da Agricultura Familiar (25/07), data instituída pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).
O grande potencial econômico e as mudanças nos hábitos de consumo tendem a abrir espaço aos produtos da caprinocultura de corte, que se destaca pela maciez, suculência e qualidade nutritiva de sua carne. Quando processada adequadamente, em cortes especiais resfriados e congelados, a carne tem forte apelo mercadológico.

Referência no estado na produção de caprinos e ovinos, a Cooperativa Agroindustrial de Pintadas (Cooap) é uma das instituições da agricultura familiar que vêm se consolidando e proporcionando a mudança de vida e a melhoria da renda de 300 famílias produtoras de caprinos e ovinos do Território Bacia do Jacuípe. Os animais da Cooap são abatidos pela Frigbahia, Organização de Cooperativas e Produtores de Caprinos e Ovinos, e de lá as carnes são comercializadas com a marca Fino Sertão.

Pernil, costela, filé, carré, entre outros cortes de cabritos e cordeiros já ganharam o paladar e a preferência no meio gastronômico. A Bravo Burguer & Beer, considerada uma das melhores hamburguerias do país, por exemplo, utiliza a carne dos caprinos e ovinos da Cooap em seus estabelecimentos.

Para o chef e dono da rede Bravo, Rafael Zacarias, saber da procedência do alimento que está sendo ofertado ao cliente faz toda a diferença. Ele observa que a valorização dos agricultores garante uma economia sustentável e um alimento limpo na mesa do cliente: “Precisamos valorizar o que temos aqui no estado. Por que comprar de fora se temos boas carnes e tantos outros produtos de qualidade aqui na Bahia? Saber como o bode é produzido, como é o corte, como é o cuidado dos produtores rurais, nos dá a procedência do alimento. Tive a oportunidade de acompanhar e conhecer todo esse processo. Isso agrega valor ao produto e resulta no feedback positivo, que recebemos dos nossos clientes”.

Novo modelo de criação

Visando o aumento da renda de agricultores familiares que trabalham com a ovinocaprinocultura, o Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), em parceria com a Cooap e Frigbahia, criou o Programa de Integração Produtiva de Cordeiros e Cabritos Campo Indústria (Procampi).

O programa apresenta um novo modelo de criação, onde o produtor vai abater o animal com 17 kg, com cinco meses de idade, com tecnologia do sistema de criação, oferecendo à indústria um produto com ainda mais sabor e qualidade. Para isso, técnicos que prestam assistência técnica, por meio do projeto Bahia Produtiva, foram capacitados e estão levando o conhecimento para agricultores familiares de todo estado, que trabalham com ovinos e caprinos, ensinando como aumentar sua produção e, consequentemente, a renda.

Para o diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, a caprino-ovinocultura baiana tem grande potencial: “Os investimentos se justificam, tanto do ponto de vista econômico, quanto social. Temos o primeiro maior rebanho caprino e o segundo maior rebanho ovino do país, onde pequenos ajustes nas tecnologias de produção podem multiplicar, até quatro vezes, a renda de quase 200 mil famílias, com impacto direto no PIB de muitos municípios do Semiárido”.

Qualificação e acesso a mercado

Para organizar a base de produção, qualificar o rebanho e acessar o mercado, a Cooap já recebeu cerca de R$2,5 milhões de investimentos, por meio de editais do projeto do Bahia Produtiva, executado pela CAR/SDR. Com os recursos, a cooperativa ampliou a capacidade de abate da unidade produtiva para dois mil animais por mês, inseriu novas linhas de produção, como os defumados e embutidos, implantou o frigorífico e investiu na relação entre cooperativa e setor privado, alcançando novos mercados.

O presidente da Cooap, Gerinelson Lima, calcula que a capacidade atual do frigorífico é de abater quatro mil animais por mês: “Com esse programa, a expectativa é trazer os animais de todas as regiões para que sejam abatidos aqui e ver o produtor produzindo, vendendo e recebendo o preço justo. O sistema produtivo da caprinocultura na Bahia está sendo ampliado e fortalecido cada vez mais e demonstrado sua força na agricultura familiar”.

Somente pelo Bahia Produtiva, são mais de R$20 milhões em 66 projetos para dinamizar a cadeia produtiva da caprino-ovinocultura do estado, envolvendo mais de 1500 famílias baianas

Onde encontrar

As carnes que levam a marca Fino Sertão estão à venda em diversas redes de supermercados, a exemplo do Extra, Pão de Açúcar, Walmart, Novo Mix e Cesta do Povo. Os produtos estão sendo comercializados também nos estados do Amazonas, Piauí, Pernambuco, Brasília e Rio de Janeiro. Os pedidos também podem ser feitos por meio do site www.finosertao.com.br.

Leia mais...

Brasil tem 4 mil marcas de cachaças; Minas Gerais concentra produção

22 de julho de 2020, 07:29

Foto: Michael Strugale

O Brasil tem 4.003 marcas de produtos classificados como cachaça e 701 de aguardente de cana registradas no Ministério da Agricultura, mostra a publicação “A Cachaça no Brasil: Dados de Registro de Cachaçase Aguardentes” referente ao ano de 2019, lançada nesta terça-feira, 21.

Segundo a pasta, estão registrados 1.086 produtores de aguardente e de cachaça, sendo que 165 produzem as duas bebidas; 192 produzem apenas aguardente e 729 somente cachaça.

Ainda conforme o estudo, MinasGerais ocupa a primeira posição na produção de cachaças, com quase o triplo de produtores registrados que São Paulo, o segundo colocado. A Região Sudeste concentra 622 estabelecimentos registrados, sendo que Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Rio de Janeiro juntos reúnem aproximadamente 70% dos produtores de cachaça registrados.

“A proporção foi igual ao ano anterior, com a Região Nordeste com 129 estabelecimentos, correspondendo a 14,4%, a Região Sul com 101, equivalendo a 11,3%, o Centro-Oeste com 33, (3,7%) e a região Norte, com 9 produtores, ou 1%”, disse o Ministério.

Cachaças premiadas da Chapada Diamantina

Na Bahia, estado famoso na produção de cachaça, a região da Chapada Diamantina se destaca por produzir algumas das mais famosas e premiadas cachaças do Brasil, com destaque para:

Cachaça Abaíra (1996): produzida por cooperativas nos municípios de Abaíra, Jussiape, Mucugê e Piatã, a Cachaça Abaíra é considerada uma das melhores do país. Possui Selo Ouro e Prata e foi a primeira cachaça baiana a ser premiada pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), conquistando assim o selo de Indicação Geográfica (IG), que qualifica a aguardente como patrimônio da região (2014).

Cachaça Serra das Almas (1999): produzida na Fazenda Vaccaro, cujo alambique está aberto para visitação, em Rio de Contas, foi a primeira cachaça brasileira a ser premiada com a certificação orgânica no Brasil (2002) e eleita pela revista VIP como a melhor do país, além de possuir selo Prata e Ouro.

Festival da Cachaça de Abaíra

Além de produtora de cachaça, a cidade de Abaíra recebe inúmeros turistas a cada 2 anos para o famoso Festival de Cachaça de Abaíra. Organizado pela Cooperativa dos Produtores Associados de Cana e seus Derivados – COOPAMA,  o XVI Festival da Cachaça Abaíra aconteceu setembro de 2019, em Abaíra – BA, está prevista para o ano de 2021 o próximo.

A programação conta com diversas atrações musicais e acontece na praça central da cidade e no Clube Social. Além dos shows, o turista também pode contar com a oportunidade de realizar visitação guiada à sede da COOPAMA, para conhecer toda a linha de produção e comercialização, além de degustar a aguardente produzida na região.

Leia mais...

Banco do Nordeste expôs dados pessoais de 3.500 clientes

14 de julho de 2020, 12:07

Foto: Reprodução

 O Banco do Nordeste tornou públicos mais de 3.500 pedidos de crédito solicitados por pequenos empresários, acompanhados de dados pessoais. A falha no site ficou disponível pelo menos desde quinta-feira (9) e as informações foram retiradas do ar nesta segunda (13).

O Banco do Nordeste negou que o link estivesse acessível no site da instituição e acrescentou que o acesso aos dados agora está bloqueado. Segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa do banco, foi instaurado um procedimento interno para apuração das falhas, “inclusive de possível desvio de conduta por vazamento de informação”.

O Banco Central, que regula o setor, diz que não comenta casos específicos.

A reportagem teve acesso ao link por uma pesquisa no Google. Por meio desse endereço, chegou a uma base de dados de 3.500 clientes que solicitaram crédito na instituição pela internet. Parte dos pedidos havia sido aprovada.

O site do banco tem um formulário em que contratantes preenchem dados pessoais e aguardam contato de um funcionário da instituição para concretizar o empréstimo.

Os campos preenchidos têm nome, telefone e email do solicitante, a linha de crédito de interesse, o CNPJ da empresa, o faturamento anual e um campo em que a pessoa detalha o pedido.

Boa parte das solicitações era de crédito para capital de giro, mas alguns empreendedores foram bastante específicos: “ajuda para não fechar” foi uma das explicações para o pedido de crédito. Mais de um pedido citava a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

A reportagem conversou com alguns desses pequenos empresários. Eles confirmaram ter solicitado empréstimos pela internet e se queixaram da divulgação dos dados pessoais.

“O banco errou bastante”, afirmou um empresário de Olinda. Ele afirmou ter pedido crédito para abrir um novo negócio, já que atuava no segmento de food trucks. Eles estão parados na pandemia.

A avaliação negativa foi repetida por pequenos empresários de outras cidades do norte e nordeste do país.

Uma empresária de Natal afirmou ter tido o crédito negado e acrescentou “não achar correto” a divulgação de dados pessoais.

Apesar das medidas tomadas pelo Banco Central, persistem as queixas de empresários de dificuldade de acesso a crédito desde o agravamento da doença no país.Quem teve acesso a crédito relatou aumento nas taxas de juros.

O Banco do Nordeste é o maior operador de microcrédito do país e atende empreendedores da região.

No começo de junho, foi indicado para a presidência da instituição Alexandre Cabral, que tomou posse no dia 2 de junho, mas perdeu o posto no dia seguinte. Ele era indicado dos partidos do centrão, mas é alvo de investigação do TCU (Tribunal de Contas da União) que apura supostas irregularidades em contratações quando era presidente da Casa da Moeda, instituição que ele comandou entre 2016 e 2019.

Leia mais...

Investimentos do Governo do Estado reforçam a atividade com o licuri em comunidades rurais baianas

09 de julho de 2020, 09:05

Foto: SDR

A partir de pesquisas científicas e investimentos públicos, o licuri, fruto de uma das palmeiras típicas do Semiárido brasileiro, que há tempos era pouco valorizado, passa a ocupar, cada vez mais, um lugar de destaque na economia de diversos municípios da Bahia, como fonte de renda para agricultores familiares. O estado da Bahia, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é o maior produtor de licuri do país.

O licuri pode ser utilizado como base para diversas iguarias, a exemplo da cocada, cerveja, biscoitos, ou em diversas preparações, a partir do leite extraído da fruta batida. Além do óleo, empregado popularmente com fins medicinais ou cosmético, como hidratantes para a pele e cabelo, ou como base para a produção de outros itens de cuidados com o corpo.

Uma dessas transformações está acontecendo na comunidade da Fazenda Boqueirão da Serra Grande, no município de Monte Santo. No local, famílias vinculadas à Associação Comunitária Terra Sertaneja (Acoterra) já começam a ver as primeiras mudanças que o processo de formação para a qualificação da atividade extrativista do licuri possibilitou. A associação, mantenedora da Escola Família Agrícola (EFA) de Monte Santo, atua em 16 comunidades rurais do município, e é uma das instituições selecionadas em editais do projeto Bahia Produtiva, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Banco Mundial.

A agricultora Laudeci Maria de Santos, que trabalha com a quebra do licuri há cerca de 18 anos, observa as mudanças que já ocorreram na comunidade nos últimos anos, especialmente depois da valorização do produto. Laudeci conta que as ações realizadas pelo Governo do Estado incentivaram mais agricultoras e agricultores a iniciarem na atividade com o licuri, que é fonte de renda tanto com o fruto, quanto com outros produtos derivados.

A agricultora fala sobre a expectativa com a chegada, na comunidade, por meio do Bahia Produtiva, da Unidade Simplificada para Beneficiamento e Produção do Óleo do Licuri, de equipamentos e da implantação dos terreiros, que possibilitarão a secagem adequada dos frutos: “Acredito que vai melhorar a vida da gente aqui, tanto na questão do licuri, quanto no incentivo a se cuidar melhor dos licurizeiros, o que vai ajudar muito a comunidade”.

Investimentos
A Acoterra está recebendo aporte financeiro do Governo do Estado, por meio do Bahia Produtiva, da ordem de R$ 1,7 milhão. Os recursos são destinados para a implantação de uma Unidade Simplificada para Beneficiamento e Produção do Óleo do Licuri, com máquinas e equipamentos para atender à demanda das comunidades Fazenda Boqueirão da Serra Grande e Fazenda Lagoa do Pimentel, que beneficiará diretamente cerca de 40 famílias. Também são ofertados serviços de assistência técnica e extensão rural (Ater), com capacitações sobre manejo da palmeira do licuri, manejo adequado da amêndoa e sobre o processo de extração de óleo.

O agente comunitário rural (ACR) do Bahia Produtiva, Magno Carvalho, que atua junto à Acoterra, prestando o serviço de Ater, conta que, no início, o óleo e a torta, que resultavam do processamento da amêndoa de licuri, eram vendidos para fábricas de sabão em Euclides da Cunha e Miguel Calmon, a preço baixos: “Com o passar do tempo, o trabalho para o melhoramento do óleo, possibilitou alcançar melhores preços”.

Carvalho conta ainda que no início o valor pago pelo quilo da amêndoa era de menos de R$ 1, em geral, pelo alto índice de rancificação do produto. Ele observa que com a qualificação da atividade, o valor pago às famílias passou a ser de R$ 3 pela amêndoa utilizada na preparação do óleo bruto, R$ 5 para o azeite e R$ 10 para a amêndoa de petiscos.

Luís José dos Santos, da comunidade rural Boqueirão da Serra Grande, já trabalha com o licuri há 50 anos e conta que sempre tem uma boa produção de licuri todos os anos, mas antigamente eles vendiam o licuri por um preço muito baixo para evitar a perda: “De dez anos para cá começou a melhorar e espero melhorar ainda mais com o projeto Bahia Produtiva, com o galpão, os terreiros e as máquinas que virão, para melhorar os preços e também a vida de quem vive na comunidade”.

Oleaginosas
Por meio do edital de oleaginosas estão sendo destinados recursos da ordem de R$ 5 milhões em 15 projetos, distribuídos em municípios como Monte Santo, Caldeirão Grande, Caém, Capim Grosso, Várzea da Roça, Filadélfia e Andorinha.

Os principais investimentos são voltados para a implantação de unidades de extração do óleo do licuri, aquisição de máquinas e equipamentos para quebrar e despelar o licuri, e unidades de processamento e armazenamento. A ação vem transformar a realidade do trabalho, em sua maioria, das mulheres que quebravam e despelavam o licuri com o auxílio de pedras.

Leia mais...

Famílias agricultoras da zona rural de Juazeiro montam feira comunitária para escoar produção e enfrentar a pandemia

03 de julho de 2020, 09:51

Foto: SDR

Agricultores e agricultoras das comunidades rurais de Passagem do Sargento, Assentamento Maria Simões, em Sobradinho e Gangorra II-Salitre, em Juazeiro, no território Sertão do São Francisco, se juntaram para comercializar os produtos que excedem dos seus quintais. A iniciativa partiu da necessidade de escoar as hortaliças, frutas, verduras, ovos e outros produtos oriundos da produção familiar, além de beneficiados e artesanatos, como mais uma alternativa de geração de renda para as famílias, sobretudo neste período de pandemia.

As famílias são beneficiárias do projeto Pró-Semiárido, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Nessas localidades, as famílias contam com estruturas de canteiros econômicos telados, galinheiros e outras tecnologias implantadas pelo Pró-Semiárido, que têm garantido um incremento na produção e diversificação de culturas. As famílias ainda recebem Assessoramento Técnico Continuo (ATC), por meio da parceria com o Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa).

Atualmente, o projeto adotou a estratégia de ATC remota para assegurar o isolamento social e conter a disseminação da Covid-19. Para tanto, técnicos e técnicas estão mantendo contato com as famílias por meio de aplicativos como o Whatsapp, ferramenta que tem propiciado a troca de informações entre agricultores/as e técnicos/as.

O Pró-Semiárido

Para o agricultor Diego Santos de Souza, da comunidade Passagem do Sargento, essas ações foram grandes incentivadoras para os produtores e produtoras da localidade: “O Projeto veio incentivar os pequenos agricultores do alto Salitre a terem uma renda extra com a produção de verduras. Por isso, a comunidade teve a ideia de organizar uma feirinha da agricultura familiar onde estão sendo expostos produtos como o alface, abobrinha, coentro, maxixe, não só esses produtos, como também outros que os agricultores têm em suas roças, como laranja, melão, tomate, abóbora e coco”.

Diego fez também uma reflexão sobre a iniciativa e seu impacto: “Fazendo avaliação da primeira feirinha, foi de uma aceitação tremenda e deu um incentivo a nós para que mais pessoas participem da feira e fez com que os moradores tenham uma renda extra e melhoria da qualidade de vida”. O agricultor é um dos incentivadores da feira.

A exposição dos produtos é feita, todos os sábados, de forma criativa, em uma palhoça com palets e caixas de madeira. Desde a primeira feira, realizada no dia 10 de junho, as famílias reúnem a produção de um dia antes da feira, e uma pessoa fica responsável pelas vendas na barraca. A estratégia, além de evitar aglomeração, assegura uma boa disponibilidade de variados produtos. Mas, a ideia é que em breve possam ter mais barracas.

Leia mais...

Participação dos jornais impressos no mercado publicitário caiu de 50% em 2000 para menos de 10% em 2020

29 de junho de 2020, 15:29

Foto: Reprodução

Os jornais impressos estão no que parece ser a crise final de sua história. No Brasil, foi simbólico que, neste mês de junho, o jornal O Globo tenha anunciado que não distribuirá mais sua versão impressa na capital federal, Brasília.Segundo reportagem do Financial Times reproduzida pelo Valor Econômico. a agonia dos jornais atingiu o que parece ser seu ponto culminante. Em 2000, jornais e revistas ficavam com metade de todos os gastos com publicidade. Em duas décadas, sua participação nesse mercado de cerca de US$ 530 bilhões caiu para menos de 10%, com plataformas como Google e Facebook abocanhando a maior parte dos anúncios locais e classificados. 

O coronavírus está desmantelando o que sobrou – alguns jornais informam que os anúncios caíram entre 50% e 90% em abril. Entre 2008 e 2019, o número de empregados nos jornais impressos nos EUA caiu para menos da metade, de 70 mil para um número abaixo de 35 mil. 

A pandemia agravou o cenário e expôs a crescente divisão entre o punhado de veículos com mais de 1 milhão de assinantes cada e o resto, que vem lutando para pagar as contas. No primeiro trimestre de 2020, o “The New York Times” conseguiu 587 mil novas assinaturas digitais – mais do que todos os 100 jornais controlados pela Gannett, a maior editora tipográfica dos EUA, e mais que o número de leitores por assinaturas pagas do “Los Angeles Times” e do “The Boston Globe” juntos. 

O perigo é uma divisão noticiosa entre um público pagante de elite, que é bem-servido, mas pequeno, e um público mais amplo, que depende dos provedores de conteúdo que tentam monetizar o tráfego de internet, mas poderão ter dificuldades em transmitir notícias locais em profundidade. “O jogo de tráfego [alto], [que depende de] um dólar de publicidade comoditizado funcionou em algumas circunstâncias, mas não de maneira durável, e não respaldou o tipo de trabalho que os melhores jornalistas querem fazer”, diz John Harris, um dos fundadores da “Politico”. 

Rasmus Kleis Nielsen, do Instituto Reuters, acrescenta que a maioria das publicações dependentes de assinaturas vai se concentrar, primordialmente, em uma área de nicho, “custeada por um público altamente motivado, muitas vezes bastante alinhado politicamente e geralmente bastante privilegiado”. 

Fonte: Brasil 247

Leia mais...

Mercado Livre anuncia abertura de centro de distribuição na Bahia

19 de junho de 2020, 21:27

Foto: Reprodução

O Mercado Livre vai implantar nas Bahia eu primeiro Centro de Distribuição (CD) no Nordeste e terceiro no Brasil. O CD faz parte de um plano de investimento de R$ 4 bilhões que a empresa pretende fazer no Brasil até o final de 2020. A unidade vai gerar 500 empregos diretos, quando estiver em pleno funcionamento e ficará sediada em Lauro de Freitas, em uma área de 35 mil metros quadrados. Para a instalação, o empreendimento recebeu amplo apoio institucional do Governo do Estado, por meio das secretarias de Desenvolvimento Econômico (SDE), do Planejamento (Seplan) e da Fazenda (Sefaz).

“É um orgulho saber que teremos um CD deste porte na Bahia e que será o primeiro do Nordeste. A atração deste investimento é fruto de um trabalho em equipe que planeja e executa ações pensando no desenvolvimento do estado e na geração de emprego e renda para o povo baiano’, afirma o vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico.

O secretário do Planejamento, Walter Pinheiro, destaca que “a Bahia possui diversas vantagens logísticas para o escoamento da carga de forma mais rápida. Apresentamos para o Mercado Livre também os projetos de expansão dos diversos modais aqui na Bahia. Portanto, a decisão de implantar esta unidade em nosso estado com certeza foi acertada”.

A operação será no modelo Fulfillment, em que o Mercado Livre fica responsável por todo o processo logístico do vendedor do marketplace, do estoque de produtos ao pós-venda. O marketplace é uma plataforma, mediada por uma empresa, em que vários fornecedores se inscrevem e vendem seus produtos.

O objetivo do Mercado Livre é realizar entregas no mesmo dia ou dia seguinte para Salvador, dependendo do horário da compra. Já as encomendas para o Recife poderão ser feitas em até um dia. Além de fazer entregas mais rápidas para o Nordeste, a ideia é aumentar ainda mais a oferta de frete grátis na região.

De acordo com o vice-presidente de Mercado Envios para a América Latina, Leandro Bassoi, a inauguração deste CD no Nordeste é bastante estratégica para que a empresa dê um salto de qualidade na experiência do cliente do marketplace. “Buscamos realizar entregas ainda mais rápidas e a preços menores, além de ajudar os empreendedores locais a ter uma opção de logística premium sem terem que investir para isso. Esse movimento está diretamente ligado ao nosso compromisso de democratizar o e-commerce e contribuir para que nossas ações se reflitam em toda a cadeia de valor envolvida”, explica Bassoi.

A empresa também vai realizar um programa social voltado para a educação e a empregabilidade de 120 jovens da região de Lauro de Freitas em parceria com o Instituto Aliança.

Fonte: Ascom/Seplan e SDE

Leia mais...

Boas Festas!

VÍDEOS