NEGÓCIOS

Limite de transferência no Pix à noite passa a valer nesta segunda (4)

03 de outubro de 2021, 17:15

Foto: Reprodução

 O Banco Central criou um pacote de novas regras para garantir mais segurança nas transações por meio do Pix. A principal delas, que é o limite de transferência de valor no período da noite, vale a partir desta segunda (4). As demais vão entrar em vigor no dia 16 de novembro.

O limite estabelecido para transferência é de R$ 1.000, no horário das 20h às 6h. A regra é para as transações entre pessoas físicas, incluindo os MEIs (microempreededores individuais).
Também será possível pedir a ampliação, porém, este tipo de alteração não será automática – também como medida de segurança para inibir, por exemplo, sequestro-relâmpago– e o banco terá entre 24 e 48 horas para atender o pedido.

Outra medida de segurança é a possibilidade de cadastro de contatos que poderão receber Pix acima de R$ 1.000 a qualquer hora do dia. Neste caso, a alteração também só vale após 24 horas do pedido.

No final de dezembro de 2020, havia 56 milhões de usuários de Pix, segundo o BC, já no final de agosto de 2021, último balanço divulgado, são 106,6 milhões. O aumento se deve à praticidade. O Pix não tem tarifa, é concluído na hora e quem manda o dinheiro só precisa da chave do favorecido, que pode ser um email, o número do celular, o CPF ou uma senha aleatória.

Com isso, atraiu também golpistas. Em janeiro, o pesquisador William Douglas de Almeida, 36 anos, que faz pós-doutorado na USP, teve seus dados utilizados por uma quadrilha que tentou dar um golpe por meio da modalidade. O golpe começou com a clonagem do seu WhatsApp.

“Eu estava vendendo um apartamento e entraram em contato fingindo ser o site onde eu tinha cadastrado o imóvel pedindo uma confirmação de dados. Assim que fiz isso, a quadrilha começou a se passar por mim e pedir dinheiro para os meus contatos”, conta.

Na mensagem, os golpistas diziam que não estavam conseguindo fazer um pagamento via Pix de R$ 1.130 e pediam ajuda com a promessa de devolução do dinheiro no dia seguinte. “Por sorte, ninguém depositou.”

Por ser instantâneo, o Pix passou a ser uma alternativa para o uso do cartão de débito. Para os comerciantes também é mais atrativo porque não tem taxa”, diz Caio Mastrodomênico, analista econômico da Vallus Capital. Ele avalia que, com mais regras de segurança, o Pix será uma ferramenta ainda mais popular entre os usuários de bancos, principalmente aqueles que têm receio de golpe nos caixas.

Dica para ter mais segurança é conferir dados antes da transação Antes de usar o Pix para mandar dinheiro para alguém, é importante seguir algumas precauções, como orienta Ricardo Hiraki, analista financeiro e diretor da Plano, Fintech de Educação Financeira. “Tem que conferir quem é o destinatário e sempre desconfiar de pedidos de dinheiro urgente”.

Segundo ele, os golpistas contam histórias que, geralmente, “deixam a gente ansioso e aflito para ajudar”.

Outra dica é entrar em contato com o amigo ou parente que “pede” a grana, por telefone, para confirmar se a mensagem é real.

Foi o que fez pedagoga e auxiliar de RH Dalva Helena Rocha, 46. Ela foi vítima de golpe via Pix no mês de junho. Primeiro, recebeu uma mensagem via “WhatsApp da irmã” dizendo que tinha mudado o número do telefone e pedindo dinheiro.

“Eu desconfiei e liguei para a minha irmã em outro número e ela disse que não era ela. Eu voltei na conversa do WhatsApp e, quando disse que sabia que era um golpe, eles começaram a rir.”

No entanto, Dalva chegou a fazer três transferências. Uma delas de quase R$ 400. Depois, registrou boletim de ocorrência proteger seus dados.Confira as novas regras A partir desta segunda-feira (4), três importantes mudanças começam a valer:

1 – Limite de transferência

Entre 20h e 6h, o limite de transferência via Pix será de R$ 1.000. A regra também vale para TED (Transferência Eletrônica Disponível)

2 – Ampliação

O cliente poderá pedir a ampliação do limite, porém a aprovação do pedido será entre 24h e 48h após a solicitação

3 -Transferência camarada

Outra possibilidade é cadastrar contatos que poderão receber Pix acima de R$ 1.000 a qualquer hora. Neste caso, a alteração também só vale após 24 horas da solicitação
Outras mudanças para novembro Bloqueio por cautela. Em caso de suspeita, o banco vai poder bloquear o crédito na conta do destinatário do Pix. De dia, este bloqueio será de 30 minutos e, à noite, de uma hora. Quem estiver recebendo o Pix será avisado sobre o bloqueio temporário.

Alerta de laranjas

Os usuários de Pix terão que passar por etapas extras de confirmação da operação, nas transações envolvendo contas marcadas no DICT, inclusive para fins de eventual recusa a seu processamento, combatendo assim a utilização de contas de aluguel ou “laranjas”

Fontes: Banco Central e reportagem.

Folhapress

Leia mais...

Banco de Sergipe vaza dados do Pix de correntistas

01 de outubro de 2021, 06:32

Foto: Reprodução

Correntistas do Banco do Estado de Sergipe (Banese) tiveram dados cadastrais das chaves Pix vazadas, informou nesta quinta-feira (30) à noite o Banco Central (BC). Em comunicado, a autoridade monetária informou que não foram expostos dados sensíveis, como senhas, valores movimentados e saldos nas contas.

Segundo o BC, as informações obtidas foram de natureza cadastral, que não permitem movimentação de recursos nem acesso às contas ou a outras informações financeiras. As pessoas com dados vazados serão notificadas exclusivamente por meio do aplicativo da instituição financeira, sem avisos por chamadas telefônicas, aplicativos de mensagem, SMS ou e-mail.

De acordo com o comunicado, o vazamento decorreu de “falhas pontuais” nos sistemas do Banese. O BC informou ter adotado as ações necessárias para a apuração detalhada do caso e aplicará as medidas sancionadoras previstas na regulação.

A autoridade monetária esclareceu que a divulgação do vazamento de dados cadastrais do Pix não é exigida pela legislação, porque tem pouco impacto para os usuários. Mesmo assim, decidiu comunicar o incidente por ter compromisso com a transparência.

Leia mais...

Ambev anuncia aumento no preço da cerveja

29 de setembro de 2021, 08:44

Foto: Reprodução

A cervejaria Ambev, dona de marcas como Skol, Brahma, Antarctica, Bohemia e Stella Artois, acaba de aumentar o preço das cervejas.

Segundo apurou a reportagem com donos de restaurantes em São Paulo, a partir desta sexta-feira (1º), haverá aumento de 5% a 6% em chope e cervejas, incluindo embalagens descartáveis. Outros comunicados aos quais a reportagem teve acesso falam de repasses desde esta segunda (27) ou a partir de sábado (2).

A Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) confirma o aumento de preços e afirma que o reajuste deve vir alinhado com a inflação acumulada nos último 12 meses, em torno de 10%.

No comunicado enviado a clientes e distribuidores, ao qual a reportagem teve acesso, a cervejaria -que concentra 60% de participação de mercado no país- afirma que o reajuste vai seguir, “em linhas gerais, a variação da inflação, variação de custos, câmbio e carga tributária”.

De acordo com o comunicado, “os reajustes podem variar entre regiões, marcas, embalagens e segmentos”.

“Reforçamos o nosso compromisso com a competitividade das nossas marcas no mercado, visando sempre a boa performance do volume de vendas da indústria”, diz a Ambev no comunicado.

O mercado de cerveja está estagnado: segundo a consultoria Euromonitor, este ano a venda de cervejas no Brasil deve atingir R$ 197,97 bilhões, uma alta nominal de 7,3% sobre 2020, sem descontar a inflação.

Na opinião de Marcelo Balloti Monteiro, analista do setor de bebidas da Lafis Consultoria, a pressão de custos está bastante elevada, em especial, de matéria-prima e energia.

“Mas, em um primeiro momento, o impacto do aumento de preços deve ser menor na demanda, porque ocorre em um momento de retomada de diversos eventos e com a aproximação das festas de fim de ano”, afirma.

Questionada pela reportagem, a Ambev afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que se trata de um aumento natural, que ocorre todo ano. A empresa afirma que houve reajuste no ano passado, mesmo em meio ao período mais crítico da pandemia, com parte dos bares e restaurantes fechados. Mas, neste caso, o aumento não atingiu as embalagens retornáveis, diz a cervejaria.

Agora, o aumento é generalizado, para diversas embalagens e marcas. A Ambev não informou, porém, qual a faixa de reajustes. Disse apenas que os reajustes vêm ocorrendo “nas últimas semanas”.

As rivais Hineken e Itaipava também foram questionadas sobre aumento de preços, mas não retornaram até o fechamento desta reportagem.

A Ambev vem tentando crescer fora do mercado de cervejas. Em agosto, a companhia anunciou a criação de uma nova divisão, chamada “Future Beverages and Beyond Beer” (bebidas do futuro e além da cerveja, em tradução livre).

A disparada na venda de bebidas durante a pandemia fez com que os consumidores passassem a diversificar o portfólio alcoólico, testando novas marcas e categorias até então vistas como nicho pela companhia.

Cresceu especialmente o consumo de vinhos e de águas com gás alcoólicas e saborizadas (as “hard seltzers”), fora as cervejas de baixo teor alcoólico e as premium -categorias que têm o público jovem e o feminino como alvo. Este é o mercado ao qual tem se dedicado a principal rival da Ambev, a Heineken.

A marca holandesa, por sinal, se tornou a favorita do brasileiro, segundo pesquisa do banco Credit Suisse divulgada em janeiro. Mas é quase 50% mais cara que a Skol, da Ambev, a mais consumida.

Segundo analistas do setor, a Ambev vem perdendo competitividade com as suas marcas “mainstream” (comuns), como Skol, Brahma e Antarctica, enquanto as cervejas premium, vinhos e outras bebidas de baixo teor alcoólico crescem.

Folhapress

Leia mais...

Alta na procura por pé de frango dobra o valor do alimento

17 de setembro de 2021, 08:53

Foto: Reprodução

Foi-se o tempo em que frango era mistura de quem não tem dinheiro. Com a alta nos preços dos alimentos, até o produto, rico em proteínas, começou a faltar na geladeira dos brasileiros. A solução para não abandonar de vez a comida foi migrar para partes menos nobre da galinha. Os pés, antes jogados no lixo por algumas famílias, passou a se tornar o prato principal da janta.

No entanto, como já sabemos, alegria de pobre dura pouco. Com o aumento no consumo, o preço do corte mais barato aumentou 100% em atacado no mercado paulista. Outros cortes mais baratos, como moela e pescoço, também entraram no radar do consumidor.

Frango inteiro mais caro

Para além dos pés, o frango inteiro também ficou bem mais caro. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agronomia da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), o quilo do frango inteiro está custando por volta de R$ 8,41. 

O valor representa um aumento de 43% no preço do produto. A alta é a maior registrada desde 2004, quando o CEPA começou a monitorar a oscilação de valores da mercadoria. 

Pelo jeito, vai demorar para que o peito de frango volte para o prato das pessoas de classes mais baixas. Se bobear, é capaz que o pé da galinha vire um item gourmet, uma vez que o preço do alimento pode chegar a patamares que antes era ocupado por comidas consideradas nobres.

Yahoo

Leia mais...

Bahia: Novo Decreto libera eventos para até mil pessoas com exigência de vacinação

11 de setembro de 2021, 22:11

Foto: Reprodução

Um novo decreto publicado na versão online do Diário Oficial do Estado deste sábado (11) autoriza, em toda a Bahia, até o dia 21 de setembro de 2021, a realização de atividades com a presença de público de até mil pessoas. Estão permitidas cerimônias de casamento, eventos urbanos e rurais em logradouros públicos ou privados, circos, parques de exposições, solenidades de formatura, feiras, passeatas e afins, além do funcionamento de zoológicos, parque de diversões, museus e teatros. Os museus, parques de exposições e afins poderão funcionar garantindo o distanciamento mínimo de um metro entre as pessoas, sendo proibida a realização de excursões.

Pelo decreto nº 20.704, que entra em vigor neste sábado (11) e altera o decreto de nº 20.658, está permitida também a realização de eventos com venda de ingressos, limitando a presença de público de até mil pessoas. Para a realização destes eventos, todos os envolvidos, entre artistas, público, equipe técnica e colaboradores, deve comprovar ter tomado as duas doses de vacina ou dose única, apresentando o documento de vacinação fornecido no momento da imunização ou o certificado obtido através do aplicativo ‘CONECT SUS’ do Ministério da Saúde. Além disso, devem ser respeitados todos os protocolos sanitários estabelecidos pelos municípios, especialmente o distanciamento e uso de máscaras.

Fica autorizado também o funcionamento de academias e estabelecimentos voltados para a realização de atividades físicas, desde que limitada a ocupação máxima de 75% da capacidade do local.

Secom/BA.

Leia mais...

Preço do asfalto dispara e pode parar obras públicas

03 de agosto de 2021, 15:33

Foto: Reprodução

A escalada do preço do asfalto coloca mais pressão sobre os custos de obras de infraestrutura no país e gera nova onda de pedidos de renegociações de contratos entre construtoras e o poder público. Apenas em maio, o aumento no preço do insumo foi de 25%. Em agosto, foram mais 6%. Essas obras já vinham sofrendo com aumentos nos preços do aço e do cimento, que geraram atrasos em projetos e uma primeira onda de pedidos de reequilíbrio econômico-financeiro de contratos a partir do segundo semestre de 2020.

O problema não tem impacto imediato sobre os pedágios cobrados em rodovias concedidas, que são reajustados pela inflação, mas é foco de queixas dos concessionários, que tentam pressionar o governo a incluir gatilhos para repasses da alta do insumo. A CNM (Confederação Nacional dos Municípios) diz que a situação tem gerado grande desajuste nos contratos, já que o asfalto representa 40% do custo de pavimentação e até 70% do custo de manutenção da estrutura viária.

“Os contratos têm previsão de aditamento [para acomodar o aumento de custos], mas o aditamento já não suporta mais”, diz o presidente da entidade, Paulo Ziulkoski. “Então, a prefeitura para a obra e tem que fazer nova licitação.”
Em Bebedouro (SP), a cerca de 400 quilômetros da capital, a prefeitura recebeu quatro pedidos de realinhamento de preços este ano. Dois se referiam a obras em atraso e foram negados, diz o diretor de Obras do município, Leonardo Ornelas. Nos outros dois, teve que negociar.

Durante as negociações, a cidade ficou dois meses sem receber asfalto do fornecedor do serviço de tapa-buraco e teve que recorrer a doações de empresas locais para cuidar ao menos das vias mais movimentadas da cidade. “Sempre sobra pra prefeitura nunca para a empresa”, comenta Ornelas. “Para eles, na pior das hipóteses podem fazer distrato. Já eu perco convênio, perco a licitação.”

Assim como os combustíveis, o preço do asfalto vem sendo puxado pela recuperação das cotações internacionais do petróleo. Com reajustes trimestrais, o asfalto também segue o conceito de paridade de importação, que simula quanto custaria para trazer o produto do exterior. No reajuste anunciado no dia 30 de abril, o percentual de 25% surpreendeu o mercado. “Em escala, esse foi o maior aumento dos últimos anos”, diz Felipe Pacheco, superintendente executivo da Abeda (Associação das Empresas Distribuidoras de Asfalto).

De acordo com dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o preço do cimento asfáltico mais usado no país subiu 42% nas refinarias desde o início do governo Bolsonaro. A escalada, porém, começou a partir de 2015, após anos de congelamento de preços nos governos petistas. A Petrobras diz que “os produtos asfálticos são commodities comercializadas em ambiente de livre competição”. Assim, prossegue a empresa, os preços “buscam o equilíbrio com o mercado internacional e acompanham as variações do valor dos produtos e da taxa de câmbio, para cima e para baixo.”

A estatal afirma ainda que o elevado percentual de maio reflete a implantação dos reajustes trimestrais, atendendo à demanda das distribuidoras. “Após três meses de estabilidade de preços, o ajuste aplicado em maio considerou a variação do valor de mercado do produto.” Em 2019, o Ministério de Infraestrutura criou procedimentos para repassar periodicamente os aumentos de custos em seus contratos de pavimentação, o que aliviou os impactos a prestadores do governo federal. Alguns estados e prefeituras seguiram o modelo, mas o setor ainda vê grande dificuldade, principalmente, em obras municipais.

“Em muitos casos, a única solução da empresa é parar a obra”, diz Ricardo Portella, da Construtura Sultepa. Ele tem um pedido de reequilíbrio junto ao governo gaúcho, que segue o modelo federal. Em outra obra, no Maranhão, teve que atrasar o cronograma à espera de autorização para repasse do preço do aço. As dificuldades no repasse dos custos têm causado, inclusive, uma redução no consumo de asfalto no país, já que muitas construtoras aguardam sinalização dos contratantes para comprar o produto a preços novos.

“As empresas não têm condição de ficar bancando”, diz o presidente do Comitê de Infraestrutura da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), Carlos Eduardo Jorge. “Está havendo semiparalisação de grande quantidade de obras de pavimentação.” Segundo a ANP, as vendas em maio de 2021 foram 21% menores do que no mesmo período do ano anterior, quando a pandemia afetava de maneira mais forte o setor de construção.

As distribuidoras de asfalto têm olhado o mercado externo como alternativa à Petrobras, única fabricante no país. Atualmente, cerca de 5% do mercado interno é abastecido por produto importado, mas entraves logísticos dificultam as compras no exterior. “O pessoal começou a se movimentar agora para importação”, diz o presidente da Abimpa (Associação Brasileira dos Importadores de Asfalto), Bebiano Ferraz. “Mas precisa encontrar comprador, construir derretedores, tem todo um processo de adaptação.”

Os derretedores são necessários porque não há estrutura portuária disponível para receber navios com asfalto aquecido. Assim, os importadores precisam comprar o produto sólido e derreter após o desembarque. Além disso, diz Ferraz, geralmente é preciso “tropicalizar” o produto, por meio de processos químicos para adequar às especificações do asfalto importado às temperaturas brasileiras. A Abimpa tem hoje quatro associadas. Outras duas empresas estão negociando a associação.

As importações hoje vêm, em sua maioria, da Rússia. Representante de uma empresa de Dubai, Milton de Lima diz que vem concluindo as negociações de uma carga de asfalto chinês para distribuidores nacionais, que deve ser desembarcada no porto de Itajaí (SC). A busca por alternativas de suprimento é também uma maneira de se antecipar à venda das refinarias da Petrobras, diz Pacheco, da Abeda. “Não sabemos se os novos donos terão interesse em continuar fabricando o produto”, afirma.

Com a evolução de concessões rodoviárias, tanto do governo federal quanto de governos estaduais, a expectativa é que o consumo interno apresente crescimento nos próximos anos. Para os concessionários, a disparada do preço do asfalto causa impactos relevantes nos projetos de ampliação e conservação. “A forma e o momento em que os impactos nos programas de investimentos e de custos serão compensados varia de acordo com o programa de concessão, seja federal, estadual ou municipal”, disse, em nota, a A ABCR (Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias).

Folhapress

Leia mais...

Preço do etanol sobe em 24 Estados e no DF nesta semana

25 de maio de 2021, 11:06

Foto: Reprodução

Os preços médios do etanol hidratado subiram em 24 Estados e no Distrito Federal nesta semana, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. Só houve queda semanal em Goiás e Rondônia. Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol subiu 2,71% na semana ante a anterior, de R$ 4,247 para R$ 4,362 o litro.

Em São Paulo, principal Estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média do hidratado ficou em R$ 4,176 o litro, alta de 2,35% ante a semana anterior.

O preço mínimo registrado nesta semana para o etanol em um posto foi de R$ 3,199 litro, em São Paulo, e o menor preço médio estadual, de R$ 4,109, em Mato Grosso. O preço máximo, de R$ 6,494 o litro, foi verificado em um posto do Rio Grande do Sul. O maior preço médio estadual também foi o do Rio Grande do Sul, de R$ 5,623.

Na comparação mensal, o preço médio do biocombustível no País subiu 16,07%. O Estado com maior alta no período foi Mato Grosso, onde o litro subiu 20,57% no mês. Na apuração semanal, a maior alta de preço foi observada também em Mato Grosso, com alta de 6,09%.

Competitividade

O etanol perdeu competitividade em relação à gasolina em todos os Estados do País e no Distrito Federal nesta semana conforme o levantamento da ANP. Os critérios consideram que o etanol de cana ou de milho, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

Na média dos postos pesquisados no País, o etanol não está competitivo, com paridade de 77,33% ante a gasolina.

A falta de competitividade se deve, em parte, à baixa oferta, já que a moagem da safra 2021/22 de cana-de-açúcar no Centro-Sul do Brasil está atrasada e a expectativa é de produção menor do que na temporada anterior, além de um mix mais açucareiro, o que significa que uma parte maior da cana é destinada à produção de açúcar. Com isso, há menos disponibilidade para a produção de etanol.

Leia mais...

Cooperativa da região de Jacobina conquista espaço em mercado competitivo de iogurtes

10 de maio de 2021, 15:10

Foto: Ascom/SDR

(Da Assessoria) – A agricultura familiar baiana está inserida no competitivo mercado de lácteos e tem mostrado seu diferencial com o desenvolvimento de iogurtes com matérias-primas locais e regionais, gerando emprego e renda para os agricultores e agricultoras da Cooperativa de Produção Agropecuária de Giló e Região (Coopag), localizada em Várzea Nova. Em 2020, a cooperativa registrou um faturamento de R$ 1,3 milhão.

A Coopag conta com o apoio do Governo do Estado e possui uma linha de produtos laticínios tradicionais, como queijo, manteiga e bebida láctea, mas se destaca na produção de iogurtes, com sabores oriundos dos biomas baianos. São 250 associados, responsáveis pela produção e beneficiamento de 15 mil litros de leite por dia e 100 mil litros de iogurte por mês. Além de Várzea Nova, a cooperativa possui cooperados nos municípios de Tapiramutá, Miguel Calmon, Jacobina, Piritiba, Ourolândia e Morro do Chapéu.

Como diferencial para competir com as grandes marcas, a Coopag lança um produto novo por ano. Em 2016, foi lançado o iogurte de umbu; em 2017, o de licuri; em 2018, o de café; e em 2019, o de abacaxi. O catálogo de sabores dos iogurtes inclui também morango, ameixa, coco e salada de frutas. Em 2020, a Coopag lançou as bebidas lácteas nos sabores morango e ameixa, em embalagem de 900 ml.

Para este ano de 2021, está em estudo a produção e o lançamento no mercado do iogurte de maracujá da Caatinga ou maracujá-do-mato – uma fruta nativa do Semiárido nordestino.

Os sabores exóticos dos iogurtes fabricados pela Coopag são resultado de parcerias com outros empreendimentos da agricultura familiar. O café é produzido pela Cooperativa Mista dos Pequenos Cafeicultores de Barra do Choça e Região, localizada no Sudoeste baiano; o licuri, fruto extrativista, é colhido por associações de agricultores dos municípios de Caldeirão Grande, Campo Formoso, Itiúba e de grupo de Serrolândia; o umbu, fruta nativa da Caatinga, é de Várzea Nova; e o abacaxi, de Umburanas.

Para o vice-presidente da Coopag, Fred Jordão, é preciso inovar sempre: “Nosso perfil é o de não estar satisfeito com o que a gente tem e faz. É uma insatisfação, no sentido de perceber a necessidade de fazer diferente, de surpreender a clientela. Apesar de ser uma cooperativa do interior da Bahia, temos a capacidade de colocar nossos produtos para concorrer até com multinacionais. Nós temos peculiaridades e produtos regionais que as grandes marcas não têm. Tudo isso nos fortalece na questão da comercialização”.

O policial civil de Salvador, Saulo Martins, não deixa faltar os produtos da cooperativa na mesa: “Consumo os iogurtes e a manteiga. Já recomendei os produtos para vários estabelecimentos do meu bairro, que ficaram muito interessados. É um produto de muita qualidade. Gosto de todos os sabores dos iogurtes e toda semana tem na mesa da minha casa. Eu, minha mulher e meus quatro filhos somos consumidores fiéis. Faz a diferença consumir um produto da agricultura familiar. Ajuda os produtores e nós consumimos um produto mais saudável”.

Por meio do projeto Bahia Produtiva, o Governo do Estado está investindo R$ 3 milhões na Coopag, em ações como assistência gerencial e técnica para os produtores e produtoras. Com os recursos, foi possível expandir e estruturar a agroindústria, implantar uma queijaria, aumentar a oferta de produtos para a alimentação escolar, como a manteiga e o queijo, e avançar na comercialização.

O Bahia Produtiva é um projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), cofinanciado pelo Banco Mundial.

Ascom/SDR

Leia mais...

Armário inteligente limpa e passa as suas roupas

28 de abril de 2021, 14:54

Foto: Divulgação/LG

A LG começou a oferecer no mercado brasileiro o Styler, um armário para roupas inteligente que chega oferecendo recursos como a possibilidade de higienização, secagem e até a capacidade de manter as peças passadas.

Medindo 1850 x 445 x 585 mm e pesando 83 kg, o Styler trabalha em 220V e pode abrigar até dois cabides comuns, um cabine para calças e uma prateleira. O equipamento conta com vários ciclos de operação, que incluem os modos “pronto para sair”, “uniforme esportivo”, lenços e cachecois e o modo silencioso.

Outra funcionalidade do Styler é a possibilidade de gerenciamento remoto via wi-fi, por meio de um aplicativo para smartphone. O LG Styler com acabamento em branco sai por R$ 17.999, enquanto a unidade espelhada é mais cara, custando R$ 19.999.

Leia mais...

Bahia: Jacobina já conta com uma charcutaria artesanal

13 de março de 2021, 14:25

Foto: Instagram

(Da Redação) – O conceito de charcutaria é a técnica utilizada para conservar a carne, algo que foi muito importante na época das grandes navegações e colonizações, já que as navegações demoravam meses e sem as técnicas de conservação os alimentos estragariam. Hoje a arte da charcutaria é utilizada para descrever o trabalho de quem fabrica produtos com diferentes técnicas de conservação, tornando-se um ofício culinário muito praticado, e que atrai cada vez mais entusiastas. Em resumo, a charcutaria é o processo de preservação artesanal que atiça o paladar.

Um dos mais antigos métodos de preservação de alimentos da humanidade se inovou com o passar do tempo e o que era praticado por uma necessidade de conservação, se tornou uma forma de criar identidades para diversas variedades gastronômicas.

O artista plástico e ex-estudante de gastronomia, Jerlan Miranda, nunca escondeu sua paixão pela culinária. Quando não estava pincelando um desenho uma gravura, estava criando pratos culinários. Depois de mais de uma década trabalhando com um food truck, resolveu se dedicar a uma arte que sempre admirou, a da charcutaria. O primeiro passo foi procurar um local especializado no assunto, e depois de um curso presencial em uma das principais instituições de ensino exclusivas para a área, a ACAVA Escola de Charcutaria de Brasília, decidiu que tornaria a milenar arte de preservar carnes como sua fonte de renda.

Jacobinense de nascimento, Jerlan e sua esposa Amanda Medeiros decidiram então abrir uma microempresa em sua cidade natal, a HBacon Alimentos & Defumados Artesanal. Neste primeiro momento em que a empresa está em fase de implantação, com a produção em pequena escala apenas para degustação familiar e de amigos, como forma de apresentação dos produtos que o casal já estão produzindo, como Linguiças, bacons tradicionais e especiais, salaminhos meia cura e costelinha defumada.

Segundo Jerlan, assim que receber o Selo de Inspeção Municipal (SIM), obrigatório para a comercialização, os produtos serão apresentados em todos os estabelecimentos comerciais local e da região, principalmente hamburguerias, pizzarias e pequenos mercados. “Toda a estrutura para a produção, obedecendo as exigências da Vigilância Sanitária já está pronta, tendo inclusive já recebido a visita de prepostos do órgão que conheceram as instalações. Estamos aguardando agora a liberação e emissão do Selo de Inspeção”, disse.

Perguntado sobre o segredo para a produção de um produto de qualidade e suas pretensões, Jerlan destacou: “Muito estudo e prática. A cada dia e um produto finalizado é um novo aprendizado.

Estamos dedicados totalmente para oferecer o melhor para nossos futuros clientes. Queremos ser referência no interior da Bahia, e no futuro, com fé em Deus, conquistaremos a Bahia, quiçá o Brasil”.

Leia mais...

Boas Festas!

VÍDEOS