CULTURA

Caetano Veloso cobra que ACM Neto pague direitos autorais a artistas

30 de janeiro de 2018, 15:07

Grupo de cantores afirma que a prefeitura da capital baiana não cumpre pagamentos por apresentações em eventos como o Ano Novo e o Carnaval

 

O cantor Caetano Veloso publicou nesta segunda-feira (29) um texto em que pede que o prefeito de Salvador, ACM Neto, pague direitos autorais aos artistas que se apresentam na capital baiana em datas como o Ano Novo e o Carnaval.

“‪Salvador foi eleita a “cidade da música” pela Unesco e é a capital brasileira que mais promove festas e eventos ao longo do ano. Porém, a prefeitura da cidade é desrespeitosa e prejudicial com os autores, pois os direitos autorais de eventos públicos, como o Carnaval e o Réveillon, não são pagos devidamente”, diz trecho do texto.

De acordo com o site Bahia Notícias, nomes como Marisa Monte, Marina Lima, Paula Lavigne, Djavan, Xande de Pilares, Mart’nália, Lan Lan, Mauricio Mattar, Paula Burlamaqui, Diogo Nogueira, Leo Gandelman, Mosquito, Flávio Renegado e Nando Reis também apoiam a causa.

O texto publicado por Caetano cita dívida de R$ 30 milhões. “Em 2014, foi proposto que a prefeitura pagasse R$ 8 milhões, mas a proposta foi recusada pelo prefeito ACM Neto”, afirma o manifesto.

O Ecad [Escritório Central de Arrecadação e Distribuição] já moveu inúmeras ações e continua acionando a cidade e tentando um diálogo. Porém, a prefeitura não se dispõe a negociar. Precisamos nos mobilizar para enfrentar esse absurdo”, conclui o texto.

 

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

O Grande Encontro vai comemorar 20 anos em Salvador

26 de janeiro de 2018, 13:29

Ao completar duas décadas, nova “Caravana” de Elba, Alceu e Geraldo apresenta diferenças em relação ao formato anterior

Um dos espetáculos mais aclamados da música brasileira, o Grande Encontro vai voltar a Salvador, com Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Alceu Valença. O trio – que surgiu como um quarteto, com a participação de Zé Ramalho – passou pelo Réveillon da Praia de Copacabana, em 2017, e realizou um show antológico na última edição do Rock in Rio. Após percorrer as principais capitais do país, agora vai levar à capital baiana o seu novo formato, no dia 7 de abril, na Concha Acústica.
Em 2016, os três artistas juntaram novamente as suas vozes, composições e instrumentos para gravar o disco e álbum comemorativos dos 20 anos do primeiro Grande Encontro- o que lhes rendeu mais um disco de Ouro, além de uma turnê por todo o Brasil.
A nova “Caravana” apresenta diferencças em relação ao formato anterior do espetáculo. Enquanto o show original possuía um formato acústico, com versões que recriavam a mística do cancioneiro com intimismo e delicadeza, a edição atual incorpora uma sonoridade mais elétrica e percussiva, sem perder a ternura do repertório dos nordestino.

Entre trios, duetos e momentos solos em cena, o repertório promete contemplar os clássicos mais pedidos pelo público, como “Anunciação”, “Banho de Cheiro”, “Dia Branco”, “Tropicana”, “Moça Bonita”, “Caravana”, “Belle de Jour”, “Canção da Despedida”, “Coração Bobo”, “Táxi Lunar” e “Bicho de Sete Cabeças”.

Duas joias do túnel do tempo, “Papagaio do Futuro” (apresentada por Alceu, Geraldo e Jackson do Pandeiro no Festival Internacional da Canção de 72) e “Me Dá um Beijo” (parceria de Alceu e Geraldo, do primeiro disco da dupla) são resgatadas no espetáculo. Zé Ramalho é homenageado com “Chão de Giz” e “Frevo Mulher”, nas vozes de seus companheiros.

Serviço

Grande Encontro – Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Alceu Valença

Dia: 07 de abril de 2018, a partir das 20 horas

Local – Concha Acústica do Teatro Castro Alves

Endereço: Praça Dois de Julho, s/n – Campo Grande, Salvador – BA, 40080-121

Arquibancada: R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia)Camarote: R$ 240 (inteira) e R$ 120 (meia)Desconto: 20% sobre a inteira para assinantes do Clube Correio*Classificação: 16 anos

VENDAS

Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Castro Alves, nos SACs do Shopping Barra e do Shopping Bela Vista ou pelo site www.ingressorapido.com.br. Telefone: (71) 3535-0600

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Macaulay Culkin diz que pai era abusivo: ‘Era um homem mau’

23 de janeiro de 2018, 16:57

Macaulay Culkin participou do podcast WTFPod e falou sobre o início de sua carreira e sobre sua família. Ele contou que veio de uma família pobre e que ele, seus pais e seus seis irmãos viviam em uma casa de quatro cômodos em Nova York.
“Eles nunca foram casados, mas se juntaram. Eram sete crianças em um apartamento de quatro cômodos. Eu e meus irmãos falávamos para minha mãe: ‘Que raios você estava pensando?’. Acredite em mim, ela não tinha condições de ter sequer um filho. Eu fui o terceiro filho e acabei me dando bem”, disse o ator.
Seu pai era um ator amador e dançarino e foi quem o inseriu no meio artístico e o levou para audições. Entretanto, Macaulay e seu pai nunca se deram bem. “Ele era um homem mau. Era abusivo. Abusava de mim fisicamente e mentalmente. Posso até mostrar cicatrizes se você quiser”, falou.
“Tudo o que ele tentou fazer na vida inteira dele, alcancei aos dez anos de idade. Ele tinha certa inveja”, continuou. Macaulay Culkin ficou conhecido por protagonizar os filmes da franquia Esqueceram de Mim a partir de 1990.
Um dos filmes mais amados foi, sem dúvida, “Esqueceram de mim”. Esta comédia de família foi recebida de forma muito positiva por todas as críticas e foi um grande sucesso de bilheteria.


Macaulay Culkin / Kevin McCallister, O protagonista do filme tinha 10 anos de idade na época e foi catapultado à fama, sendo um dos ícones mais reconhecidos da tela dos cinemas.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Antônio, João e Pedro agora são Luan, Gustavo e Safadão

23 de janeiro de 2018, 10:27

A descaracterização das festas no período junino que iniciam com as comemorações aos santos Antônio (13), João (24) e Pedro (29), todas ocorridas no mês de junho, foi um dos assuntos mais discutidos dos últimos dias, mais especificamente na região nordeste do país, onde as tradições da fogueira e do forró são mais arraigadas.

O abandono da tradição tem sido tão criticado quanto o uso do termo forró em eventos de músicas pop, axé, arrocha e sertanejo; sem contar os megas cachês pagos a artistas de estados brasileiros onde a cultura nordestina na verdade é mais discriminada do que valorizada. Muitos dos cantores ‘produzidos em laboratórios’ se quer conhecem termos como arrasta-pé, xote, xaxado e baião, típicos e enraizados na cultura nordestina. Uma inversão de valores sem tamanho.

Gosto não se discute, isso é fato, mas contribuir com a extinção de uma tradição centenária, um dos principais patrimônios artísticos do país, que teve e ainda tem nomes que contribuíram e ainda contribuem com a formação cultural e literária do brasileiro através de suas músicas e melodias como Jackson do Pandeiro, Pinduca, Dominguinhos, Sivuca, Oswaldinho do Acordeon, Trio Nordestino, Luiz Gonzaga, Jorge de Altinho, Alcimar Monteiro, Targino Godin, Adelmário Coelho, Edgar Mão Branca, Flávio José e tantos outros, chega a ser um crime.

Todos precisam ocupar seus espaços, mas denominar um evento em pleno dia do São João em uma cidade localizada no semiárido nordestino como ‘Forró do Sertão’, onde as principais atrações são cantores como Anita (música pop), Ivete Sangalo (axé), Léo Santana (pagode) e Gustavo Lima (sertanejo), chega a ser uma piada de mau gosto, para não denominar de outros adjetivos não convencionais e politicamente corretos. Um ‘Forró das Caraíbas’ deixa de ser tão importante quando milhares de reais oriundos do poder público são pagos para que a principal atração do que deveria ser ‘um rala buxo’ é a cantora sertaneja, de origem goiana, Marília Mendonça.

Todos os municípios de todas as regiões do país possuem festas tradicionais, sejam para comemorar suas emancipações administrativas, seus padroeiros ou até mesmo eventos que passaram a se tornar tradicionais por motivos específicos, como a Festa da Uva em Caxias do Sul (RS), a Oktoberfest em Blumenau (SC), Cavalhadas de vários municípios de Goiás e outras. Na Bahia, além do São João, muitas cidades realizam micareta, carnaval e as chamadas ‘festas da cidade’ onde se comemora o aniversário ou a profanidade do dia do padroeiro. Para preservar a história e, principalmente, valorizar as culturas populares, os recursos públicos devem ser destinados a apoiar os eventos que preservem suas tradições, inclusive prestigiando as atrações locais, quando houverem e não para incentivar o fim em detrimento de um incerto começo.

Por Gervásio Lima

Jornalista e historiador

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Projeto Fruticultura de Sequeiro é apresentado no SemiáridoShow 2017

09 de novembro de 2017, 13:52

Como parte da programação do SemiáridoShow 2017, maior evento nacional de tecnologias de convivência com o semiárido, que acontece em Petrolina (PE), foi realizado, na tarde desta terça-feira (7), o Seminário Regional de Fruticultura de Sequeiro, com foco no Umbuzeiro e no Maracujá da Caatinga, junto às Escolas Famílias Agrícolas (EFA) da Bahia.

O evento, que aconteceu no Auditório da Embrapa Semiárido, teve o objetivo de apresentar os principais resultados do projeto Fruticultura de Sequeiro no Semiárido Baiano, ‘alternativa para inclusão produtiva da juventude rural’. Mais de 200 pessoas participaram, entre professores, monitores e estudantes, pesquisadores, agentes de assistência técnica e extensão (ATER), gestores/as públicos e agricultores/as familiares.

Durante o seminário, foi realizado o ato de assinatura do Contrato de Validação Agronômica e Mercadológica de Genótipos de Umbuzeiro, celebrado entre Embrapa Semiárido e a Rede de Escolas Famílias Agrícolas da Bahia (REFAISA). Também foi feita a apresentação de linhas de crédito voltadas para a juventude rural, por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) Jovem, e as considerações para a implantação e manejo das áreas de fruticultura de sequeiro.

Financiado pelo Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), o Projeto Fruticultura de Sequeiro conta com um investimento de mais de R$ 1 milhão e beneficiará 1.400 jovens, estudantes e ex-estudantes da Escolas Famílias Agrícolas do semiárido baiano.

Foram implantados 14 viveiros, em número igual de EFA de diversas regiões da Bahia. No total, serão distribuídas 44,8 mil mudas de umbu gigante e 476 mil mudas de maracujá da caatinga. Cada jovem receberá 32 mudas de umbu e 340 de maracujá. O período máximo para as plantas já produzirem em escala comercial é de quatro anos para o umbu, e menos de um ano para o maracujá.

Se acordo com Marcelo Matos, gestor da Superintendência de Agricultura Familiar (Suaf/SDR), um dos palestrantes do Semiárido Temático, “o projeto apoia a educação do campo, a convivência com o semiárido e fomenta o plantio do umbuzeiro e do maracujazeiro, que, por serem plantas nativas da caatinga, são resistentes à seca, além de apoiar a juventude rural, priorizando a entrega de mudas a jovens rurais. Marcelo destacou ainda que após a entrega das mudas “várias EFAs, a partir do próximo ano, utilizarão os viveiros implantados para produzir mudas para comercialização, gerando assim receitas que contribuirão com a manutenção do ensino”.

O Seminário Regional de Fruticultura de Sequeiro foi uma realização da Embrapa Semiárido, Projeto Bem Diverso, Governo da Bahia, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), Rede de Escolas Famílias Agrícolas Integradas do Semiárido (Refaisa) e Associação das Escolas das Comunidades e Famílias Agrícolas da Bahia (Aecofaba).

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

O pai Augusto e o filho Felipe Marques – O cuidar e o criar vivendo harmoniosamente

08 de novembro de 2017, 14:04

Cuidar de quem ama é algo prazeroso, mesmo que sendo, às vezes, uma tarefa árdua. Faz bem para o coração, para a alma… para a vida. Amar e sentir que é amado (a) proporciona um sentimento inexplicável, capaz de adoçar a mais amarga das sensações, transformar o ruim em contentamento e felicidade. É ótimo para quem sente e melhor para quem vive. Amar e ser amado é viver em paz e harmonia com o eterno; é uma virtude dos sapientes que fazem do amor o combustível responsável pelo funcionamento de suas virtudes.

Já criar aquele (a) que tanto cuidou, deu carinho, amou…

Talvez por não depender apenas do recíproco amor da família, criar, do ponto de vista de acompanhar todo o tempo, envolve fatores mais complexos e exige inúmeros cuidados. Nem sempre o mundo ensina somente aquilo que gostaríamos que fosse absorvido pelos amados. Maçãs e cobras são encontradas com mais facilidade do que bons conselhos. Partindo deste ponto de vista é possível afirmar que, apesar de semelhante, em se tratando de vida (de pessoas), cuidar é diferente de criar. Aquele que foi bem cuidado poderá ser um mal criado, não necessariamente como uma regra.
Todo mal gostaria em ser do bem, mas por ter sido vítima da falta do conjunto ‘cuidar/criar’ tenha se transformado no abominável. Orientação e controle podem evitar preocupações e decepções, pois quem ama cuida.

A relação de amizade e carinho socializada constantemente entre Augusto Jacobina e seu filho Felipe Marques tem levado muitos pais a refletir sobre o conceito de amor e a importância de suas presenças na vida dos seus filhos. Quem já teve o prazer em estar próximo e conviver com estas duas figuras que já fazem parte do ‘patrimônio’ cultural da cidade, sabe o que é viver em harmonia e alegria. O pai como músico (cantor e tecladista) e comunicador (através do site que leva o seu nome e do rádio) e o filho, criança carismática e inteligente já demonstra o que pensa e o que quer para seu futuro. O pequeno artista Felipe Marques tem levado alegria para as crianças e adultos em seus shows infantis e sua participação em grandes eventos como festejos de São João e comemorações de aniversários de cidades da região.

A história de vida de Augusto e Felipe é um exemplo que deve ser seguido e compartilhado com todos que acreditam que ainda existe o bem cuidado e o bem criado. Para o pai e para o filho: Parabéns!

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Justiça multa Facebook em R$ 6,6 mi por compartilhar dados de usuários

OMinistério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou “prática abusiva” por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

Segundo nota publicada no site da pasta, “o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica”, que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que “as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas”. O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

VÍDEOS