ARTIGOS

Mentira tem perna curta

26 de outubro de 2018, 06:46

Foto: Divulgação

* Por Gervásio Lima. –

O francês Henri De Toulouse-Lautrec, falecido no primeiro ano do século passado, foi um dos grandes nomes da pintura mundial, mas entrou para história por causa de um dom literalmente não confiável. O artista mentia tanto, e com tanta frequência, que os bares da boemia parisiense diziam que seu talento com as lorotas era tão grande quanto sua vocação artística. A baixa estatura de Lautrec, causada por um deficiência que prejudicara o crescimento das pernas, somada às suas cascatas deu a origem do ditado “mentira tem pernas curtas”.
A Bíblia diz que o diabo é o pai da mentira e que todos que estão cegos pela mentira são seus filhos. Isso significa que a mentira é muito perigosa, porque é obra do diabo. Em João 8:44, Jesus explicou sobre o caráter do diabo: é homicida (seu propósito é nos destruir), rejeitou a verdade (ao se rebelar contra Deus), a mentira é sua “língua materna” (ele mente o tempo todo) e é o pai da mentira (a mentira é sua grande obra).
Diversos são os exemplos de resultados negativos provenientes do hábito de mentir. Infelizmente o emissor da fraude não é o único prejudicado. Numa espécie de efeito dominó, uma série de acontecimentos causados por um único fato é capaz de prejudicar e destruir histórias e até vidas. A mentira não vai muito longe, uma hora ou outra ela é desmascarada e a verdade se sobressai, mas em muitos casos ‘daqui que se prove que focinho de porco não é tomada’, o estrago já foi feito e as consequências podem ser as piores possíveis.
Nem sempre se tem o que merece, mas com um pouquinho de esforço ou contando com a sorte se consegue o que almeja. Geralmente se colhe o que planta. ‘Atitudes tomadas pela emoção podem prejudicar um milhão’. É sempre bom lembrar que o certo não dói, caso contrário, a vaca pode ir para o brejo.

Forte é o povo!

* Jornalista e historiador

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Onde houver ódio, que eu leve o amor

17 de outubro de 2018, 17:20

* Por Gervásio Lima

 

A única certeza que se tem na vida é a morte, o restante são incertezas e ‘previsões imprevisíveis’. A astrologia, pseudociência que garante prover informações sobre, entre outros, assuntos relacionados à vida do ser humano, também se confunde, para não dizer erra, e feio, em muitas de suas teorias, portanto, o improvável será sempre improvável.

Muitas coisas acontecem na vida das pessoas de forma involuntária, mas existem situações que é possível que o indivíduo antecipe seus resultados. Porque meter a mão na cumbuca, (expor-se ao perigo; envolver-se com o que não deve), sabendo que a probabilidade de dar errado é infinitamente maior do que dar certo? Para se evitar ser uma ‘Maria vai com as outras’, ou seja, ser uma pessoa que prefere não ter seus próprios posicionamentos e opiniões, que se deixa convencer com facilidade, é necessário que se trabalhe a razão, buscando informações sobre o que realmente deseja.

Se com os meios de comunicação que eram disponíveis, até o advento da internet, como rádio e televisão, Já era possível se munir de informações sobre uma gama de assuntos, nos tempos atuais o conhecimento é quase que automático; se consegue ver, ler e ouvir tudo instantaneamente. Por tanto, desconstruindo a trivial frase “errar é humano”, não é aceitável a desculpa de cometer ou ter cometido um engano por não ter obtido um conhecimento antecipado.

O ser humano não está imune a erros que na maioria das vezes prejudica e machuca o físico e o espiritual, afetando não somente os que os cometem mais muitos outros que passam a serem vítimas das atitudes incorretas. É sempre bom lembrar que a decepção, geralmente fruto do excesso de expectativas, provoca mágoas e traumas e o arrependimento é algo que acompanha por toda uma vida.

Incitar o ódio e a violência são erros inconcebíveis ao ser humanos, vai de encontro inclusive aos princípios bíblicos.

Senhor, fazei de mim um instrumento da Vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor.

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.

Onde houver discórdia, que eu leve a união.

Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.

Onde houver erro, que eu leve a verdade.

Onde houver desespero, que eu leve a esperança.

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.

Onde houver trevas, que eu leve a luz. (Oração de São Francisco de Assis)

 

*Jornalista e historiador

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

O risco de uma ‘pandemia antissocial’

02 de outubro de 2018, 17:19

*Por Gervásio Lima –

A política do quanto pior melhor pregada insistentemente e de forma irresponsável tem contribuído para a disseminação do ódio exacerbado e da violência desenfreada. Como numa espécie de ‘pandemia antissocial’ o brasileiro corre o risco de perder o status de ‘povo ordeiro’ e ‘boa praça’. A banalização do errado em detrimento ao que é correto tem causado prejuízos e, o pior, seus resquícios podem causar danos irreparáveis ao país.
O caminho a ser seguido é uma opção individual, uma decisão pessoal tomada geralmente por quem possui a opinião formada naquilo que acredita. Isso é fato, mas não significa necessariamente que não possa haver ingerências externas e alheias ao que foi pregado no início e durante a caminhada. Como os ventos que têm o poder de modificar constantemente as paisagens ao esculpir rochas e formar dunas, as escolhas tomadas na vida também bailam e dependendo do que se escolheu os resultados podem oscilar para o positivo ou negativo, atingindo consequentemente não um mas diversos indivíduos.
Confiar o voto a um postulante a qualquer cargo eletivo é uma das maiores responsabilidades da vida de um cidadão, pois envolve uma série de prerrogativas. A seriedade de um voto é tamanha que qualquer ‘erro de percurso’ pode comprometer a manutenção e o fornecimento de serviços essenciais para a garantia da sobrevivência de uma nação.
Não serão aceitas desculpas esfarrapadas depois do ‘leite derramado’, pois, com o advento da internet, principalmente das redes sociais, o acesso aos programas de governo, a história política e até mesmo pessoal dos candidatos são facilmente encontrados. Falta de conhecimento não será o problema.
As eleições determinam o futuro das cidades, dos estados e do país, portanto é fundamental que cada eleitor faça a sua opção de modo consciente e com seriedade. O eleitor tem em suas mãos um importante instrumento de mudança política e social: o voto.
Os dias destinados à realização das eleições representam um dos raros momentos em que todos se igualam, pois não há diferença de raça, sexo, condição financeira, classe ou grupo social, já que existe igualdade de valor no voto dado por cada cidadão. Diante da liberdade e da igualdade no exercício da soberania popular, é fundamental que o voto seja consciente, pois esse é um fator preponderante para que se alcance um resultado satisfatório no pleito.
No momento do voto é importante lembrar que o falso moralista procura camuflar e transparecer que é um moralista, ético…, mas na verdade é um hipócrita.

* Jornalista e historiador

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Boa sorte sem desculpas

18 de setembro de 2018, 18:00

Por Gervásio Lima –  

Desejar boa sorte, sempre, é um ato positivo dos que geralmente querem o bem de outrem; é uma expressão que caracteriza também humildade e compaixão. Antes de agir por impulso ou por emoção vale a dica dos segundos de respiração e o de contar até dez. Pensar nas consequências é a melhor forma na tomada de decisões. O ‘boa sorte’ será infinitamente melhor e mais coerente do que um pedido humilde de desculpas.
A disputa de poder na política é salutar do ponto de vista da concorrência, quando são apresentados os programas e planos de governos que venham contribuir para o desenvolvimento de um determinado território, a partir de benefícios que contemplem as populações de aglomerações urbanas. A disputa de poder é um enfrentamento para decisão de quem, dentre os concorrentes, passará a deter o controle de um certo poder. As pessoas, mas precisamente as que possuem o direito do voto, geralmente têm um lado e não opinião. Os que priorizam o lado se preocupam apenas com a quantidade de votos, enquanto os de opiniões trocam ideias, discutem e justificam suas posturas através do debate munido de informação e coerência.
Menosprezar e preconceituar a opinião alheia são atitudes prepotentes e peculiares dos intolerantes. Os chamados ‘donos da verdade’ não poupam argumentos, palavras e o que mais for preciso para provarem que seu ponto de vista é sempre o certo, dificultando qualquer possibilidade de viver em paz com os que estão a sua volta. Semeiam apenas mágoa, discórdia e violência, sem apresentar soluções lógicas e viáveis a partir do que defende.
Um passo em falso proporcionará consequências desastrosas. É preciso prudência na tomada de decisões. Desejar felicidades e sucesso na esperança de que tudo dê certo fortalece o emissor e o receptor da frase de gentileza. Já a arrogância e a grosseria, qualidade própria dos prepotentes, atraem o mal e todos os seus ‘derivados’.
Confundi a empatia, a amizade e a cordialidade com lado político é um comportamento dos fracos. As disputas eleitorais não são sinônimos de desavenças e sim um momento de empoderamento democrático e difusão de ideias. Eleições para os cargos eletivos dos municípios, dos estados e da união acontecem de quatro em quatro anos e as amizades são feitas para durar toda uma vida.
A sociedade é um conjunto de pessoas ligadas pela necessidade de se ajudarem. No decorrer da vida, o ser humano desenvolve uma série de habilidades para se relacionar com o mundo que o cerca, assim ele aprende a viver com outras pessoas, das quais necessita para concretizar seu projeto de vida; se tornando consequentemente em um bom ou mau cidadão. Ser educado, saber respeitar a opinião dos outros – sem deixar que não respeitem a sua –
ter um sentimento coletivo, ser solidário, e ter espírito de cooperação, são prerrogativas dos que sabem viver em sociedade.
“A justiça é a vingança do homem em sociedade, como a vingança é a justiça do homem em estado selvagem”. Frase dita por Epicuro de Samaros, filósofo grego do período helenístico (período da história da Grécia e de parte do Oriente Médio compreendido entre a morte de Alexandre o Grande em 323 a.C. e a anexação da península grega e ilhas por Roma em 146 a.C.).

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Dia 7 de setembro foi de festa em Ourolândia.

17 de setembro de 2018, 11:35

Candidatos do prefeito do município de Ourolândia, João Dantas, à deputado federal e estadual, Cajado e Adolfo Menezes, respectivamente, recebidos com pompas de verdadeiros heróis, e aterrissando em avião, evento raramente visto por estas terras, mas que certamente abrilhantaram a efeméride, com o que contribuiu o esforço inaudito do prefeito, que executou em tempo recorde, evidentemente com recursos do erário publico, que a praxe nessas práticas, enfim abrilhantando o acontecimento de apresentação dos deputados que irá apoiar no próximo pleito.
Recebidos esses deputados, seguiu-se sua apresentação aos eleitores arregimentados através de concorrida carreata, integrada por centenas de motos e carros, todos abastecidos convenientemente em postos autorizados pelo Alcaide, às custas, evidentemente, das burras da Prefeitura.
Trata-se de crime eleitoral? Estão os órgãos fiscalizadores atentos para tais práticas espúrias, criminosas?

O Prefeito executou em tempo recorde a reforma da pista de pouso, limpando toda a área e recuperando-a com obras de terraplanagem e compactação, usando recursos públicos continuamente negados para a execução de obras requeridas pelo estado de abandono em que se encontra a Cidade, sobretudo as áreas habitadas pelos mais pobres, sem pavimentação, com esgotos correndo à céu aberto e outras várias precariedades.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Vick

30 de agosto de 2018, 17:26

Por Marcelo Rodrigues – 

A Vick, minha idosa cadelinha de quase quinze anos, conseguiu recupera-se. Antes, fora um enorme trabalho para trazer-lhe de volta a frágil saúde, que poderia lhe dá mais alguns meses de vida. Aconteceu que um verme vazou um dos seus olhos e a deixou com um rombo assustador no rosto, o que fez com que muita gente sugerisse o sacrifício do animal, pois seria menos doloroso para ela e, de certo modo, mais cômodo para a gente. Mas não o fiz. Em vez disso, acionei a minha sobrinha Mariane, que ama bichos e sempre os protege dos maus tratos alheios, e lhe pedi ajuda para àquela situação. Com toda a paciência do mundo ela tratou da Vick, jamais se intimidando com a avançada ferida aberta e, em pouco tempo, a pequena cadela já retomava o curso natural da sua vidinha de cachorro.

Estou distante da Vick há alguns meses. Vim para Salvador e não pude trazê-la ainda. Deixei-a aos cuidados de uma boa senhora da Vila Feliz, e a idéia era buscá-la logo que pudesse, mas, quando soube da possibilidade do seu falecimento, fiquei bastante comovido e me culpei por tê-la deixado tão só. Lamentei a sua possível morte como se fosse a de um parente próximo e querido. Inconformado e também para me redimir do meu descaso, assim que pude, viajei de volta para Jacobina, a fim de tratar pessoalmente dela. Agora a Vick já se restabeleceu. Conseguimos retardar a sua partida, aquele fatídico momento reservado a toda criatura viva e do qual ninguém foge.

Salvador, agosto de 2018

 

antomarcelo@gmail.com

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Cautela e caldo de galinha não fazem mal à ninguém

30 de agosto de 2018, 17:13

Foto: Reprodução

Por *Gervásio Lima – 

 

A capacidade de imaginação do ser humano é uma das principais características da inteligência da espécie. Chega a ser instigante e intrigante o poder de criação das pessoas, em todas as áreas do conhecimento. Mentes brilhantes contribuíram, têm contribuído e contribuirão para importantes transformações em todo o mundo, tanto do ponto de vista material quanto o imaterial, ajudando ou prejudicando os viventes.

Infelizmente são mais facilmente encontrados os chamados ‘mentes diabólicas’, que usam a inteligência para fazer ou promover o mal, com o propósito único de causar discórdia e a cólera, para como num sentimento de orgasmo sentir excitação do espírito pelas ríspidas e maléficas atitudes; de que os que procuram socializar os conhecimentos com o objetivo de ganhos coletivos. Uma sociedade justa está cada vez mais distante dos que buscam incessantemente o real e o verdadeiro conceito de vida, mesmo tendo provas e a certeza que o mal não vencerá o bem.

A boa e salutar disputa quando o mérito leva o melhor à vitória se confunde com o conflito, onde geralmente está em jogo a discussão, o choque e o enfrentamento nem sempre amigável entre as partes. As competições viraram sinônimo de confusões envolvendo os competidores e seus apoiadores, esses, na política, conhecidos carinhosamente por asseclas ou bajuladores. Geralmente o egoísmo e a vaidade predominam nas defesas das partes, enquanto a opinião e a razão são desprezadas ou ignoradas, muitas vezes sem direito de defesa.

O verdadeiro líder é aquele que respeita as diferenças e seus adversários, promovendo harmonia e buscando o consenso, para assim conquistar a confiança e ter o poder de influenciar o pensamento e o comportamento de outros indivíduos. Liderança não se compra e, para a infelicidade dos que desejam de qualquer maneira alcançar tal posição, também não se consegue com inverdades e perseguições, mesmo contra seus algozes.

O Brasil vive e respira mais um período eleitoral, momento democraticamente criado para a escolha dos seus representantes nos executivos e legislativos estadual e nacional. Foi dada a largada para a corrida mais importante do país; entre os competidores estão os candidatos a deputado, senador, governador e presidente da República. Já na torcida, no ‘corpo técnico’ e nos bastidores estão os eleitores como os principais protagonistas. A partir de agora é preciso muito cuidado na interpretação no que ouvir, ver ou ler, pois os persuasores de plantão estão travestidos de ‘bons samaritanos’ e de má fé podem induzir os incautos.

Aventurar ou atirar no escuro podem não ser a solução de problemas, ao contrário, servirão apenas como contribuições para a ampliação dos mesmos. A emoção, por mais marcante que seja, não pode jamais transpor a razão. Um erro não justifica o outro, por tanto se faz necessário muito cuidado pois cautela e caldo de galinha não fazem mal à ninguém.

 

Gervásio Lima.

Jornalista e historiador.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade

23 de agosto de 2018, 11:43

Por Gervásio Lima  –  

A demora por tomadas de decisões afeta consideravelmente governos que possuem todas as prerrogativas para serem considerados de excelência. Já criar expectativa para outrem é uma falta séria de compromisso com a dignidade e o sentimento alheio. Não se promete o que não pode ser cumprido, isto é fato e, infelizmente, uma prerrogativa usada por poucos.

O Brasil que os brasileiros querem é utópico por conta do comportamento dos próprios brasileiros. Corruptores criticam corruptos e o que deveria ser uma obrigação é caracterizado de virtude, com a moral e a ética não sendo mais valores intrínsecos, passando a serem ‘princípios em extinção’.

Não basta apenas achar que o erro se encontra no outro sem antes se auto avaliar. Ao descobrir e corrigir suas falhas inevitavelmente mudará suas, até então, atitudes equivocadas. Enquanto isso não acontecer não será possível cobrar o que não contribuiu para se tornar realidade. É bom sempre lembrar que o bem é fruto de um conjunto de ações positivas e do envolvimento de todos que almejam o mesmo objetivo.

Nas gestões públicas a palavra ‘errar’ não deve se quer ser pronunciada, até porque, parafraseando o ditado popular, ‘errar é para humanos’. Conforme Paulo Daniel Barreto Lima, especialista em gestão pública, em seu livro “Gestão é a capacidade de fazer o que precisa ser feito” (2006), em uma gestão pública não se pode esquecer a capacidade de se atentar e permanecer no posicionamento da organização planejada, para que assim, a missão possa ser cumprida, que neste caso primordial é o desenvolvimento da cidade em benefício ao povo que nela reside. Lima ainda acredita que uma boa organização na gestão pública está relacionada à uma alta capacidade de gestão, que por sua vez, relaciona-se com a melhor relação entre recurso, ação e resultado”.

Em uma infeliz, mas real e cotidiana, inversão de valores, a crítica sobrepõe o elogio ao correto, principalmente quando se refere à política e aos políticos, assuntos na moda atualmente. Nunca na história deste país o provérbio, ‘o sujo falando do mal lavado’ esteve tão presente, sendo inclusive a frase mais coerente para o momento. É fácil condenar o outro pelos erros que também se comete.

Hipocrisias e falsos moralismos andam de mãos dadas e, o pior, são seguidos por uma legião que torce pelo quanto pior melhor. A mentira não é mais antagônica da verdade. Já dizia Joseph Goebbels, que foi ministro da Propaganda de Adolf Hitler na Alemanha Nazista, exercendo severo controle sobre as instituições educacionais e os meios de comunicação: “Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

O certo não dói

09 de agosto de 2018, 15:16

Por Gervásio Lima  -.

 

Subestimar a inteligência alheia é uma demonstração de ingenuidade e ao mesmo tempo de ignorância patética. Os que acreditam que se consegue convencer enganando na verdade estão traindo a si próprios e o preço a pagar por tal erro tende a ser mais doloroso do que se imagina. A verdade não se empurra com a barriga, ela é o agora, o hoje; ao contrário da mentira que é revelada geralmente a partir do amanhã ou depois de amanhã.

Não conseguir realizar o prometido é normal e compreensível por determinadas circunstâncias não serem previsíveis, mas a omissão àquilo que se propõe ou que foi proposto chega a ser um ato covardemente irresponsável. As principais vítimas dos que ‘prometem como sem falta e falta com toda certeza’ são a maioria dos municípios brasileiros administrados por gestores levianos e usurpadores, que tratam o erário público como propriedade particular.

Confundir o real papel a que se compromete tornará o intento algo nocivo e com ressonância inclusive na vida dos que confiaram a oportunidade de realizar tarefas a outrem. Ao contrário de outras funções administrativas, a de gestor público se difere pelo fato de agregar diversos outros afazeres como o da figura que legisla e executa.

Uma cidade precisa muito mais do que as obrigações normais de um gestor, o de cuidar com serenidade de setores essenciais como a educação, saúde e infraestrutura. Criar condições para que o município alcance um desenvolvimento sustentável vai além de pinturas de meios-fios, troca de lâmpadas e tapa-buracos. Tornar a cidade melhor para se viver não é apenas construir as chamadas ‘obras estruturantes’. O lugar bom de viver é aquele onde um conjunto de ações ofereça dignidade aos moradores e justifique a permanência dos mesmos.

Campanhas publicitárias para apresentar o básico só beneficiam quem confecciona as peças e quem as as divulgam. Expor as manutenções é uma forma de esconder o que deixou de fazer, de fato. Construir uma quadra poliesportiva e ampliar os espaços de lazer justificaria o custo de uma publicidade bem mais que anunciar apenas que reformou o que já foi feito por alguém; assim como a ampliação da iluminação pública para locais nunca antes iluminados chamaria mais atenção do que a troca de lâmpadas queimadas.

Administrar sem a presença da população nos momentos de tomadas de decisões tem contribuído para muitos prefeitos incorrerem ao erro. No momento em que orçamento participativo se transforme em lei, para obrigar os gestores a aplicar os recursos naquilo que foi decidido por um colegiado composto por representantes da sociedade civil, os erros e as mentiras diminuirão.

Para que a transformação aconteça se faz necessário também que o legislativo assuma o seu verdadeiro papel. A inversão de valor é uma praxe entre os edis que pensam que são executivos e para os que têm certeza que são. A política não pode ser encarada como uma disputa de forças, mas sim como um ato de força, capaz de transformar vidas. O certo não dói.

Por Gervásio Lima

Jornalista e historiador.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Aldery

08 de agosto de 2018, 13:41

Por Marcelo Rodrigues

 

Noite passada, sonhei com Aldery. No sonho, alguém me dizia que ele já se encontrava com oitenta e cinco anos, uma vez que seus cabelos estavam totalmente brancos e o seu corpo encolhera. Mas eu estranhava essa observação, pois acreditava que a sua idade não fosse além dos sessenta anos. Tudo bem. Era apenas um sonho.

Há muito tempo que estive com Aldery. Na última vez que o vi, ele já era um homem derrotado, que perdera tudo: o patrimônio, os amigos e principalmente qualquer crença na vida e nas pessoas.
Conheci-o em 1981, quando morava em Natal, na casa do meu irmão mais velho, no ensolarado bairro de Ponta Negra. Aldery fora nos apresentado pela minha cunhada. Naquela ocasião, ele possuía um bom emprego na loja de roupa do seu pai, no centro da cidade, era um rapaz forte, bonito e extremamente agradável. As suas visitas eram sempre aguardadas, pois sempre nos trazia deliciosos lanches. E nos restaurantes em que íamos, ele sempre se antecipava e pagava a conta. Até com livros luxuosos da sua biblioteca particular ele nos presenteava, se por acaso percebesse algum interesse nosso por qualquer volume. Assim, todos os finais de semana, ansiávamos pela sua vinda, que era, especialmente para mim, sinônimo de fartura e diversão.
Um dia, o pai, acreditando que fazia um bom negocio, desfez-se da rentável loja da família e partiu para o interior da Bahia, levando consigo o nosso querido amigo. Depois de um ano, porem, inseguro e com o patrimônio comprometido, Aldery retornou. Jamais se encontraria novamente. Aventurou-se em vários negócios, onde sempre perdia dinheiro. Por ultimo, vendeu seu único imóvel e, após desastrosos investimentos comerciais, terminou por ir morar de favor na casa da sua mãe.
Por essa época, eu tinha sido aprovado no concurso para a academia militar e logo fui embora para São Paulo. Algum tempo depois, o meu irmão também sairia de Natal. Poucas vezes retornaria ao Rio Grande do Norte para reencontrar o nobre Aldery. Isso já faz muitos anos.
E, na última noite, sem que há muito o lembrasse, sonhei com ele. No sonho, parecia realmente velho, mas a minha angústia não vinha tanto da sua velhice precoce, mas de vê-lo, antes jovem, bonito e generoso, pronunciar frases ininteligíveis. E no esforço que fazia para se comunicar, eu compreendia que apenas mendigava algum dinheiro para que pudesse se embriagar ainda mais.

Salvador, maio de 2018

 

antomarcelo@gmail.com

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Justiça multa Facebook em R$ 6,6 mi por compartilhar dados de usuários

OMinistério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou “prática abusiva” por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

Segundo nota publicada no site da pasta, “o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica”, que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que “as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas”. O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

VÍDEOS