ARTIGOS

Paz, amor, harmonia e, principalmente, noção da realidade

14 de março de 2023, 16:48

Foto: Gervásio Lima

*Por Gervásio Lima –

Conviver em harmonia e buscar sempre a união como uma demonstração de empatia e civilidade nunca foram tão necessários.

Infelizmente, o perigo de ser hostilizado por conta de reações a conceitos que não agradem o outro é uma realidade cada dia mais presente. Os valores e o respeito derretem como a própria consciência dos que pregam amabilidade, mas carregam a agressividade e a indelicadeza como regras de vida.

A questão não é a que não se pode acreditar, é o além da concepção de descomedimento, da falta de civilidade e de postura; uma clara ausência de urbanidade. É inconcebível, se não fosse inimaginável, que em pleno século 21 ainda existam ‘serumaninhos’ com atitudes e comportamentos racistas, homofóbicos, xenófobos e outros tantos tipos de intolerância.

Há uma carência muito grande de noção da realidade. Talvez por distúrbio de caráter, a convivência em sociedade, a coexistência pacífica e harmoniosa continua sendo algo difícil para muitos indivíduos que não aceitam o diferente. Indivíduos que sempre querem impor a sua opinião em detrimento da do outro.

Viver em sociedade, com respeito às diferenças e obediência às regras de conduta moral e ética é uma das maiores necessidades humana. Nem mais, nem menos. Se incomodar com o alheio é uma demonstração de pequenês e da falta do que fazer dos que cultuam o quanto pior melhor, numa clara demonstração de egoísmo e inveja.

Caçoar o semelhante enquanto a piada está intrínseca é uma conduta do ignorante, do mentecapto, do provocador do próprio escárnio. A postura dos que buscam e pregam o bem é facilmente identificada pelas boas maneiras, a forma de tratamento e a educação que lhes são peculiares.

Lamentavelmente em todos os ambientes existem figuras que aparentam ter boa índole, mas na realidade são más, perversas e até mesmo desonestas. São os verdadeiros lobos em peles de cordeiros.

É vida que segue…

*Jornalista e Historiador

Leia mais...

Acima de tudo a vida

23 de fevereiro de 2023, 14:28

Foto: Gervásio Lima

*Por Gervásio Lima

As boas referências são o que mais buscam aqueles que sonham com um mundo sem maldade, um mundo onde o viver é contribuir literalmente para a vida. Reagir às iniciativas condenáveis, sendo contra qualquer tipo de ações negativas a algo ou a alguém, é um sinal de condescendência, típico dos que cuidam.

Se espelhar em uma pessoa má, imitando seus atos, é uma ação covarde e de mau-caratismo, comportamentos característicos da pequenez e imoralidade daqueles indivíduos que seguem a lógica do quanto pior melhor, mesmo que para conseguir seu intento desrespeite inclusive o direito de viver.

Conforme estudiosos do assunto, o caráter é definido pelo conjunto de traços morais e éticos de um indivíduo. É ele que define a índole da pessoa e como ela rege as suas atitudes, dentro dos parâmetros da honestidade e do respeito ao próximo. Quando se afirma que alguém tem caráter, é porque essa pessoa apresenta traços de honestidade, sensatez e senso de justiça. Já o sem caráter é aquele cujas atitudes quase sempre prejudicam outras pessoas em seu único e exclusivo benefício.

Claramente perseptível também, a família, a escola, a religião, entre outras formas de convivência em sociedade, contribuem na formação do caráter, a partir do ensino de certos valores. Quando uma dessas peças é mau interpretada ou mexida de forma errada é inevitável o surgimentos de criaturas que se comportam como verdadeiros monstros.

Alguns comportamentos são intrínsecos, mas não necessariamente imutáveis. O homem é produto do meio, portanto com base nesta afirmação pode se aplicar as máximas ‘quem com porco anda, farelo come’ ou ‘me diga com quem andas que te direi quem és’.

Seguir o mal e se identificar com determinadas atitudes e comportamentos errados não nos dá o direito de aplicá-los contra o semelhante. O respeito à vida está acima da práticas de loucuras e de mentiras. Somente assim a sociedade vive em paz, numa convivência saudável, assentada na consideração, solicitude e civilidade.

*Jornalista e historiador

Leia mais...

A menina da praia

24 de janeiro de 2023, 15:28

Foto: Gervásio Lima

*Por Gervásio Lima –

Era uma vez uma menina que conheceu a praia aos três anos de idade e o menino que viu o mar pela primeira vez por volta dos dez anos de vida.

No tempo em que quem degustava requeijão eram os mais abastados ou os filhos dos donos da própria desnatadeira onde se produzia tal guloseima, a praia era para poucos, enquanto o mar era de todos. A areia, as ondas e até mesmo o sol eram elitistas; este último literalmente brilhava para uma selecionada minoria.

Não disseram para a menina da praia que tudo na vida é um complemento de coisas, um conjunto de ações, e de acordo com as escolhas que se faça a tábua de marés estará sempre do seu lado, evitando, entre outras situações, bater-se de frente com uma grande onda, levando o famoso caldo

Por outro lado, a imensidão do oceano serve para alimentar sonhos, desafios e uma mistura de sentimentos como o de conquistas e bravuras do então humilde garoto.

Imaginar explorar os mares é conceituar a vontade de vencer, independente da distância e da profundidade, estando a maré alta ou baixa.

Partindo deste preceito e sabendo que o tempo vivido através de determinados lazeres poderia ser mais prazeroso a partir do conhecimento, a praia e o mar se tornaram um só ambiente e com múltiplas funcionalidades, entre estas o de compreender a vida, de descobrir que nem sempre os que chegam primeiro são os que saberão conviver com determinadas contratempos futuros.

Confirmando a lógica, o hoje chegou e a menina, ainda no passado, se vangloria do fato de ter ido à praia pela primeira vez aos três anos de idade, quando subitamente uma verdadeira onda lhe deu um caldo; sendo socorrida por aquele que conheceu e viveu em seu momento o mar.

“Nada do que foi será

De novo do jeito que já foi um dia

Tudo passa, tudo sempre passará

A vida vem em ondas como o mar

Num indo e vindo infinito…

… Tudo muda o tempo todo no mundo

Não adianta fugir

Nem mentir pra si mesmo agora

Há tanta vida lá fora, aqui dentro

Sempre como uma onda no mar

Como uma onda no mar

Como uma onda no mar…” –  Como uma Onda – Lulu Santos

^Jornalista e Historiador

Leia mais...

Amanhã será um novo dia

29 de dezembro de 2022, 18:15

*Por Gervásio Lima

Todo ano é assim, quem chega, chega de mansinho; enquanto quem parte, parte geralmente com alvoroço. Na verdade o interstício entre o início e o fim será o responsável pela avaliação de determinado período, podendo ser bom, mas também ruim, o que determinará se prevalecerá o silêncio ou o barulho.

As escolhas, assim como o comportamento, são fatores preponderantes nos resultados de certas ações. A festa é coletiva e a diversão é individual; uma está para outra, mesmo não sendo necessária a presença de uma das partes para que ambas aconteçam.

A alegria é um sentimento de contentamento, de prazer de viver, de satisfação…, talvez seja uma das condições mais almejadas por quem busca conviver em harmonia, respeitando os espaços e  os direitos do outro.

Reconhecer que o que está sendo bom para si pode não ser o esperado para o semelhante é um sinal de emancipação social, um avanço da capacidade de discernir o certo do errado e consequentemente evitar conflitos.

Aceitar é uma atitude dos fortes, dos que possuem a capacidade da compreensão, independente do sexo, raça, trabalho, credo religioso e de convicções políticas. Viver o momento não significa que o comportamento e ações do agora sejam definitivos. O mundo dá muitas voltas.

O importante é se jogar nas festividades, despertar o folião que existe em si e cair de corpo e alma na positividade do período que marca a vida para os cristãos.

Amanhã será um novo dia!

*Jornalista e historiador

Leia mais...

Aceita que dói menos

19 de dezembro de 2022, 15:46

*Por Gervásio Lima

Admitir uma realidade, sem fugir e sem negar, faz parte do comportamento dos fortes, dos verdadeiros vencedores. A aceitação é uma manifestação de bravura e de humildade, típico dos que consideram a derrota apenas como uma consequência e não como algo definitivo.

Resultados desfavoráveis, em muitos casos, servem de lições para se aprimorar comportamentos e, principalmente, como degrau para se alcançar o sucesso. O lamentar é justificável, não sendo, porém, uma regra de vida.

Como disse o artista marcial e filosofo,  Bruce Lee, “A derrota é um estado de espírito; ninguém é derrotado até a derrota ter sido aceita como uma realidade”.

É normal se sentir frustrado diante de um fracasso, mas se comportar como um fracassado diante de revés é atitude do fraco. Aceitar a realidade é um antídoto para o calunduzeiro. Não adianta espernear e chorar sobre o leite derramado.

Promover arruaças e instigar a violência usando como álibi a defesa do bem, além de ser ato criminoso é uma atitude demagógica, sobretudo porque o que se pleiteiam são vantagens próprias e interesses pessoais. Na verdade o ‘eu’ se sobrepõe ao ‘nós’.

Verdadeiros culateiros incitam em vez de orientar, transformando sujeitos em elementos com comportamentos (muitas vezes patéticos) condenáveis pelas leis e pela sociedade em geral.

Como massas de manobras, são incapazes de tomar decisões próprias, de discernir ou raciocinar sobre o que acredita que se está defendendo. Agindo como marionetes, perdem a oportunidade de contribuírem efetivamente. Como se o único som a ser escutado é aquele emitido por um berrante, insistem em protagonizar peças teatrais de todos os gêneros –  monólogo, comédia, drama, farsa, melodrama e outros mais.

“Caminhando contra o vento

Sem lenço, sem documento

No Sol de quase dezembro

Eu vou …” – Alegria, Alegria (Caetano Veloso)

*Jornalista e Historiador

Leia mais...

As conquistas são consequências do que se é trabalhado

24 de novembro de 2022, 11:49

*Por Gervásio Lima –

Um dos trechos da música Trem-Bala, de Ana Vilela, diz que ‘não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu, é sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu’.

Como em qualquer situação, o ponto de vista, a interpretação, é livre e na maioria das vezes se diverge, mas ao tentar se aproximar ao máximo utilizando todo o contexto da mensagem que a compositora quer passar, é possível afirmar que o importante não é somente alcançar determinado objetivo, mas também a experiência adquirida durante o caminho percorrido até chegar ao intento.

Valorizar a luta e a labuta é uma demonstração, antes de tudo, de humildade. Contemplar a estrada torna a viagem mais aprazível, mesmo que esta seja repleta de conexões.

Na verdade a vida é cheia de objetivos. Se apegar à conquista de um único feito é como viajar sempre para um único destino, cujo trajeto não possui atalhos. É uma espécie ‘mas do mesmo’.

Longe de priorizar a aventura, ou se jogar no desconhecido, é necessário saber o que se quer e onde se pretende chegar; sempre com algumas peças na mala, pois é essencial que se leve objetos extras, como sapiência, resiliência, empatia e esperança.

As conquistas são consequências do que se é trabalhado. A definição do bem-estar não é atrelado a bonanças, como a financeira.

Certas ausências corroboram para a frustração, em detrimento de emoção. Assim como a partida, a chegada não pode ser única, mas incessante. A busca é algo intrínseco ao ser humano, porém estará fadado ao fracasso e à decepção aquele que não sabe o que está se buscando.

O certo é nunca ir com muita sede ao pote, mas dar tempo ao tempo.

É vida que segue…

*Jornalista e historiador

Leia mais...

Síndrome de Estocolmo

13 de outubro de 2022, 14:57

Foto: Gervásio Lima

* Por Gervásio Lima

A escolha é livre, é uma ação pessoal e deve ser respeitada, mesmo quando esta vai de encontro a princípios éticos, étnicos e religioso. A tentativa de persuasão se torna um crime moral quando a partir de ameaças se inibe determinadas tomadas de decisões. A capacidade do discernimento pode até ser um empecilho em alguns momentos, mas a distinção daquilo que está posto não é dificuldade nem para o pior dos incautos.

Existem os que humildemente acreditam que precisam aprender e os que pensam que sabe de tudo, os famosos ‘sabichões’. Estes últimos, aproveitando de limitações ou de momentos em que indivíduos demonstram precisar de apoios, principalmente de ajuda emocional, investem literalmente na promessa da cura dos mais variados problemas.

Ser contra as ojerizas daqueles que se espera comportamentos diferenciados é um sintoma de sensatez, de juízo e capacidade cultural. O sádico muitas vezes se disfarça de satírico para enganar os mais desavisados. Geralmente escondem-se atrás do que a sociedade considera como pilares da vida – a família e a religião.

Situações patéticas se tornaram comuns aos olhos e entendimentos dos que enxergam a figura de um palhaço como um ser inocente e apenas comprometido em fazer graças. Mas ao conhecer histórias macabras de figuras que se passavam por palhaços para matarem, é possível compreender com preocupação determinados comportamentos.

Na década de 1970, nos EUA, um dos seriais killers mais horrendos da história se apresentava como palhaço em eventos, como festas infantis. Era John Wayne Gacy,  conhecido como uma figura amigável, prestativa e popular por grande parte das pessoas. Gacy, o ‘palhaço assassino’, conquistava grandes grupos de amigos com seu charme, desenvoltura e inteligência. Ele foi condenado à pena de morte depois que se descobriu que o mesmo havia abusado sexualmente e matado mais de trinta jovens

Neste momento nebuloso por que passa todo o mundo, faz-se necessário conhecer e evitar a ‘Síndrome de Estocolmo’, caracterizada por um estado psicológico de intimidação, violência e abuso do agressor contra a vítima, porém, em vez de repulsa, a vítima cria simpatia e até mesmo um forte laço emocional de amizade ou amor pelo agressor.

É bom sempre lembrar que no ferido a cicatriz remonta ao sofrimento.

*Jornalista e historiador

Leia mais...

Depende de nós

15 de setembro de 2022, 14:03

Foto: Gervásio Lima

*Por Gervásio Lima

Um dos maiores desejos que existem é o de que tudo de bom que acontece na vida dure para sempre, que a felicidade seja um sentimento único e que a dor seja substituída por prazer e alegria. Contudo, por mais que se esforce para ser diferente, percalços são inevitáveis e infelizmente recorrentes.

Tudo na vida passa, o que foi feito ou o que se desejou fazer vira passado da mesma forma, tornando-se marcantes na mesma intensidade tanto os momentos bons como os ruins. Sem medo de ser feliz, a vida é para se viver, independentemente do que possa acontecer. A busca por dias melhores é constante, porquanto o amanhã é certo, mas o que vai acontecer nele é absolutamente incerto.

Como diz o cantor e compositor Ivan Lins, ‘depende de nós, se este mundo ainda tem jeito, apesar do que o homem tem feito, se a vida sobreviverá’. A vida é moldada de acordo com o comportamento de cada um, em todas as suas fases.

Assim como a felicidade e o sucesso estarão sempre à disposição daqueles que os procuram, agruras sempre existirão. As escolhas são individuais, mas quando as opções são apresentadas, torna-se mais fácil a tomada da decisão. Optar pelo ‘menos ruim’ é uma decisão do fraco, do incapaz de discernir o verdadeiro do falso, o bem do mal.

É preciso estar preparado para as vicissitudes da vida, sabendo que o que está em cima hoje poderá estar embaixo amanhã, e vice-versa. Nem sempre o acaso vai proteger. A chave para o sucesso é a luta, sem ringue e sem machucados.

É preciso saber viver com o desejável, mas também com o aceitável, respeitando as diferenças na mesma intensidade.

Devia ter amado mais

Ter chorado mais

Ter visto o sol nascer

Devia ter arriscado mais

E até errado mais

Ter feito o que eu queria fazer

Queria ter aceitado

As pessoas como elas são

Cada um sabe a alegria

E a dor que traz no coração

O acaso vai me proteger

Enquanto eu andar distraído... Epitáfio/Titãs

*Jornalista e Historiador

Leia mais...

Depoimento pessoal do professor Creso Júnior

24 de agosto de 2022, 09:49

Foto: Arquivo pessoal

A gratidão é uma das principais virtudes do ser humano!

No dia 23 de agosto de 2020, fui agraciado com a oportunidade de fazer parte da equipe de colaboradores do Centro de Estudos Jacobinense (CEJ), que compreende oito polos da Unopar, dois colégios (Oásis, o Oásis Idiomas) e a Faculdade de Ciências Jurídicas de Jacobina (curso presencial de Direito).

Fazer parte dessas empresas é ter a certeza de que também estou contribuindo para o desenvolvimento da região. Com mais de 4 mil alunos formados nos cursos de graduação e pós-graduação, a Unopar alcança os mais altos níveis de empregabilidade. Os profissionais formados pela instituição são atores que fazem parte do ecossistema de desenvolvimento regional.

A nossa gestora, Maria Alice Guerra, antenada com as inovações, está sempre implantando projetos para contribuir com a qualidade de vida dos mais de 200 colaboradores do CEJ. É uma honra fazer parte de um time de profissionais humanos, que trabalham sempre pela qualidade dos serviços ofertados para os nossos alunos.

Nesses meus dois anos de CEJ, venho a público agradecer aos alunos, ex alunos, colaboradores e a gestão, pela oportunidade de participar de um projeto que há mais de 30 anos está comprometido com a transformação de vidas por meio da educação.

Muito obrigado!

Creso Júnior Rabêlo – Pós-graduado em Economia Criativa; MBA em empreendedorismo, marketing e finanças; especialista em Gestão Pública com Ênfase em Cidades Inteligentes. Possui graduação em Administração pelo Centro Universitário UniAGES. Atualmente é Secretário de Administração e Planejamento na Prefeitura Municipal de Caém; coordenador estratégico na Unopar polo de Jacobina e Strategic Partner na Ótica Realce. Idealizador do projeto Nos Caminhos do Sertão. Possui experiência na área de gestão de empresas, consultoria, auditoria, marketing, gestão pública, gestão escolar, gestão de projetos, relações interinstitucionais e docência na educação básica e superior.

Leia mais...

Aniversário é vida

23 de agosto de 2022, 18:00

Foto: Gervásio Lima

*Por Gervásio Lima

Comemorar aniversário é mais que lembrar o dia em que nasceu, é um momento de celebrar e festejar a vida. Poder a cada ano desejar parabéns para quem se gosta é uma forma de compartilhar felicidade e de demonstrar todo o sentimento de carinho, apreço, gratidão e afeto.

A chegada da nova idade é como uma ‘reinauguração do pregresso’, quando tudo o que foi vivido se transforma em uma espécie de histórico suscetível a mudanças, desde que o vivente, ou melhor, o aniversariante, queira.

O fato de mudar o número do tempo de vida decorrido desde o nascimento é uma vitória, principalmente para aqueles que’ vivem cada dia como se fosse o último’. O marco temporal é capaz de transformar comportamentos, mesmo que ‘seja por livre e espontânea pressão’.

Em um mundo onde o egoísmo e a vaidade roubam as cenas antes protagonizadas pela empatia e a compaixão, o aparecimento de rugas passa a ser um troféu que simboliza a vitória e a alegria de um atleta que, mesmo não vencendo a corrida, se completa por ter ultrapassado a linha de chegada.

Aniversariar é isso. Participar de novas provas todos os anos, sem que necessariamente chegue em primeiro lugar. O importante é que cada prova sirva como lição de vida e contribuição para a maturidade e para a forma como o indivíduo passa a conhecer a essência da vida na sua transversalidade.

As memórias impactam no ser único que o indivíduo se tornou. A existência humana é única. Cada ser, independentemente da idade, precisa saber que a recíproca deve ser sempre verdadeira.

Feliz aniversário!

*Jornalista e historiador

Leia mais...