ARTIGOS

Tocam sinos, tocam sinos …

20 de dezembro de 2017, 14:05

Jingle Bells, Jingle Bells, acabou papel. Não faz mal, não faz mal, limpa com jornal. Essa paródia “abrasileirada” e por incrível que pareça cantada nos quatro cantos do país no período que antecede o Natal, é um dos mais antigos plágios que se tem notícias na ‘Terra Tupiniquim’, mas se mantém atual quando o assunto é política e crise econômica, onde o papel a que remete a música vale literalmente mais que determinados jornais, do ponto de vista a conteúdo e compromisso com a verdade.
Assim como as instituições públicas, os meios de comunicação tinham respaldo e eram considerados exemplos de moralidade e decência. A onda de escândalos envolvendo os mais diversos tipos de ‘autoridades’ e as complacências explicitas têm levado os poderes e os poderosos para a mesma indecorosa vala. A desconfiança tem substituído o respeito. Interesses espúrios e escusos sobrepõem a verdade. Não é democraticamente correto fazer com que o outro veja apenas o que lhe convém; isto é uma forma inadmissível de persuasão. Com o advento da Rede Mundial de Computadores atualmente é preciso saber que nem tudo que se diz encontrar no globo é real.
O jornalismo sempre foi o canal que disseminou as notícias e conteúdos às pessoas, seja a respeito da sua própria comunidade ou sobre o mundo. Hoje existe um ruído na relação entre os meios de comunicação e o público que não quer mais ser informado por apenas o que uma emissora de TV, de rádio ou jornal impresso insiste em veicular. Boa notícia, quiçá não corrobore para a “monogamia informativa”, ou seja, que ao invés de se procurar o acesso aos mais diversos meios oferecidos da informação se atenha apenas a um, ou na pior das vezes a nenhum.
A partir da chegada das redes sociais há quem se informe somente através das mensagens que recebe por meio digital (celular, computador …). Ao não checar as informações corre-se o risco de disseminar informações inexatas e exageradas, as chamadas fake news, ou seja, espalhar notícias que aparentam ser verdadeiras, que em algum grau poderiam ser verdade ou que remontam situações para tentar se mostrar confiáveis.
Em um enigma criado por Alex Bellos, da produtora de TV BBC, de Londres, ele desafia a descobrir quem está mentindo ao apresentar a ‘advinha’ (charada): . João diz que Alfredo é mentiroso. Alfredo diz que José é mentiroso. José diz que Alfredo e João são mentirosos. Presumindo que cada pessoa envolvida ou sempre diz a verdade ou sempre mente, qual deles está dizendo a verdade? Solução: Alfredo está dizendo a verdade. Se José está dizendo a verdade sobre João, então João está dizendo que Alfredo é honesto, o que faz de José um mentiroso. Se, por outro lado, João é honesto, então Alfredo está na verdade dizendo que José é honesto, o que mostramos ser falso. Portanto, só Alfredo está dizendo a verdade.
Que o sentimento natalino perpetue, para que o amor, a paz, o perdão, o afeto, a amizade, o carinho, a cumplicidade e a verdade estejam sempre presentes na vida dos seres racionais. Feliz todas as festas do bem para todos. Ho, ho, ho, ho, ho …

Por Gervásio Lima
Jornalista e historiador

Leia mais...

O mal nunca vencerá o bem

08 de novembro de 2017, 17:17

Iminência de um confronto nuclear, guerra no Rio de Janeiro, enxurradas de denúncias de corrupção na política e no esporte, terremotos no México e no Brasil (isso mesmo, no Brasil), furacões no Continente Americano, Bahia e Vitória na zona crítica da tabela do Campeonato Brasileiro de Futebol… Ops! Que tanta notícia desagradável, sendo esta última considerada a mais grave. Misericórdia.

“Eu quero ver o mar pegar fogo para eu comer peixe frito com azeite de ouricuri, pois peixe assado tem o trabalho de espetar”. Quem nunca ouviu algo similar em algum momento?

Infelizmente o povo brasileiro prefere apostar na resiliência do que fazer o papel do cidadão que contribui dentro das suas possibilidades e limitações para a construção de transformações que resultarão inevitavelmente na qualidade de, e da, vida da sociedade, a partir de um mundo mais justo e igualitário. A participação popular nas discussões de interesses coletivos tem sido sucumbida por conta dos descréditos com as instituições, a falência do Estado.

A desconstrução de tudo o que a didática apresentou, ou tentou apresentar, ao longo dos anos nas escolas, mas precisamente no jovem período pós Ditadura Militar, tem baratinado a cabeça do mais dedicado e estudioso aluno ao menos comprometido com a história do Brasil. O golpe institucional orquestrado por uma trupe composta com o que existe, comprovadamente, de mais sujo na política brasileira, tem trazido consequências desastrosas ao Estado de direito. Recessão, desemprego, injustiça social e a violência desenfreada são algumas situações vividas pela população; entre outras tantas geradas em consequências dessas.

Forte é o povo. Somente a mobilização popular poderá intimidar as malvadezas que retornam para infernizar a vida daqueles que querem apenas dignidade e garantias dos seus direitos preservados; dos que querem ter o direito de ir vir sem ser assaltado ou vítima de bala perdida, dos que precisam do acesso à educação e à saúde pública, dos que precisam de uma alimentação de qualidade…

Não é permitido que aqueles que foram confiados os preciosos votos utilizem do momento eletivo para ir de encontro ao que os inócuos eleitores do bem esperam: uma representação voltada para o coletivo, sem intolerâncias e divisões de classe. Existe mal que vem para o bem, pois na luta para sair de uma situação ruim sempre se aprende e descobre outras oportunidades de melhoras. Os erros servem para mostrar os caminhos dos acertos. O mal nunca vencerá o bem.

Por Gervásio Lima
Jornalista e historiador

Leia mais...

Coragem e lealdade para uma boa comunicação pública

08 de novembro de 2017, 17:12

O bom gestor não é identificado como tal apenas pelo conhecimento administrativo e senso de liderança. Possuir outras qualidades é essencial para o desempenho aceitável da função a que se submeteu ou que venha a submeter-se. Coragem e lealdade talvez sejam as principais e mais importantes das propriedades de um administrador que em diversos momentos necessita de firmeza de espírito para enfrentar situações emocionais ou moralmente difíceis.
Muitos administradores municipais confundem o real com o irreal e em consequência disto comprometem serviços e o desenvolvimento de ações em benefício de toda a população. Agradar a gregos e troianos é uma prática a não se aplicar na administração pública. Coerência sim, seria, no mínimo, uma qualidade a ser observada e seguida no momento das decisões. Ao vender o almoço para comprar a janta o gestor está fadado ao fracasso. Chega a ser imoral ter atitudes contrárias à razão. O supérfluo não pode e não deve proceder às prioridades. Nada melhor do que uma conversa franca e participativa com os munícipes para identificar, corrigir ou construir ações que venham a ser reconhecidas pelos benefícios oferecidos ao coletivo.
Um prefeito deve, obrigatoriamente, ‘ouvir e dar ouvidos’ aos que clamam e realmente precisam. A política do pão e circo serve apenas como paliativo imediato, não resolve problemas, apenas contribui para maquiar e literalmente calar àqueles que olham apenas e exclusivamente para seus umbigos, além de ser uma maneira muito perigosa e inevitavelmente ímproba. Resumindo, é tapar o sol com a peneira.
Comer o bolo no dia do aniversário e passar o restante do ano apenas com o que restou da farinha de trigo não é uma opção sensata e inteligente. A teoria do cobertor curto (se cobre a cabeça, descobre os pés) tem sido defendida e utilizada por muitos chefes do executivo dos municípios; um ato irresponsável que chega a ser desumano. Enquanto uns pulam, dançam e riem, outros choram por lhe terem negado o acesso aos direitos garantidos pela Constituição.
Toda ação pública é uma forma de comunicação com a sociedade e para que a transmissão da mensagem tenha sucesso é preciso alguns cuidados, evitando que a informação seja interpretada de maneira incorreta; ou seja, a comunicação em todas as suas formas permite uma interação nos indivíduos que a fazem, gerando consequências que podem gerar aspectos positivos e aspectos negativos. Por tanto, as promoções, aquisições e outras diversas ações realizadas por um timoneiro municipal precisam ser socializadas, avaliadas e debatidas antes de serem executadas. Ao enviar uma mensagem indireta (com construção de alguma obra ou realização de algum tipo de festejo, por exemplo) é necessário ter a consciência de que a mensagem poderá não ser entendida da forma devida e gerar, consequentemente, uma série de confusões e uma resposta que não agrade o remetente.

Leia mais...

Os ímpios também vivem

08 de novembro de 2017, 13:59

Os ímpios também vivem

Na Bíblia ímpio significa uma pessoa cruel, que rejeitou o caminho do Senhor. O ímpio não tem respeito por Deus nem pelo bem. Ele faz o mal ao seu próximo sem sentir remorsos. Tais indivíduos, ‘por natureza’, são cruéis, arrogantes, egoístas, imorais, perniciosos, injustos e outras tantas más qualidades. Para a Igreja são pessoas que rejeitam a Deus e não creem em nada. Já os que tentam fazer o bem não são ímpios.

Qualquer que seja o assunto, discutir sem o mínimo de embasamento e de conhecimento é uma acinte; uma demonstração de ignorância e petulância, comportamento peculiar dos arrogantes e dos desprovidos de bons modos e de educação. Querer convencer o próximo a acreditar no que se acredita é egoísmo.

Mesmo que se insista em dizer que não se discute futebol, política e religião, estes três temas estão frequentemente nas conversas cotidianas, seja no trabalho, no encontro com os amigos, em reunião de família e em outros momentos, gerando normalmente muitas polêmicas e discórdias. Cada indivíduo, ao externar seus palpites, suas ideias e convicções, tenta arguir e passar adiante sua percepção com relação ao que está discutindo; o que inevitavelmente levará os envolvidos a debates muitas vezes acalorados. Existem pessoas que se inflamam quando defendem suas ideias e colocam tanta paixão em seus discursos que há a impressão de que elas querem, de fato, entrar em ‘vias de fato’. Convencer o interlocutor de que sua opinião é a mais acertada não é uma ação racional.

Fazer a política da boa vizinhança é compreender e respeitar as opiniões do próximo, a partir do bom senso e a capacidade de observar seus próprios limites. Não há nenhum sentido em tomar certas atitudes sabendo que irá prejudicar alguém com intenção de se auto-beneficiar. O que sempre deve imperar é o respeito ao direito de ir e vir de acordo com a própria vontade, desde que não prejudique outra pessoa. O problema é que nos dias atuais as pessoas saem e não sabem se voltam.

Trazer para si um problema que não lhe pertence ao defender às vezes o indefensável poderá o desavisado fiel escudeiro, disposto a qualquer missão proposta, a acometer contra aquele (s) ou aquilo que pode vir ser o seu potencial e verdadeiro protetor. Tal, se não fosse ignorante, teria conhecimentos e habilidades morais e naturalmente forçariam o desenvolvimento de padrões de comportamentos eticamente aceitos por uma sociedade justa, igualitária e humana.

Acreditar em Deus não é uma prerrogativa apenas dos bons ou dos que possuem uma religião. Muitos que se dizem ser do bem possuem pouca fé para ser ateu.

Por Gervásio Lima
Jornalista e historiador

Leia mais...

Arrependimento é para os fracos

31 de outubro de 2017, 12:18

Quando se faz algo na vontade de acertar e sem más intenções, não existe arrependimento e sim decepção. O ser humano é suscetível ao erro, com alta potencialidade para reincidência, seja por inocência quando se trata dos bons ou até mesmo por malícia dos maus intencionados. É possível afirmar que o preço pela falta do acerto é sempre alto e, o pior, a vítima não é apenas aquela que transgrediu a regra, como também as testemunhas, mesmo estas não sendo cúmplices.
Um misto de vergonha, sentimento de tristeza, descontentamento, frustração e outras emoções de insatisfação permeiam entre muitos brasileiros que preferiram acreditar no medo ao se deixar ser manipulados por uma rede de tendenciosos e egoístas que insiste em acreditar que pode conquistar desde a consciência à dignidade dos incautos mortais. Muita gente dando bom dia a cavalo.
Além de angustiante, desprezível e deplorável, o que se apresenta ao Brasil neste momento destrói mais que um tsunami e fere como um punhal. Os representantes já não representam e a população não tem alento. Enquanto o dinheiro falar mais alto do que o caráter do homem haverá falsidade e mentira. É inconcebível que o ser humano, com boa sanidade mental, realize ou aceite atrocidades contra si e seus pares.
Como exercício de cidadania, uma visita ao passado faz bem, para lembrar dos erros que não pode cometer novamente. Refletir também faz bem. Não havendo um levante popular, a destruição e o cerceamento de conquistas históricas irão derreter mais rápido que o sorvete exposto ao sol do verão. Gritar, como sinônimo de luta, é uma ação convalescente capaz de mudar e consertar os erros conscientes e os inconscientes. É inaceitável e ininteligível persistir no erro.
Os falidos não os serão para sempre, quiçá queiram aceitar o ruim como permanente e a inércia como regra de vida. Como disse o cantor de reggae baiano, Edson Gomes, “as ruas estão cheias de hipócritas”, mas também estão cheias de lutadores que acreditam e possuem o poder de fazer acontecer.

Por Gervásio Lima

Leia mais...