Cardiologista referência em São Paulo é vítima da Covid-19

03 de maio de 2020, 18:20

O médico santista Sérgio Paulo Almeida Bueno de Camargo morreu vítima da Covid-19 no último sábado (2) (Foto: Reprodução)

O médico santista Sérgio Paulo Almeida Bueno de Camargo morreu vítima da Covid-19 no último sábado (2). Ele tinha 73 anos. O cardiologista, considerado por colegas uma referência estadual na especialidade, estava internado há 15 dias no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, quando foi diagnosticado com o novo coronavírus. As informações são do G1.

Camargo morava em Santos, no litoral paulista, e era considerado referência na cardiologia do estado. Ele era um conhecido defensor da saúde pública e participava constantemente de reportagens jornalísticas em diversos veículos do país. Em publicações nas redes sociais, familiares e colegas de profissão lamentaram a partida do médico. “Ele há tempos preocupava-se com a doença. E, que triste ironia, virou estatística da mesma. Para quem não o conheceu, era um cavalheiro. Estudioso, atendia muito, o dia todo, e muito atento a cada detalhe dos incontáveis pacientes. Médico à moda antiga”, escreveu o infectologista Evaldo Stanislau no Facebook.

“Sentirei muito a sua falta. E que sirva de lição a cada um dos que se sentem inatingíveis ou, pior, são egoístas e desqualificam a doença e a luta contra ela em prol de seu lucro material, de sua ganância. Sérgio, vá em paz. Nós seguiremos por aqui buscando honrar a medicina, sua memória e na luta em busca da cura”. 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS