Bruno pede chance e diz que vai retornar ao futebol: ‘Por que eu não posso voltar a fazer o que amo?’

27 de janeiro de 2020, 16:17

Bruno Fernandes, goleiro condenado por participação no sequestro e assassinato de Eliza Samudio (Foto: Reprodução)

Bruno Fernandes, goleiro condenado por participação no sequestro e assassinato de Eliza Samudio, quer voltar ao mundo do futebol. Em entrevista à TV Record, ele falou que pretende revelar o verdadeiro motivo da morte da modelo ao filho, Bruninho, fruto de seu relacionamento com a vítima.
“As pessoas não querem mais me dar a oportunidade de trabalhar. As pessoas falam em redes sociais que não posso voltar. Eles vão colocar o pão na minha mesa? É uma pergunta que faço todo dia: por que não posso voltar a fazer o que amo fazer? A sociedade é a primeira que cobra você voltar a trabalhar. A ressocialização de um preso é responsabilidade da sociedade. Ela te cobra, mas não dá oportunidade”, questionou.
Desde que foi condenado pelos crimes, Bruno tentou por diversas vezes voltar ao futebol, mas sem sucesso. Na maioria dos casos, os protestos dos torcedores e a perda de patrocínios dos clubes por causa de sua chegada acabaram inviabilizando a continuidade do goleiro. Em outros casos, a Justiça não o liberou para voltar aos gramados.
Ele chegou a acertar com Boa Esporte-MG, Tupi-MG, Poços de Caldas, Fluminense de Feira de Santana e Operário de Várzea Grande.
“Fiquei quase dez anos afastado da profissão e gostaria de recomeçar minha vida. Fazendo aquilo que amo fazer. Opiniões, cada um tem a sua. Quero voltar a trabalhar como atleta profissional e vou voltar”, garantiu.
“Eu posso dizer que sou um ser humano melhor. Você aprende muito na prisão. Hoje dou valor a um copo de água gelado”.
Aos 35 anos, Bruno cumpre regime semiaberto, mas ainda nega autoria do crime. O ex-goleiro se casou de novo e tem uma filha do novo relacionamento.

“Eu não mandei matar ninguém. Se fosse hoje, eu falaria para ela buscar os direitos dela, contratar advogado. Não ia deixar a situação na mão de terceiros. Eu mesmo ia resolver. Eu era muito novo e deixei na mão de pessoas que tomavam conta da minha vida. Eu só queria jogar futebol”, garantiu.
O ex-goleiro do Flamengo diz que a morte de Eliza não foi causada por causa de pensão alimentícia ou Bruninho.
“A situação vai muito além disso, mas se você me perguntar eu não vou te responder. Por que eu não posso. A Eliza é vítima de pessoas do processo. A situação não estava no meu domínio. Eu paguei essa conta”, disse
Bruninho, 10 anos, é criado pela avó, mãe de Eliza Samudio.
“Eu vou contar tudo para ele. Eu pediria perdão ao meu filho. Se ele quiser me perdoar, ficará a critério dele. Vou respeitar a opinião dele”, afirmou.

DIVULGUE A NOTÍCIA

Justiça multa Facebook em R$ 6,6 mi por compartilhar dados de usuários

OMinistério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou “prática abusiva” por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

Segundo nota publicada no site da pasta, “o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica”, que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que “as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas”. O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

VÍDEOS