Bruno Henrique entra no top 3 dos maiores artilheiros do ano

22 de agosto de 2019, 11:57

(Foto: Reprodução)

Atacante foi decisivo para o Flamengo contra o Internacional, marcando dois gols no jogo de ida das quartas de final da Libertadores – 

Responsável por cinco das oito finalizações do Flamengo  contra o Internacional, Bruno Henrique deixou o gramado do Maracanã, nesta quarta-feira, consagrado pelos dois gols marcados na vitória do seu time por 2 a 0. Aliás, fazer gols tem sido comum para o atacante nesta temporada.

Bruno chegou a 18 gols em apenas 37 partida no ano, igualando seu recorde na carreira e se tornando o 3º maior goleador do futebol brasileiro em 2019, entre os jogadores da Série A. O jogador deixou para trás Fred, do Cruzeiro, que balançou as redes em 17 oportunidades.

Agora, o camisa 27 da Gávea está atrás apenas de Gabigol, seu companheiro de ataque, e Gilberto, do Bahia. Veja o top 10:

ARTILHEIROS DO ANO NO FUTEBOL BRASILEIRO – Apenas jogadores da Série A

1º – Gabigol – Flamengo – 24 gols
2º – Gilberto – Bahia – 22 gols
3º – Bruno Henrique – Flamengo – 18 gols
4º – Fred – Cruzeiro – 17 gols
5º – Yony González – Fluminense – 15 gols
Luciano – Fluminense/Grêmio – 15 gols
7º – Daniel Amorim – Avaí – 14 gols
Everaldo – Chapecoense – 14 gols
Ricardo Oliveira – Atlético-MG – 14 gols
10º – Alerrandro – Atlético-MG – 13 gols

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS