Atleta que ‘esnobou’ coronavírus vê família inteira doente: ‘Não respeitei’

04 de junho de 2020, 11:48

A corredora Rafaela Oliveira (Foto: Reprodução)

 A corredora Rafaela Oliveira, de Bertioga, no litoral paulista, admitiu que não respeitou o isolamento, mas viu o pai e a mãe testarem positivo para o coronavírus e sentiu medo de perdê-los. “Minha família é muito grande, somos em cinco irmãos. Na casa da minha mãe, a gente não respeitou a quarentena. Eu não respeitei. Achávamos que nunca ia acontecer”, afirma. A entrevista foi concedida ao portal G.

O pai dela foi o primeiro a ser diagnosticado com a doença, no último dia 19. No dia seguinte, a mãe também manifestou sintomas, seguido de Rafaela. Os três foram para Santos, junto com o marido da atleta e a irmã mais nova para fazer o teste da doença. Após cinco dias veio a confirmação: os cinco estavam com a Covid-19.

No começo da quarentena ela fazia viagens diárias para Santos, onde fica o seu emprego. Ao chegar em casa, a jovem não tinha os devidos cuidados de higiene, conforme confessa à reportagem. “Não tinha aquele cuidado de tirar o sapato, de tirar a roupa e colocar para lavar. Não acreditava que o vírus ficava na roupa ou sapato”, esclarece.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS