Argentina arrecada mais de US$ 2 bilhões em impostos sobre a riqueza

03 de maio de 2021, 17:25

A lei argentina, aprovada em dezembro passado, estabelece uma contribuição única que será tributada progressivamente sobre as pessoas cujo patrimônio supera 200 milhões de pesos (2,17 milhões de dólares) (Foto: Reprodução)

A Argentina arrecadou mais de 2 bilhões de dólares com um extraordinário imposto sobre a riqueza, pago por 80% das pessoas atingidas por esse tributo destinado a fazer face aos gastos com a pandemia do coronavírus, informou o governo nesta segunda-feira (3).

A arrecadação com este imposto, promovida pelo governo do presidente de centro-esquerda Alberto Fernández, chegou a 223 bilhões de pesos (cerca de 2,252 bilhões de dólares no câmbio do dia), informou a entidade arrecadadora AFIP.

A chefe da AFIP, Mercedes Marcó del Pont, indicou que “os recursos gerados serão essenciais para enfrentar as emergências sanitárias e econômicas impostas pela pandemia”.

Cerca de 3.000 pessoas inadimplentes agora estão sujeitas ao controle da entidade. Desse grupo, apenas cerca de 200 recorreram à proteção judicial para não pagar o valor.

Entre os que se recusaram a pagar o imposto estão alguns dos mais conhecidos magnatas do país e o jogador do Boca Juniors, Carlos Tévez, que entraram com uma ação na Justiça.

A chamada “Contribuição Solidária” foi aprovada em dezembro pelo Congresso com uma alíquota de pelo menos 2% aos patrimônios de pessoas que excedam 200 milhões de pesos (cerca de dois milhões de dólares), a serem pagos uma única vez.

As porcentagens vão sendo escalonadas à medida que aumenta o patrimônio até estabelecer 3,5% para quem passa de 3 bilhões de pesos (30 milhões de dólares), pagos uma única vez.

O destino dos recursos divide-se entre despesas com saúde em função da pandemia, bolsas de estudo e subsídios para apoiar pequenos negócios em crise e seus trabalhadores, entre outros fins.

Com uma população de 45,4 milhões de habitantes, a Argentina ultrapassou as três milhões de infecções de covid-19, com mais de 64.000 mortes.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS