Aldery

08 de agosto de 2018, 13:41

Por Marcelo Rodrigues

 

Noite passada, sonhei com Aldery. No sonho, alguém me dizia que ele já se encontrava com oitenta e cinco anos, uma vez que seus cabelos estavam totalmente brancos e o seu corpo encolhera. Mas eu estranhava essa observação, pois acreditava que a sua idade não fosse além dos sessenta anos. Tudo bem. Era apenas um sonho.

Há muito tempo que estive com Aldery. Na última vez que o vi, ele já era um homem derrotado, que perdera tudo: o patrimônio, os amigos e principalmente qualquer crença na vida e nas pessoas.
Conheci-o em 1981, quando morava em Natal, na casa do meu irmão mais velho, no ensolarado bairro de Ponta Negra. Aldery fora nos apresentado pela minha cunhada. Naquela ocasião, ele possuía um bom emprego na loja de roupa do seu pai, no centro da cidade, era um rapaz forte, bonito e extremamente agradável. As suas visitas eram sempre aguardadas, pois sempre nos trazia deliciosos lanches. E nos restaurantes em que íamos, ele sempre se antecipava e pagava a conta. Até com livros luxuosos da sua biblioteca particular ele nos presenteava, se por acaso percebesse algum interesse nosso por qualquer volume. Assim, todos os finais de semana, ansiávamos pela sua vinda, que era, especialmente para mim, sinônimo de fartura e diversão.
Um dia, o pai, acreditando que fazia um bom negocio, desfez-se da rentável loja da família e partiu para o interior da Bahia, levando consigo o nosso querido amigo. Depois de um ano, porem, inseguro e com o patrimônio comprometido, Aldery retornou. Jamais se encontraria novamente. Aventurou-se em vários negócios, onde sempre perdia dinheiro. Por ultimo, vendeu seu único imóvel e, após desastrosos investimentos comerciais, terminou por ir morar de favor na casa da sua mãe.
Por essa época, eu tinha sido aprovado no concurso para a academia militar e logo fui embora para São Paulo. Algum tempo depois, o meu irmão também sairia de Natal. Poucas vezes retornaria ao Rio Grande do Norte para reencontrar o nobre Aldery. Isso já faz muitos anos.
E, na última noite, sem que há muito o lembrasse, sonhei com ele. No sonho, parecia realmente velho, mas a minha angústia não vinha tanto da sua velhice precoce, mas de vê-lo, antes jovem, bonito e generoso, pronunciar frases ininteligíveis. E no esforço que fazia para se comunicar, eu compreendia que apenas mendigava algum dinheiro para que pudesse se embriagar ainda mais.

Salvador, maio de 2018

 

antomarcelo@gmail.com

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS