Agrotóxico pode causar puberdade precoce e má-formação congênita

17 de julho de 2018, 08:32

Crianças de comunidade no interior do Ceará com alto índice de uso de agrotóxicos apresentaram problemas de saúde –

 

Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará aponta que o uso de agrotóxicos está causando má-formação congênita e puberdade precoce em um povoado com 2500 habitantes na Chapada do Apodi, interior do Estado. Trata-se de região em que é constante o sobrevoo de aviões despejando defensivos e tratores pulverizando-os.

A localidade é produtora de frutos para exportação. No povoado, uma menina de menos de dois anos foi diagnosticada com puberdade precoce comprovada após avaliação clínica e exames complementares.

“Temos preocupação enorme a respeito desses estudos porque a maioria destas substâncias é uma associação de agentes químicos e múltiplos agentes. Estabelecer causas e efeitos não é muito simples. É preciso uma pesquisa muito ampla”, explica o ginecologista Renato Augusto Moreira de Sá, presidente da Comissão Nacional Especializada de Medicina Fetal da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

Para ele, o problema das meninas pode ter relação com outros fatores, pois nos primeiros anos de vida pode haver um estímulo hormonal capaz de aumentar mamas, com regressão posterior, sem que isso tenha relação com qualquer problema de saúde: “A despeito da constatação de presença de agrotóxico na água e nos alimentos, isso não é suficiente. O alerta que se faz é sobre a presença de agrotóxico no sangue e na urina. Agora, daí a ter certeza que foi a causa do problema de saúde não é possível, com os dados disponíveis”.

O médico comenta ainda que “na dúvida, a grávida cujo feto está com os órgãos em formação deve evitar qualquer tipo de medicação porque esses produtos podem ter uma ação que hoje desconhecemos. A teoria de Barker diz que a maioria das doenças dos adultos começa dentro do útero.”

Renato Augusto acha imprudente assumir o risco de gestantes permanecerem em contato com esses produtos. “É um alerta porque essas pessoas estão com agentes no sangue no período em que os órgãos estão sendo formados e isso pode ter consequências, mas estabelecer causas e efeitos é muito difícil”.

Puberdade Precoce

Claudia Barbosa Salomão, integrante da Comissão Nacional Especializada de Ginecologia Infanto-Puberal, da FEBRASGO, esclarece que os agrotóxicos são classificados como disruptores endócrinos. “São substâncias encontradas no ambiente que não são produzidas pelo organismo humano, mas que podem ter influência importante, na maioria das vezes negativas, no funcionamento normal do corpo humano. Eles interrompem, comprometem a cadeia normal hormonal”.

Segundo ela, essas substâncias podem interferir tanto na produção, na secreção e na receptividade celular alterando a cadeia endócrina normal. “É essencial deixar claro que prejuízo ao organismo pode acontecer em ambos os sexos. E dar ênfase ao fato de que as crianças são o grupo de pessoas mais afetadas por esse tipo de produto, pois respiram com velocidade maior e, quando inalado com frequência aumentada, eles influenciam fortemente o sistema endócrino. Aliás, o metabolismo da criança é particularmente acelerado e com isso terá absorção maior destes produtos”, adverte.

Impactos clínicos no corpo humano

Claudia Barbosa confirma que os agrotóxicos podem causar puberdade precoce. “Existe possibilidade que estes, usados em demasia na região, sejam a causa dos quadros. A incidência de problemas na região é superior do que a mundial dos quadros de puberdade precoce. Claro que é preciso uma pesquisa rigorosa para confirmar”, esclarece.

No homem, estudos relacionam a influência dos disruptores endócrinos especialmente na fertilidade: “Sabemos que, se expostos, podem ter diminuição na produção de espermatozoides e mesmo dos hormônios sexuais masculinos.”

Quando a puberdade precoce é detectada, a especialista afirma que o ideal é afastar a criança do agente agressor. “Uma vez desencadeada, além de distanciá-la da substância agressora, temos de fazer um bloqueio daquela puberdade precoce com hormônios.”

Por fim, ela destaca que é fundamental a observação clínica. “Temos de ter certeza de que aquele agente é a causa do problema. São necessários exames para ver se não existe outro fator. Da ausência de outras causas, supomos que o agrotóxico é o causador do problema.”

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS