A radiação dos aparelhos celulares é perigosa?

06 de outubro de 2021, 16:15

Para boa parte dos homens, carregar o celular num dos bolsos da calça é procedimento natural (Foto: Reprodução)

A evolução da tecnologia permitiu que os celulares substituíssem muitos outros aparelhos eletrônicos, como calculadoras, videogames e até computadores. Além, claro, de servir como telefone.

Como resultado de toda essa facilidade e o tamanho reduzido em relação a outros equipamentos, carregamos o celular por onde vamos. E sempre perto de alguma parte do nosso corpo. Isso pode ser um risco, já que o aparelho funciona recebendo e emitindo radiação eletromagnética?

Para boa parte dos homens, carregar o celular num dos bolsos da calça é procedimento natural. Em razão da proximidade com a região genital, a radiação pode provocar algum dano na fertilidade masculina?

Essa suspeita já gerou várias pesquisas, mas não há uma conclusão definitiva sobre o assunto. Para o professor de Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo(USP), Fábio Cabar, esta relação ainda é difícil de se provar. Ele explica que estudos com ratos identificaram que a radiação piorou a qualidade do esperma dos machos e diminuiu a quantidade de óvulos das fêmeas nascidas de mães expostas ao aparelho.

Em humanos, no entanto, os efeitos não são tão evidentes. O professor afirma que uma pesquisa publicada pela revista “Human Reproduction” utilizou diferentes tipos de bolsos, sejam os da frente ou os de trás. Os resultados não permitiram uma conclusão definitiva. “Não podemos afirmar que os celulares causam infertilidade”, completou Fábio Cabar.

Outra preocupação comum é com a aproximação do aparelho da região da cabeça. Afinal, em ligações telefônicas ou para ouvir uma mensagem de áudio, o celular tem que ser mantido junto ao ouvido. A radiação pode afetar nosso cérebro?

Foram consultaos três neurologistas. Feres Chaddad, Professor de Neurocirurgia da UNIFESP; Daniela Coelho, neuropsicológa da UNIFESP; e Júlio Pereira, neurocirurgião da Beneficência Portuguesa de São Paulo. Os três afirmam que não há indícios científicos que liguem o uso de celulares com o aumento de doenças neurológicas ou de tumores no cérebro.

A Dra. Daniela, neuropsicóloga, explica que “nós temos muitas pesquisas indicando que não houve um aumento do número de tumores cerebrais desde que começamos a utilizar mais o celular”.

O neurocirurgião Júlio Pereira explica que os resultados das pesquisas em animais apontam que existe uma relação. Por isso, mesmo que pesquisas em humanos não sejam conclusivas a esse respeito, ele recomenda que se use fones de ouvido para atender ligações, ao invés de colocar o telefone na orelha. Mas apenas para quem tem o costume de falar muito. “A radiação é emitida pelo aparelho móvel, então trocar por fones de ouvido é uma estratégia”, diz.

Evitar o contato muito próximo e prolongado do celular com o corpo talvez seja o principal conselho. Apesar do nível baixo de radiação emitida pelo aparelho ser baixo, o acúmulo de exposição à radiação constante pode ser danoso. Desde 2011 a Organização Mundial da Saúde(OMS) adotou uma postura mais cuidadosa sobre esse tema.

A agência da OMS responsável pelo estudo do câncer revisou, na época, centenas de estudos sobre os riscos de usar celulares. E resolveu incluir o equipamento na condição de “possivelmente cancerígeno”, junto com itens como produtos químicos de limpeza, pesticidas e chumbo.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS