7 experiências culturais que você pode ter sem sair de casa

12 de abril de 2020, 08:23

Palácio de Versalhes (Foto: Reprodução)

A pandemia de covid-19 fez milhões de pessoas ao redor do mundo ficarem em casa. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o isolamento social é a melhor forma de desacelerar o contágio, impedindo sobrecarga nos sistemas de saúde. Mas o que fazer para se distrair nesse tempo todo? Simples: usar a internet para fazer turismo.

As experiências listadas a seguir não substituem a sensação de estar no local, porém podem lembrar que ainda há beleza no Universo e inspirar sua próxima viagem. Confira:

1. Museu Nacional de História Natural Smithsonian

Um dos mais visitados por turistas em Washington (EUA), o Museu de História Natural do grupo Smithsonian conta a história da Terra e de como os humanos interferiram em sua evolução. São mais de 145 milhões de itens que podem ser visitados em um tour virtual em 360 graus.

Além da exposição permanente, é possível acessar algumas apresentações marcantes, como uma incrível coleção de fósseis de vários dinossauros, um passeio pela África sob as lentes do National Geographic e tudo sobre a baleia narval, um dos mais ameaçados animais do Ártico.

2. Live cams do Aquário da Baía de Monterrey

Localizado na Califórnia (EUA), esse aquário tem câmeras em alguns tanques que permitem a apreciação ao vivo de animais incríveis. O baile de grandes medusas, a fofura das lontras-marinhas, os incríveis tubarões, os elegantes pinguins africanos e até mesmo o mar em frente ao aquário podem distrair durante horas.

Mas fique atento aos horários que as câmeras ficam ligadas, já que nem todas são 24 horas.

3. Grande Muralha da China

Com a construção iniciada no século VII a.C., a Grande Muralha é uma das principais atrações turísticas da China. O país em que a pandemia de covid-19 começou adotou medidas restritivas ainda em janeiro, incluindo o fechamento de pontos turísticos. No fim de março, parte da Grande Muralha foi reaberta, mas ainda é possível fazer de casa uma visita em 360 graus em um dos trechos da construção.

4. Fontana di Trevi

Essa fonte foi concluída em 1762 e é uma das maiores expressões do movimento barroco na Itália, tendo sido concebida por Nicola Salvi. Como ela é um dos pontos turísticos mais visitados de Roma, conseguir uma foto sem outras pessoas é difícil. Agora, é possível vê-la brilhando sozinha, com quase nenhum turista, através de uma live cam 24 horas por dia.

A Itália é um dos países que mais tem sofrido com a covid-19, mas outros pontos famosos também podem ser vistos de longe, no conforto de casa: a ponte Rialto (Veneza), o Coliseu (Roma) e a Catedral de Milão.

5. Telescópio Hubble

Para comemorar os 30 anos do lançamento do telescópio Hubble, a NASA divulgou um site em que é possível descobrir qual imagem ele capturou no dia do seu aniversário. Basta acessar a plataforma e escolher uma data — dá até para fazer votação entre a família para decidir quem tem a foto mais bonita do Hubble.

6. Palácio de Versalhes

Construído durante o reinado de Luís XV, o palácio foi a casa de reis franceses entre 1682 e 1789. Antes, funcionava no local uma residência rural usada para caça, mas quando o autoproclamado Rei Sol subiu ao poder ordenou sua reforma para ostentar seu estilo absolutista e luxuoso. No passeio virtual proporcionado pela Google, é possível andar pelos corredores e aprender mais sobre a construção.

7. Museu do Louvre

O mais famoso e visitado museu do mundo, com mais de 10 milhões de turistas por ano, abre suas portas para quem quiser passear virtualmente por suas galerias. Você pode conhecer a Galerie d’Apollon, recentemente restaurada com painéis de Delacroix, ver antiguidades antigas e até o que restou do fosso da antiga fortaleza que deu lugar ao museu.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS