55% deixaram de pagar alguma conta em outubro por causa da pandemia

31 de outubro de 2020, 10:00

Para minimizar o impacto da pandemia, o governo pagou parcelas de R$ 600 como auxílio emergencial a trabalhadores informais (Foto: Reprodução)

Levantamento do PoderData mostrou que 55% dos brasileiros deixaram de pagar alguma conta por causa da crise econômica gerada pela pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O percentual oscilou para baixo em 2 pontos em relação aos últimos 2 levantamentos, feitos no final de setembro e no meio de outubro. Em ambos, 57% afirmaram ter deixado de honrar com compromissos financeiros no período.

A porcentagem de pessoas que afirmou ter pago as contas ficou em 42%. O índice subiu 3 pontos percentuais em relação à última pesquisa.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData divisão de estudos estatísicos, do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 26 a 28 de outubro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 488 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os brasileiros que representem de forma fiel o conjunto da população.

highlights demográficos

Quem mais deixou de pagar as contas são aqueles que não tem renda fixa ou estão desempregados (73%) e os que tem de 25 a 44 anos (63%).

Na distribuição por regiões do país, apenas 2 em cada 10 moradores do Norte afirmam não ter tido problema com as contas. No Nordeste são 65% os inadimplentes.

O grupo que teve menos problemas com as contas, foi dos que recebem mais de 10 salários mínimos (87%), de 5 a 10 salários mínimos (70%), de quem mora no Sul (63%) e de quem tem ensino superior (62%).

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS