NEGÓCIOS

Pesquisa: negros são maioria nos pequenos negócios do Brasil

25 de novembro de 2018, 08:56

Levantamento da pesquisa GEM indica que o número de empreendedores afrodescendentes equivale a 38% das micro e pequenas empresas no país, número superior ao dos brancos

Atualmente, os negros formam o maior contingente de empreendedores no Brasil, segundo pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada pelo Sebrae em 2017. O grupo representa 38,8% dos pequenos negócios no país, contra 32,9% dos brancos e lidera também, tanto no ranking dos empresários já estabelecidos, como iniciantes. A pesquisa revelou ainda que os empreendedores negros têm maior proporção de jovens (43% têm até 34 anos, contra 39% entre brancos). Porém, na comparação salarial, os negros continuam ganhando menos e têm escolaridade inferior aos brancos.

A designer gráfica Maíra Da Costa Pedro Luz decidiu retornar ao Brasil em 2015, depois de passar alguns anos na Itália. Sua intenção era se recolocar no mercado de trabalho, mas partiu para o empreendedorismo junto com a mãe Ivanete, abrindo um restaurante na zona norte de São Paulo.

Ela diz que a ideia foi uma forma de se autoafirmar como mulher em um segmento liderado por homens na capital paulista. Além disso, também era uma maneira de se fortalecer como negra, assim como Ivanete.

Decidi partir para o empreendedorismo por necessidade”, afirma Maíra. “Foi um caminho longo e de muito aprendizado. Em primeiro lugar, restaurante não era minha área de formação e depois eu sou uma mulher negra”, acrescenta a empresária, que é sócia da mãe no Free Soul Food, um estabelecimento de comidas naturais e veganas.

As duas empreendedoras não se intimidaram em função da cor da pele. Em lugar disso, decidiram que parte de seu quadro de funcionários seria formado por imigrantes. “Passamos a contratar pessoas de Angola, República Dominicana, Haiti, entre outros”, conta Maíra. E foi a partir disso que até seu cardápio mudou. “Hoje trabalhamos muito com raízes, uma especialidade dos imigrantes africanos”.

Outros números

• 33% dos brancos e 26% dos negros tem ao menos 1 empregado atualmente;

• 46% dos brancos e 36% dos negros esperam criar algum emprego nos próximos 5 anos;

• 47% dos brancos e 55% dos negros faturam até R$12 mil/ano. Além de que 9% dos brancos ainda não faturou, enquanto que 14% da cor negra ainda não faturou.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Brasileiro Carlos Ghosn, presidente da Renault-Nissan, é preso por fraude fiscal

19 de novembro de 2018, 11:36

Fabricante descobriu que o brasileiro estava usando dinheiro da empresa para fins pessoais e declarando um salário menor do que o real

Em poucas horas, Carlos Ghosn foi de salvador da Renault-Nissan a vilão. O brasileiro, que comandava tanto a Renault quanto a Nissan, foi preso por uma denúncia de fraude fiscal, tendo declarado um salário menor do que o real por diversos anos, além de aproveitado o dinheiro da empresa para uso pessoal. A notícia, revelada pelos jornais Asahi e Yomiuri, fez com que a Nissan anunciasse que estava investigando o executivo há meses e que fará uma reunião de emergência da diretoria para remover Ghosn de seu cargo.

A Nissan diz que recebeu uma denúncia e que iniciou uma investigação interna tanto sobre Ghosn quanto Greg Kelly, diretor de recursos humanos. “A investigação mostrou que, por muitos anos, tanto Ghosn quanto Kelly declararam rendimentos para a Bolsa de Valores de Tóquio abaixo do valor real”, disse a fabricante. Além disso, a montadora ainda descobriu “diversos atos de má conduta” incluindo uso pessoal dos ativos da empresa.

De acordo com o jornal Asahi, promotores estão conduzindo uma operação de busca e apreensão na sede da Nissan. Já a publicação Yomiuri disse que, após ser questionado pelos promotores, Ghosn foi preso. A fabricante adianta que enviou as informações colhidas na investigação interna para as autoridades e está cooperando com as investigações. Além disso, fará uma reunião com a diretoria da Nissan nesta segunda-feira para remover o executivo do cargo de presidente. Ghosn ainda ocupa o mesmo cargo na Renault e Mitsubishi, que ainda não se pronunciaram sobre o caso.

Brasileiro com descendência libanesa e francesa, Ghosn começou a carreira na Michelin, subindo nas fileiras até tornar-se COO da operação na América do Sul em 1985 e, em 1990, assumiu o cargo de CEO da marca para a América do Norte. Em 1996, foi recrutado pela Renault como vice-presidente executivo e ainda liderou a divisão na América do Sul da marca. Seu trabalho fez com que a empresa voltasse a lucrar em 1997.

Quando a Renault e a Nissan fizeram uma aliança, Ghosn foi apontado como COO da Nissan em 1999, subindo para presidente apenas um ano depois. Seu plano para recuperar a fabricante japonesa fez com que, em três anos, a Nissan eliminasse a dívida de mais de US$ 20 bilhões e passasse a operar com uma margem de lucro acima de 9%, mais do que o dobro da indústria na época. O bom resultado fez com que fosse nomeado presidente também da Renault e, posteriormente, da Mitsubishi.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Fiat faz recall de 220 mil carros por risco de motor desligar sozinho

29 de junho de 2018, 12:12

Falha atingiu lotes de 8 modelos da fabricante; veículos são de ano-modelo 2017 a 2019 – 

A Fiat Chrysler Automóveis (FCA) anunciou nesta sexta-feira (29) recall de para 223.034 unidades dos modelos Fiat Uno, Argo, Mobi, Toro, Grand Siena, Strada, Weekend e Fiorino por um defeito que pode causar desligamento involuntário do motor. As informações são do UOL.

A falha nos relés de ignição e injeção de combustível afeta veículos ano-modelo 2017 a 2019. A fabricante informa que o problema compromete “as condições de dirigibilidade do veículo e aumentando o risco de colisão, além de possibilitar a ocorrência de danos físicos e materiais ao condutor, aos passageiros e a terceiros”.

A FCA informa ainda que, caso o defeito se manifeste, a luz-espia da bateria vai se acender no painel de controle do veículo. Donos dos veículos devem procurar concessionária autorizada a partir da segunda-feira (2). O conserto da peça leva cerca de 30 minutos.

Veja abaixo a lista de chassis afetados pela chamada

Toro: 48.900 unidades

Ano-modelo 2018 e 2019

Chassis de B40604 a C01788

Strada 1.4: 46.167 unidades

Ano-modelo 2017 e 2018

Chassis de 181519 a 246187

Argo: 44.125 unidades

Ano-modelo 2018 e 2019

Chassis de H20145 a H82351

Mobi: 43.696 unidades

Ano-modelo 2018 e 2019

Chassis de 493776 a 558183

Grand Siena 1.0 e 1.4: 15.807 unidades

Ano-modelo 2018 e 2019

Chassis de 340455 a 359006

Uno: 14.150 unidades

Ano-modelo 2018 e 2019

Chassis de 814974 a 835992

Fiorino 1.4: 9.685 unidades

Ano-modelo 2018

Chassis de 085164 a 107200

Weekend 1.4: 504 unidades

Ano-modelo 2018

Chassis de 099712 a 103166

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Portabilidade de conta-salário terá novas regras a partir de julho

19 de maio de 2018, 17:41

Foto: Divulgação

Transferência do saldo poderá ser realizada pela instituição que passa a receber o recurso

O Banco Central (BC) publicou nessa quinta-feira (18) uma circular na qual define os procedimentos necessários para a realização da portabilidade salarial. A partir de julho, a transferência do saldo da conta-salário de um banco para outro poderá ser realizada pela instituição que vai receber o recurso, como no modelo de portabilidade telefônica.

Hoje, quem recebe o salário nesse tipo de conta só pode solicitar a transferência ao banco contratado pelo empregador para depósito do salário. De acordo com as regras, a instituição financeira ou instituição de pagamento que irá receber os recursos transferidos da conta-salário precisará confirmar e garantir a identidade do cliente, a legitimidade da solicitação, bem como a autenticidade das informações exigidas.

Além de contas bancárias, os clientes da conta-salário poderão transferir recursos para outras contas de pagamento, as de cartões pré-pago de empresas que não são bancos, como Nubank e Paypall, mesmo que a conta tenha saldo limitado a R$ 5 mil.  Com informações do Portal Brasil.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Anvisa proíbe venda de chocolates, água mineral e queijo; veja marcas

11 de abril de 2018, 10:23

A Anvisa proibiu no início desta semana a comercialização de lotes de água mineral, queijo e barras de chocolate.

Água mineral

O lote 1702 da Água Mineral Natural, da marca Santa Rita do Sapucaí, apresentou resultado insatisfatório para Pseudomonas aeruginosa, uma bactéria que pode causar infecções.

A Água Mineral Natural é fabricada pela empresa Fonte Azul indústria, Comércio e Empreendimentos Imobiliários Ltda., e teve o lote 1702, com data de fabricação 13/09/2017, data de validade 13/09/2018, proibido.

Queijo

Já a empresa Indústria de Laticínios Santa Tereza Eirel, constatou a presença da bactéria Listeria monocytogenes em três lotes de diferentes produtos. A bactéria pode causar doenças em seres humanos. O comunicado de recolhimento foi emitido pela própria fabricante.

As empresas devem promover o recolhimento dos estoques existentes no mercado referentes aos lotes citados.

Barras de chocolate

A agência também proibiu a venda de 4 lotes do chocolate Barra de Confeiteiro ao Leite, da marca BEL. A empresa ZD Alimentos S.A. encaminhou o comunicado de recolhimento voluntário do produto após verificar a presença de filamentos metálicos em lotes do produto.

Com a medida, os lotes da Barra de Confeiteiro ao Leite, da marca BEL, estão proibidos de serem comercializados em todo o território nacional. A empresa deve recolher os estoques existentes no mercado. Com informações do Portal Anvisa.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

PF faz operação para investigar Casa da Moeda

23 de março de 2018, 14:14

Corporação cumpre seis mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, São Paulo, São José dos Campos (SP), Itajubá (MG) e Brazópolis (MG).

Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (23) a Operação Vícios 2, que investiga irregularidades em licitação na Casa da Moeda do Brasil.

Agentes cumprem seis mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, São Paulo, São José dos Campos (SP), Itajubá (MG) e Brazópolis (MG).

“Há suspeita de que uma empresa privada tenha sido beneficiada no decorrer do procedimento licitatório destinado à aquisição de equipamentos utilizados na fabricação de cédulas de dinheiro. Os equipamentos foram adquiridos pela Casa da Moeda por mais de trezentos milhões de reais”, afirma a PF, em nota.

A PF investiga o suposto pagamento de propina para que houvesse interferência na licitação, ocorrida no ano de 2009.

A operação é um desdobramento de investigação iniciada em 2015, quando foram cumpridos 25 mandados de busca e apreensão. Com informações da Folhapress.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Consumidores optam por atacarejo e mercadinhos

12 de março de 2018, 12:39

Foto: © Pixabay

O objetivo é levar o modelo a mais 43 cidades.

A retomada econômica marca a volta do brasileiro às compras – mas, desta vez, não nos hipermercados. Segundo pesquisa da consultoria Nielsen, as 10 milhões de famílias que conseguiram superar a crise têm preferido encher os carrinhos nos canais de atacado e em mercados de vizinhança.

“O atacado é utilizado para o abastecimento, e a vizinhança, para a reposição”, explica a especialista em consumo da Nielsen, Mariana Morais. Os atacarejos atraem pelos preços mais competitivos; já os mercadinhos, pela praticidade.

Pelo levantamento, entre as famílias que saíram da recessão, os gastos em mercados de vizinhança cresceram 34% em 2017; nos atacarejos, 20%; e nos supermercados, 18%. Já nos hipermercados, houve queda de 14% no volume de vendas.

“O cash&carry (modelo de atacado) foi aceito como uma opção de compra vantajosa e competitiva em relação à busca de preço. O consumidor que provou e comprovou as vantagens das nossas lojas, sobretudo aquele que saiu da crise econômica, não irá voltar atrás”, afirma Roberto Müsnich, presidente do Atacadão, do grupo Carrefour.

Ele afirma que a rede de atacado é o atual vetor de expansão do grupo – que prevê investir R$ 1,8 bilhão no País em 2018. O Atacadão tem hoje 146 lojas e este ano deve abrir mais 20. Já o Carrefour Express, formato do varejo de vizinhança, é outra frente de expansão da companhia. No ano passado, a rede ultrapassou a marca de 100 lojas.

Varejo

Com o ajuste no orçamento das famílias e alívio na renda, o comércio deve registrar uma abertura líquida de 20,7 mil lojas este ano, segundo projeções da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). No ano passado, o saldo entre aberturas e fechamentos ainda ficou negativo em 19,3 mil unidades – embora, em outubro, o saldo tenha voltado a ser positivo, interrompendo 34 meses de queda.

As grandes varejistas, portanto, se preparam para aproveitar o cenário mais favorável. “Nós retomamos a agenda de abertura de lojas. Temos percebido uma busca maior por consumo e mais otimismo da população”, afirma o diretor executivo de operações da Via Varejo, Paulo Naliato. O grupo pretende abrir de 80 a 100 lojas este ano.

“A nossa estratégia é apostar em um novo formato de loja, a loja smart, com mais tecnologia e integração entre os nossos canais”, diz Naliato. Nesse novo modelo, os clientes podem utilizar totens para acessar o catálogo de outros produtos que não estão em exposição, bem como informações adicionais dos itens.

Outra novidade, por enquanto só disponível em São Paulo, é a parceria com Correios e postos de gasolina: o consumidor compra no site e retira em estabelecimentos parceiros. O objetivo é levar o modelo a mais 43 cidades.

As lojas de nicho também querem surfar nessa onda. A rede de produtos naturais Mundo Verde pretende inaugurar 67 unidades este ano, tanto no formato tradicional quanto no de quiosques – aposta da empresa que exige um investimento menor dos franqueados.

“Estamos vendo uma maior capitalização dos empresários, para que possam investir em negócios e em varejo”, observa a diretora de operações da empresa, Daniela Heldt. Outro objetivo do grupo é lançar, no segundo semestre, o e-commerce da rede. Com informações do Estadão Conteúdo.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Com medo de mudanças na Previdência, brasileiro se aposenta mais cedo

06 de março de 2018, 11:04

Entre as mulheres, a idade média na concessão da aposentadoria caiu de 53,25 para 52,8 anos; entre os homens, essa idade passou de 55,82 para 55,57 anos.

Brasileiros que se aposentaram por tempo de contribuição em 2017 eram mais jovens do que quem solicitou o benefício em 2016, segundo dados da Secretaria de Previdência obtidos pelo ‘Estadão/Broadcast’. Entre as mulheres, a idade média na concessão da aposentadoria caiu de 53,25 para 52,8 anos. Entre os homens, essa idade passou de 55,82 para 55,57 anos.

Os resultados interromperam uma tendência longa, embora gradual, de aumentos na idade média de concessão das aposentadorias. A última vez em que houve queda foi em 2008, entre homens, e em 2005, entre mulheres. Do total de 1,4 milhão de aposentadorias concedidas no ano passado, 470 mil foram por tempo de contribuição.

A aposentadoria precoce onera as contas públicas porque a expectativa de vida dos brasileiros é maior do que no passado, ou seja, o beneficiário tende a ficar mais tempo recebendo os valores do INSS. Segundo o IBGE, uma mulher aos 53 anos tende a viver outros 30. Já a expectativa de sobrevida de um homem de 55 anos é de mais 24 anos.

A idade média de aposentadoria no Brasil é menor do que entre os países-membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que é superior a 64 anos no caso de homens. Em 2017, o rombo no INSS atingiu o recorde de R$ 182,45 bilhões.

Segundo o secretário de Previdência, Marcelo Caetano, o problema não é apenas o recuo da idade mínima, mas o fato de que ela tem se mantido no mesmo patamar na última década. Isso indica que os trabalhadores não estão mais postergando o pedido de aposentadoria como esperava o governo com regras como o fator previdenciário (que reduz o valor do benefício quanto mais novo é o segurado) ou a fórmula 85/95 (que concede 100% do salário de contribuição a quem espera uma soma de idade e tempo de serviço). “Isso reforça a necessidade de se ter idade mínima de aposentadoria no Brasil”, diz Caetano.

A reforma da Previdência foi engavetada pelo presidente Michel Temer por falta de apoio suficiente no Congresso e por causa da intervenção federal na segurança do Rio – medida que impede alterações na Constituição. A proposta previa idades mínimas iniciais de 53 anos para mulheres e 55 anos para homens, com aumento gradual ao longo de duas décadas até chegar a 62 anos para mulheres e 65 para homens. Hoje, quem se aposenta por tempo de contribuição não precisa cumprir nenhuma idade mínima.

A discussão da reforma ao longo de 2017 e o medo de mudanças podem ter levado muitas pessoas a uma corrida para solicitar a aposentadoria, reduzindo a idade média da concessão do benefício, avalia o economista Pedro Nery, consultor legislativo do Senado e especialista em Previdência. “Quem já tinha preenchido os requisitos não seria afetado pela reforma e poderia esperar até conseguir uma aposentadoria mais vantajosa, mas o desconhecimento tende a provocar o movimento de antecipação”, afirma o técnico. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Agência de classificação de risco Fitch rebaixa nota do Brasil

23 de fevereiro de 2018, 14:53

Foto: © Brendan McDermid / Reuters

Atraso nas reformas e as incertezas sobre a eleição presidenciável deste ano estão entre os principais fatores que pesaram na decisão da S&P.

A agência de classificação de risco Fitch cortou nesta sexta-feira (23) a nota de crédito do Brasil, com perspectiva estável.

A nota foi reduzida de “BB” para “BB-“, o que mantém o Brasil dentro do grupo de países considerados maus pagadores de suas dívidas. A perspectiva melhorou de negativa para estável, o que reduz o risco de novos rebaixamentos nos próximos meses.

A Fitch é a segunda agência a rebaixar a nota do Brasil. Em 11 de janeiro, a agência S&P Global cortou o rating brasileiro de “BB” para “BB-“, no primeiro rebaixamento por uma agência no governo do presidente Michel Temer.

O atraso nas reformas e as incertezas sobre a eleição presidenciável deste ano estão entre os principais fatores que pesaram na decisão da S&P.

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

Trabalhadores poderão transferir salário para contas digitais

23 de fevereiro de 2018, 08:44

Foto: © Pixabay

Atualmente, o trabalhador pode fazer a portabilidade da conta-salário (onde o empregador deposita a remuneração mensal) apenas para uma conta-corrente.

A partir de 1° de julho, os trabalhadores poderão transferir automaticamente o salário, sem pagar tarifas, para contas digitais, como Pay Pal e Nubank. O Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou a portabilidade da conta-salário para contas de pagamento (não operadas por bancos), o que inclui contas digitais e pré-pagas.

Atualmente, o trabalhador pode fazer a portabilidade da conta-salário (onde o empregador deposita a remuneração mensal) apenas para uma conta-corrente. As transferências para contas não bancárias também podem ser feitas, mas com a cobrança de tarifas, como ocorre com qualquer transação do tipo.

O CMN também inverteu o procedimento de portabilidade. Em vez de o trabalhador ir ao banco onde o empregador mantém a conta-salário pedir a transferência sem cobrança, ele poderá fazer o pedido à instituição que mantém a conta de destino. O banco ou a instituição não bancária se encarregará de encaminhar os documentos para concluir a portabilidade.

A mudança, que também entra em vigor em julho, iguala a portabilidade das contas-salário ao procedimento praticado na telefonia. Para mudar de operadora telefônica sem trocar de número, o detentor da linha pede a transferência na empresa para a qual quer transferir a linha. Com informaçoes da Agência Brasil

Leia mais...

DIVULGUE A NOTÍCIA

FACEBOOK

VÍDEOS